sexta-feira, 23 de setembro de 2016

A MENINA FEIA

conto de Scorpion

Sempre tive um fetiche,ou uma fantasia, de fazer sexo com uma mulher desconhecida. Nunca tive oportunidade, até que encontrei Rebeca, pela internet. Ela pensava como eu, queriamos um encontro sem muitas informações e referencias.

Combinamos um encontro quase às escuras, sem fotos,sem descrições,sem informação nenhuma um do outro.Depois nos falamos pelo celular,apenas prá marcar o horário e o local.
A expectativa me deixou excitado e a minha imaginação corria solta.

Nos encontramos no estacionamento de um shopping, e quando vi a Rebeca,perdi um pouco o entusiasmo,fiquei um pouco decepcionado. sua voz era bonita,mas Rebeca era feia.Rebeca tinha um nariz muito grande ,o rosto comprido, e era muito magra,parecia uma tábua, usava uns óculos feios .
Não sei se ela percebeu a minha decepção e não deu importância,porque logo que eu disse 'oi',ela segurou o meu rosto e me deu um delicioso beijo na boca

Foi um beijo muito delicioso,aquela menina feia tinha uns lábios muito macios e chupava minha lingua com muito tesão.Estava uma delícia..Não queria que aquele beijo acabasse.Fiquei me perguntando se eu merecia um beijo daqueles,depois do tinha pensando sobre ela.Puxei-a para mim e a beijei novamente.Eu tinha adorado aquele beijo e queria outro. Eu não sei explicar,mas me deu um tesão louco por aquela menina feia.

Sem conversarmos muito fomos para um motel,no meu carro.

Ainda no carro ,no primeiro semáforo,nos beijamos furiosamente,ela tirou o meu pau de dentro da calça,e começou a me masturbar. Encostei e ficamos nos beijando, enquanto Rebeca me masturbava  loucamente. Ela falava no meu ouvido : “pau gostoso,tesão, soca esse pau na minha boca,me diz que sou a sua puta,fode a minha boca,come o meu cú,judia de mim,ahhh,” Rebeca respirava forte no meu ouvido e gemia e me punhetava apertando o meu pau quase com raiva e me beijava,dizendo palavras de carinho e ao mesmo tempo me xingando, mordendo o meu lábio,e queria que eu esporrasse ali mesmo,na sua mão.Ficou apertando meu caralho fazendo movimentos de vai e vem e eu não resisti e gozei,melecando a mão dela .Ela pegou a porra que saia e esfregou no  meu pau ,depois lambeu os dedos.Sorriu e me mandou dirigir.

No quarto , ela entrou e deitou-se na enorme cama,  e ficou me olhando. Ela tinha me enlouquecido, me deitei ao lado dela e comecei a passar a mão pelo corpo dela,enquanto a beijava

Ela me chamava de tarado,meio rindo,e tirou a blusa ,ficando nua da cintura prá cima. Quase não tinha seios, mas eu já não me importava.Então eu a apertava,puxava,esfregava a mão na sua buceta,vinha por cima dela,querendo beijar o seu pescoço,

Comecei a beijar ela que nem louco,chupava seus peitos com força,tirei a calça comprida dela, arranquei sua calcinha e quase enlouqueci.Ela tinha a buceta mais apetitosa que eu já tinha visto , cheirosinha,os lábios polpudos,a xoxotinha depilada,lisinha,afastei os labios da xota com dois dedos e ela ficou semi aberta, convidativa . Lambi de baixo pra cima e coloquei a lingua apertando o clitóris.

Abri bem suas pernas e comecei a chupar aquela delícia. Colocava a língua lá dentro,sugava e mordiscava o grelo,dava tapinhas na buceta,no grelinho,ela gemia enlouquecida,eu disse que ela tava me deixando louco ela só gemia,pedia pra eu dar tapinhas no seu grelinho,prá bater na xoxota.

Rebeca falou que estava louca de tesão,me olhando chupar a sua buceta,enquanto chupava ,comecei a masturbar o grelinho dela,ela gemeu,se contorceu e rapidinho gozou como uma cadelinha,

Depois de um beijo delicioso na minha boca,Rebeca começou a beijar o meu peito todinho,morder meus mamilos,morder meu cacete ainda dentro da cueca,me olhando com carinha de puta,tirou a cueca, me punhetou e começou a chupar meu pau,enquanto sugava,dizia que meu pau era delicioso.

Rebeca cuspia nele,lambia ele todinho,foi descendo,chupou meu saco,chupou uma bola de cada vez,eu estava louco de tesão,comecei a gemer e a mandar ela chupar,ela me mandou chamar ela de putinha então eu dizia “chupa minha putinha” ,eu puxava os cabelos dela,estava quase gozando,mas não queria gozar ainda,disse que queria comer a buceta dela,ela me empurrou para deitar,veio esfregando a buceta pela minha barriga,deixando a umidade do seu gozo na minha pele, foi descendo,esfregou a cabeçona do meu pau no seu grelinho,pegou uma camisinha,eu coloquei, e ela veio por cima de mim, fazendo o meu pau engolir aquela delicia,eu ficava louco do jeito com que ela rebolava no meu pau,ela ficou por cima de mim,me cavalgando e ficava colocando e tirando o pau da buceta,segurava o pau dentro da buceta e ficava contraindo a xoxota,apertando e soltando o pau,me beijava,me mandava morder seus mamilos,até que não aguentei e disse que ia gozar..

Então começou a subir e a descer rapidamente,dizendo “goza na sua putinha,me enche de porra”, rebolava muito rapido e eu não consegui mais segurar e gozei loucamente, enchendo a camisinha dentro da buceta dela de porra.

Ela me fez tirar o pau de dentro dela, tirou a camisinha e me falou : “manda eu engolir a sua porra,me xinga”...e eu dizia “engole minha porra sua vadia.” Ela engoliu me olhou com cara de safada e lambeu o meu pau todinho.

Fomos tomar banho, eu ensabooei ela todinha,e comecei a esfregar o sabonete na sua xaninha, com ela apoiada na parede e com a bunda virada prá mim.Muitos beijos e encoxadas debaixo da água,eu esfregando sua buceta.

Rebecca me puxou prá cama e começou outra seção de xingamentos,gemidos enquanto sentava na minha cara e começou a rebolar na minha boca e minha lingua,mandando eu lamber,esfregava a buceta com força na minha cara,masturbava o grelinho,dizia que queria gozar na minha boca,apertava seus peitinhos,e por mais que eu chupasse ela não conseguia gozar,mas ela queria,dizia “quero gozar,me faz gozar,seu puto !”,então eu a coloquei deitada e cravei a boca naquela xoxotinha,quase engolindo o grelinho dela. Ela gemia como uma gatinha e fazia movimentos com os quadris,empurrando a xana para minha boca. Ela escancarava as coxas e. cada vez mais arreganhada, gemia e quase gritava .Meti um dedo em sua xaninha, ela escancarou ainda mais as coxas,pediu dois dedos,ela estava encharcada

.Minha boca não parou de chupar,lamber,beijar a bucetinha .Rebecca começou a gritar segurando minha cabeça empurrando de encontro a buceta com ambas as mãos. Meti outro dedo em sua xota, chupei o grelinho,fiz um rapido entra e sai com os dedos bem lá dentro dela, até sentir que ela esmagava meus dedos com a xoxota, até que ela gozou safadamente na boca, deixando meu queixo completamente molhado . Terminou de gozar apertando minha cabeça entre suas coxas .

Depois se esticou e cochilou. Eu também.

Acordei com tesão pela minha deliciosa menina feia.Acordei ela quando comecei a chupar sua buceta como um animal

Coloquei ela de quatro e chupava sua buceta alternando com o cuzinho ,mordiscava suas nádegas,fodia sua xoxota com o dedo e ela não dizia nada,nem gemia.Louco de tesão,meti na buceta dela ,o pau estava ainda meio mole e foi crescendo dentro dela . Fodi um bom tempo com ela de quatro, em silêncio, só eu grunhia metendo com força,o unico som que se ouvia era do pau atolando a buceta.

De repente ela começou a gemer baixinho e dizia : “mete...mete ,filho da puta” e me mandou xingar ela de vagabunda e eu metia com força e perguntava pra ela se ela gostava de um pau ela dizia que sim,que queria toda hora ,que não cansava de dar e me mandou xingar ela de cachorra,de vadia e eu xinguei ela mandou eu falar mais alto,e eu quase gritei :”cachorra...puta..vagabunda “.Foi o que faltava para ela gozar como uma puta mesmo.Enquanto ela gozava eu parei de mexer  e fiquei sentindo as contrações da buceta dela.

Ela ficou deitada de bruços na cama,recuperando a respiração. .Foi o tempo de eu pedir uma bebida, a gente bebeu, se beijou, quase não conversou, e eu já estava com tesão de novo

.E,depois de beijar e acariciar suas costas,nuca e coxas, comecei a lamber seu cuzinho. Ela percebeu o que eu queria e só falou: “aproveita,amor.”..continuei lambendo e resolvi trocar minha língua por um dedo e fiquei massageando seu anelzinho,e aos poucos fui enfiando um dedo em seu rabinho.

Ainda deitada ela falou pra eu pegar um creme na bolsa,peguei passei no seu anelzinho,e o meu dedo começou entrar e sair mais facilmente, Rebeca começou a gemer e a rebolar no meu dedo. Passei a enfiar dois dedos,ela gemeu :”que delicia!” ,Com ela deitada de bruços na cama, encostei a cabeça do pau bem na entradinha de seu cuzinho e fiquei forçando devagar, ela abriu as nádegas com as mãos
e a minha pica começou a deslizar pra dentro do seu cuzinho. A cabeça entrou e ela soltou um gemido alto.

Fui empurrando a pica aos poucos e quando me dei conta estava com o caralho todo espetado no cuzinho dela. minhas bolas esfregavam em sua bunda, Quando ela começou a forçar seu corpo para trás,passei a bombar com força,Ela estava deitada na cama, tinha posto um travesseiro por baixo dela, para levantar um pouco seu corpo, e eu agora a fudia com vontade,ela começou a se masturbar,eu fiquei metendo com força naquele rabo, ela disse que estava louca de tesão e ia gozar, mandou chamar ela de cadelinha,eu disse  que também estava louco de tesão, e não agüentava mais,e gozei,urrando de prazer,senti a porra esguichando dentro dela,o cuzinho mastigando meu pau..

Tirei o pau ainda pingando,todo melado.Ela se virou me olhou e disse: “gozou,filho da puta? gozou safado?” eu disse “gozei.gozei na minha putinha safada.” Ela estava se masturbando,batia no grelinho e disse: “vou gozar também..mija em mim...” eu não entendi, ela gritou enquanto se masturbava furiosamente: “mija em mim, caralho...”

Naquela situação,ainda excitado,entrei no seu jogo.Logo que comecei a mijar sobre o seu corpo ela gritava e dizia que não estava mais aguentando, até que vi ela apertar sua buceta e enquanto eu esguichava urina pelo seu corpo ela gozou intensamente. Depois, me olhando tirou os dedos de dentro dela e lambeu e estendeu pra mim e mandou eu provar. 

Confesso que fiquei um pouco assustado com aquela menina feia,mas mesmo assim,pedi pra ficar com ela de novo .Ela não quis e nunca mais saiu comigo também. Lamento até hoje.

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

MINHA CUNHADA NA BALADA

 

Luciana era a segunda esposa do meu irmão Edgar, na época era deveria ter uns 30 anos , eu tinha mais de 40 e meu irmão era uns dois anos mais velho que eu.

Não éramos muito próximos,meu irmão trabalhava muito e logo se mudou de cidade. Às vezes, vinha nos visitar e nessas ocasiões , a gente curtia a cidade.

Luciana era meio quieta, reservada,  não era nenhum mulherão ,branquinha, estatura média, nem magra nem gorda , pernas torneadas e um bumbum apetitoso . Lu tinha cabelos e olhos castanhos ,peitinhos  médios e durinhos, (ela quase nunca usava soutien),boca carnuda , pézinhos pequenos e delicados . E tinha um jeito provocante, sensual , de menina/mulher, vocês me entendem..

Uma vez vieram prá passar um fim de semana. Nesse dia fomos a uma espécie de boate.. um lugar muito agradável, com música de todo o tipo. Nesse dia, Luciana estava a fim de beber e nos incentivou a beber também..A gente não queria, mas não ficar chato, aceitamos..

Bebemos de tudo, mas principalmente tequila, eu me controlei, fiquei apenas tonto. Minha mulher ficou tonta e meu irmão também . Luciana chamou meu irmão prá dançar, mas ele não quis.. Minha mulher estava quase dormindo, foi a que mais ficou alterada.Logo ela quis embora,levei minha mulher e a mãe dela prá casa e voltei prá balada.

Quando cheguei,Luciana parecia meio bebada, também estava mais soltinha. Falou pra mim: " Seu irmão tá meio apagado,..vem dançar, vem.."

Começou a tocar música eletrônica. Dançamos muito, quer dizer, ela dançou , eu fiquei apenas ali enrolando, fazendo movimentos ridículos. . Bebemos mais .

Pouco tempo depois , minha cunhada parecia bebada, o DJ começou a tocar umas músicas que ela gostava, porque ela sorriu muito , ficou muito alegre com aquelas músicas barulhentas.

Dava gritinhos de satistação , rodava e numa hora agarrou no meu pescoço. Comecei a ficar com tesão com aquela aproximação.

Um casal que estava perto da gente, começou a se beijar, Luciana riu e me olhou maliciosamente. Bebemos mais, ela virava rapidamente , eu disse prá ela ir mais devagar , ela me disse, " to a fim de ficar bebada hoje ". 

Logo começou a tocar uma música mais calma, gostosa, sensual, dos anos 90. Dançamos juntinhos, bem coladinhos, Luciana esfregando a  buceta em mim ( talvez até sem querer) . Meu cacete foi endurecendo,  até que Luciana se virou de costas e deslizou a bunda pelo meu corpo, se esfregando no meu cacete,

Não sou de ferro, comecei a encoxar ela , ao ritmo da música, não soltava da sua cintura, sua bundinha macia, queria que o tempo parasse ali... Encostei o rosto no seu pescoço, ouvido, a gente não falava nada, eu estava enlouquecido de desejo. Meu cacete duro estava encaixadinho na sua  bunda, encoxando minha cunhada  e cada vez ela rebolava mais, abaixando e subindo no ritmo da musica,

Luciana então virou subitamente, de frente, nossas pernas se entrelaçaram, e agora eu esfregava meu pau na bucetinha dela. Eu me apertava obscenamente de encontro ao corpo dela e percorria suas costas com as mãos .Fui  descendo com as mãos até chegar a sua bunda apetitosa , durinha, macia .

Eu segurava minha cunhada com força, com vontade, passamos mais ou menos meia  hora nessa esfregação, eu comecei a passar a língua na sua orelha, lambendo, cheirando o seu pescoço, percorrendo o seu corpo com as mãos, até que Lucina gemeu no meu ouvido .

Levei-a prá um cantinho mais escuro e então eu a beijei sugando gostoso sua lingua , e ela correspondeu, segurando minha cabeça.

Estávamos perto da parede, então eu  empurrei ela,  até que  subisse em um degrau atrás dela  e ficasse encostada na parede. Começamos um amasso bem gostoso!

Nos beijavamos, eu passava a mão na sua coxa, dava chupões no pescoço. Ela acariciava minha nuca, meus cabelos, se apertando de encontro ao meu corpo, se esfregando no meu pau , cada vez mais duro. Eu apertava a sua bunda ,puxava -a pela bunda pra mais perto do meu pau, enfiando a perna no meio das suas pernas. Ela se esfregava na minha coxa enquanto me beijava loucamente e eu a apertava.

Luciana apalpava meu pau por cima das calças, esfregando rapidamente, quase devorando a minha lingua. Eu beijava o seu pescoço, apalpava seus seios ,  passava a mão por todo seu corpo enquanto ela chupava o meu pescoço e massageava meu pau .

Ficamos nos amassando e nos excitando por um longo tempo, até que ela encostou a boca no meu ouvido e disse : " me come no carro "..

Fomos para o extenso estacionamento que ficava na parte de trás do lugar .

Estava lotado de carros, levei Luciana para o meu, estacionado no fundo, bem longe da entrada.  A brisa estava deliciosa, não se via ninguém, mas também não estavamos olhando.

Ela foi indo pra dentro do carro, deitando-se no banco de trás e eu a segui,louco de tesão. Me olhando, ela abaixou o top, desnudando os seios.

Eram lindos, com biquinhos rosados e bem arredondados . Fui chegando a boca  até encostar. De leve, passei a língua rígida na auréola. Lambi e comecei a sugar , ela me agarrou pela nuca, enfiando-o cada vez mais na minha boca.  Sugava os seus seios com fome e tesão, quase engolindo os biquinhos que foram ficando duros ..Ela estava se contorcendo de tesão . Suguei seus peitos como louco, deixando eles inchados de tanto mamar, deixei um rastro molhando em sua barriga,

Olhando na minha cara, com o  olhinho iluminado de tesão, Lu se afastou , levantou a saia até a cintura . Puxei sua calcinha , com ela levantando os quadris e me ajudando, empurrando a calcinha pra baixo.  Isso deixou tudo mais gostoso ainda porque deu sensação de entrega, de proibido, ...

O banco de trás era todo nosso. Ela se encostou na parede do carro e  afastou as pernas.Desci para chupa-la. Passei a língua de baixo pra cima, levantando a pele que cobria seu grelinho.Senti o gosto dela e  isso só me deixou com mais tesão . Ela gemia, gostosamente. .Circulei a língua no grelinho  dela, ela estava com o grelinho inchadinho e bem durinho, como se tivesse gozado, era uma delicia ficar lambendo e chupando, enfiei um pouquinho a lingua, a bucetinha dela estava muito molhada  e ela gemia gostoso, baixinho...Coloquei o grelinho na boca e ela deu um tranco, como se tivesse levado um choque,

Me puxou pra cima dela , abrindo a minha camisa e me abraçando forte.
Sussurei no seu ouvido que ela era muito gostosa ,  a resposta foi  a língua quente dentro da minha boca !!! A gente gemia e se apertava  demais e parecíamos dois animais se pegando !! Quando mais ela gemia mais eu  me esfregava nela, ela se ajeitou embaixo de mim, me puxando pela cintura ..Eu esfregava o pau apertado pelas calças, Nesse instante suas pernas abriram e o quadril se jogou pra frente num convite para entrar.

Abri as calças, tirei o pau duro e pulsando encostei a cabecinha no grelinho e comecei a esfregar..

Ela gemia gostoso ,perguntou se eu tinha camisinha, disse que sim,então ela disse no meu ouvido :' coloca a camisinha e me come.' . 

Tirei as calças e a cueca, coloquei a camisinha e forcei a cabeçona naquela bucetinha quentinha e apertadinha, querendo entrar ,com tesão, . A cabecinha entrou devagarinho enquanto ela me pedia beijos e chupava meu pescoço.  Enfiei o resto do pau e logo eu estava todo dentro dela . Eu estava comendo minha cunhada gostosa, mulher do meu irmão , e não estava com remorso, só com muito tesão . Ela pediu pra eu comer com força, dei uma estocada firme...  Delicia, ela disse, ' humm ..me  come! ".. "Como, safada, eu disse" .   Eu estava louco de tesão, vendo ela toda arreganhada, apertando sua bunda enquanto ela me enlaçava com as pernas, com a buceta totalmente entupida pelo meu pau.

Gostosa, eu dizia e ela contraia a buceta apertando o meu cacete. eu continuei estocando com força.. -' mais fundo' ela pedia, mandava.,provocava. Enlouquecido, comecei a foder com força, batendo no fundo da sua buceta..' toma, toma, eu dizia , gemendo a cada estocada que dava.

Ela pediu então pra sentar no meu colo. Sentou-se de frente pra mim, esfregando os peitinhos durinhos na minha boca. Segurei-a pelos quadris enquanto ela descia , engolindo o meu pau com a xoxota molhadinha, até que  enfiei tudo de uma vez.  Safada, gostosa, então Lucciana mostrou que sabia  rebolar, sacudir a bunda... me deixar doido..

-' vai tesão,' ela dizia ,  'você ta doido pra gozar... assim... soca esse pau com força... isso... que tesão... vamos, safado... goza...'

Ela gemia ,dançando na minha rola e eu me descontrolei .. ' -Geme Vadia! Geme!Goza cadelinha! , eu dizia, descontrolado, sentindo Luciana rebolar  na minha rola.. - ' goza, safado ', ela dizia..Ouvindo isso, comecei a bombar mais forte, anunciando o gozo.. ' goza, tesão, ela disse, me enche de porra'..

Foi ficando cada vez mais gostoso, mais gostoso até que não aguentei . Cravei as unhas na sua cintura e comecei um vai e vem alucinado, socando de baixo pra cima. Gozeiiii  .. Enchi a camisinha de porra quase na mesma hora em que ela apertou a minha cabeça e gozou.. se esticando e se contorcendo.

Depois a gente se beijou bastante. Eu fiquei extasiado e disse que foi loucura maravilhosa. Disse que ela era louca e gostosa demais, ela não respondeu, sorriu, me deu um delicioso beijo e voltamos para a boate  , primeiro ela, depois eu.  

De longe, vi que meu irmão  estava procurando por ela e ela toda sorridente,foi ao seu encontro e lhe beijou demoradamente. Como ele estava bebado,eu dirigi,fomos no carro dele .

Tive ainda oportunidade de murmurar prá ela  que a noite tinha sido maravilhosa ,por causa dela. Lucina retribuiu com um sorriso e um olhar safado,mas,no dia seguinte,disse que não se lembrava de nada que tinha acontecido.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

MANOELA
conto de Gabriel



Conheci Dona Clara quando morava num apartamento em São Paulo, enquanto fazia uma auditoria muito complicada, numa agência no interior.

Eu estava namorando firme com Clarice, naquela época, só que ela morava em outro estado e nos viamos a cada 15 dias. Então,tecnicamente, eu estava solteiro e carente.

Dna Clara morava no apartamento em frente ao meu. Era uma simpática senhora de 75 anos. Logo fizemos amizade, eu fazia pequenos serviços pra ela e ela me mimava com doces e tortas.
Quando levava essas guloseimas pra mim,ficavamos conversando . Ela morava sozinha , mas tinha dois filhos, um rapaz e uma moça.

Me conhecendo um pouco melhor e descobrindo os meus gostos e talentos, começou a me falar sobre sua filha, dizendo que ela tinha os mesmos gostos que eu, era muito inteligente , bonita, essas coisas que toda mãe coruja diz.
Um dia tive oportunidade de conhece-la. A filha de Dona Clara, se chamava Manoela, tinha 35 anos mais ou menos, era casada e tinha dois filhos.

Seu marido não gostava de sua mãe. Com o passar do tempo ,descobri que também Dona Clara nao gostava do genro. Dizia que seu genro era ignorante, antipático, grosso, e que nunca tinha gostado dele.
Dizia que sonhava com um homem melhor pra sua filha.
No dia em que nos conhecemos, eu e Manoela ficamos conversando por quase toda a tarde, tamanha a afinidade que houve entre nós..

Ela era uma pessoa normal, mas muito simpatica
Naquele pouco tempo em que conversamos, eu me encantei  com a sua delicadeza. Passamos a nos falar pela internet , trocar idéias e sugestões de livros.

Nesse meio tempo, Dna Clara prosseguia nas criticas ao genro. Eu apenas lhe respondia que se Manoela gostava dele e estava feliz, tudo estava bem.
Ela insistia, e dizia que tinha sonhado com um cara mais carinhoso para ela.

Chegou a perguntar acintosamente se eu era casado. Eu lhe disse que estava quase casado e ela chegou a me perguntar se minha noiva era tão bonita e inteligente quanto sua filha.
Deve ter me elogiado para Manoela também, pois na segunda vez em que nos encontramos, comecei a perceber que ela me olhava meio estranho, um olhar penetrante e algumas vezes soltava uns elogios como: - Nossa como você fica charmoso de terno !!.ou ' acho charmoso homem de barba '  e ' acho você muito inteligente,adoro pessoas inteligentes'

Depois desconversava. Para mim era uma confusão total, pois não passava pela minha cabeça, que ela de fato estava interessada em mim, eu era mais velho e alem disso era feio e comprometido.

Devido a insistência da mãe e apesar da resistencia do marido, começou a deixar um dos filhos pra mãe tomar conta, passando a noite para buscá-lo e quando dava, ficavamos conversando um pouco .

Parecia que eu a conhecia de outra vida de tão grande que era nossa afinidade, parecia que ela me lançara um feitiço eu sempre contava as horas para ve-la.

Isso durou pouco, porque o marido logo contratou outra pessoa pra tomar conta da criança. Manoela não apareceu mais e também seus emails rarearam.


Eu estava louco de saudades e de tesão ,cheguei a comentar com Dona Clara que estava sentindo a falta dos papos com sua filha.. Ela apenas sorriu enigmaticamente.
Até que numa sexta à noite, Dna Clara me chamou no apartamento dela.
Logo que cheguei ,notei algumas garrafas de vinho vazias, Dna Clara disse que tinha feito uma pequena reunião com algumas amigas e tinha sobrado um pedaço de torta que queria que eu provasse.

Nisso, do banheiro saiu Manoela, me sorriu deliciosamente e me abraçou calorosamente. Ao sentir o contato do seu corpo em mim,meu pau ficou duro na hora. Dona Clara chegou a comentar que ela estava com saudades de mim eu disse que também estava com saudades dela e que tinha sido uma agradável surpresa.

Manoela me falou rindo que seu marido tinha lhe dado "alforria",por aquela noite. Ele tinha ficado com as crianças e ela ia ficar na casa da mãe naquele fim de semana prá  fazer alguns programas com amigas antigas. No dia seguinte,elas iriam ao shopping, ao cinema, etc, programas de mulheres   . Falava muito entusiasmada das suas amigas, percebi que estava meio bebada. Estava irradiante, muito bonita, com um olhar bem diferente, bem iluminado.. Estava com uma saia jeans curta  e uma blusinha de alcinha. Manoela tinha pernas muito bonitas.

Manoela me serviu um pouco de vinho e pegou outra taça e enquanto ela falava sobre suas experiências, eu não conseguia parar de fitar seus belos seios, eram pequenos, a sua pele era bastante clara e eu imaginava seus mamilos bem rosados. Seu rosto lindo de olhos brilhantes e lábios avermelhados, o que eu mais queria naquele momento era beijar a sua boca.
Mal conseguia entender o que ela estava dizendo, tal era o meu desejo e paixão. Dona Clara se desculpou dizendo que ia pro seu quarto ver a novela, eu convidei Manoela a ir ao meu apartamento com a desculpa de lhe mostrar alguns livros. Percebi que ela olhou para a mãe como se fosse pedir uma opinião e logo Dona Clara disse que aquela era uma boa idéia, porque nós estavamos conversando e atrapalhando ela. Praticamente nos empurrou para fora do apartamento.

Manoela entrou no meu apartamento, ficou olhando tudo, os cds, os dvds, os livros. Enquanto ela olhava os livros eu mal conseguia me conter, eu tremia de tesão, aproximei meu corpo por trás do seu, encostei a boca no seu pescoço de seda e sutilmente virei o seu rosto e encostei a sua boca na dela.
Não dá pra descrever a delicia que eram seus lábios. Ela ficou paralisada, quieta, eu lhe dei mais um beijo, agora de lingua.
Ela se desprendeu dos meus braços e só me disse :'não'.
Então eu lhe pedi desculpas, e disse : 'Não sei o que está acontecendo comigo, perdi o controle.Faz tempo que eu quero te beijar, to muito atraído por você, me desculpa'.
'vou embora' ela disse. Eu lhe pedi que ficasse, que não iria tentar mais nada, só queria ficar perto dela. Ela hesitava entre ficar e ir embora.
Eu lhe disse então tudo o que estava sentindo por ela e comecei a cobri-la de elogios . Ela me olhou profundamente e disse que ninguém nunca tinha dito aquelas coisas pra ela antes. ' então fica mais um pouco' eu lhe pedi.

Ela se aproximou, seu perfume era delicioso, e murmurou :' fico '. Segurou meu rosto e começamos a nos beijar ardentemente, foi uma das melhores senssações da minha vida,seus beijos eram muito intensos e deliciosos. Nossos corpos se colaram .
Nos beijando, levei-a para o quarto e caímos na cama,

Tirei a blusa que ela usava e comecei a chupar aqueles lindos seios, eram pequenos e rosados como eu imaginara. Ela empurrava minha cabeça  pra eu chupar com força ,fiquei por cima dela e ao mesmo tempo que chupava seus bicos durinhos fui descendo as mãos pela sua barriga, e passeei pelo meio das coxas, até que minhas mãos taradas encontraram a buceta quase que acidental e despretensiosamente, enfiei minha mão dentro da sua saia e comecei a apalpar sua xaninha por cima da calcinha. Ela mesmo afastou a calcinha e levou meus dedos para seu clitoris e depois para dentro da sua xaninha.

Ela começou a gemer,eu suguei os bicos dos seus seios e entrei com dois dedos na buceta , escavando, . Ela gemia, eu me alternava entre sugar seus seios e sua lingua, com o pau duro, louco pra meter nela.
Ela começou a mexer os quadris, e rebolar gostoso nos meus dedos umidos.
sua respiração foi ficando ofegante, os gemidos foram ficando mais intensos eu eu fui tocando-a mais rápido, metia os dedos com velocidade e força, acariciando seu clitoris com o polegar, me deliciando, fascinado ao ver uma mulher tão especial rebolando, molhada prá mim..Ela procurou meus lábios e enquanto me beijava gostosamente, apertou a minha mão sobre a sua buceta e pediu. '-- me faz gozar;...' E eu fiz. Ela era tão deliciosa, assim abandonada à minha vontade... pedindo, me senti importante prá ela.   Alisei seu grelo com mais vigor, às vezes descia com a mão entre as coxas dela até quase o ânus e logo voltava a molhar os dedos em sua boceta, cada vez mais rápido... Ela gemia  e eu acelerava loucamente os movimentos, até que ela gozou. Gozou gostoso, senti sua xaninha pressionando meus dedos que ficaram mais que melados. Gemeu um pouco mais alto, tive que tapar sua boca para ela não gritar e continuei esfregando a mão até sentir que ela tinha acabado de gozar.

Então beijei a sua boca, me afastei, tirei as calças e a cueca , ajoelhei-me e quase selvagemente, puxei a sua saia e tirei a sua calcinha, eu estava louco pra gozar ,  rapidamente coloquei uma camisinha e deitei-me por cima dela, beijando seu rosto, boca e pescoço, falando um monte de sacanagem, rouco de tesão. forcei um pouco o pau, e entrou apenas a cabeça. sua buceta era deliciosa, úmida e quentinha, ela não disse nada, eu urrava de prazer chamando ela de gostosa, forcei mais, ela era muito apertada, mas estava bem lubrificada. entrou tudo. meu pau agora preenchia todo o espaço. ela se mexeu de leve, passando os braços pelas minhas costas puxando meu corpo contra o dela. comecei lentamente o movimento de entra e sai. o pau saia brilhando e voltava indo bem ao fundo. acelerei, e ela voltou a ficar se mexendo de novo. que maravilha, meu tesão foi além do limite. ambos se movimentando, a minha boca sedenta  buscando a dela a todo o instante. ela me dizia coisas gostosas, me chamando de gostoso, de tesão , enquanto me auxiliava no entra e sai. o pau escorregava pelas paredes da bucetinha e entrava mesmo até o fim . sua bucetinha contraia o meu pau e eu socava rapidamente,senti o gozo vindo e disse pra ela :' vou gozar', ela me olhou e disse carinhosamente: ' goza pra mim, goza dentro de mim' .gozei, apertando-a e urrando no seu ouvido . o pau explodiu num gozo delirante. enchendo a camisinha de porra. deixei o pau lá dentro. beijando-a sem parar, sentindo as ultimas contrações de prazer.
então eu joguei meu corpo ao lado do dela, ficamos deitados lado a lado.

' que delicia', ela disse.languidamente, virou-se para mim e ficamos nos acariciando e nos beijando um pouco. Depois fomos tomar banho e no chuveiro, nos ensaboamos, nos lavamos, nos excitando.

Ela saiu do banho primeiro que eu e ao sair,a vi deitada na cama, nua, ainda molhada. além de muito excitado eu estava muito feliz por ver que ela não teve pressa em ir embora, que queria ficar ali comigo...

Coloquei uma música suave e apaguei a luz do quarto,deixando apenas a luz do abajur .
Ela estava deitada de bruços, de olhos fechados, curtindo a música. Meus dedos e boca não conseguiam ficar longe da pele dela e e eu comecei a dar
chupadinhas pelo corpo todo, parando na  bundinha, dei uns beijinhos e segui pernas abaixo até chegar aos seus calcanhares, e retornei, virando-a e colocando-a de barriga prá cima, começando pelos pés, lambi todos meus dedinhos, subindo pelas pernas, até chupar seus seios e posicionei-a de frente pra mim, dei-lhe um beijo molhado,nessa altura ela já estava com os biquinhos dos seios arrepiados e eu de pau duro.

 Então  desci novamente pela sua barriga , abri suas pernas, e com a ponta da língua, alcancei sua xoxotinha e comecei a chupá-la, com movimentos rápidos.
Manoela  tremia, me olhando, mordendo os lábios e apertando o biquinho dos peitos. Enfiei a cabeça no meio de suas coxas e ela arcou os quadris,
pressionando sua xoxota na minha boca.

Eu apertava sua bunda e sugava deseseperado , ela falava coisas sem sentido, fazia movimentos desconcertantes, eu enfiava a língua no mais profundo daquela bucetinha, que sabor gostoso, que fêmea, forcei uma penetração, senti sua buceta umida apertar a ponta da minha língua, faltava muito pouco para introduzi-la.

Afastei com os dedos os labios da  buceta  me permitindo entrar mais com a  língua, brinquei bastante ali, enquanto Manoela  suspirava e dava gritinhos, voltei para o grelinho a e reiniciei uma mamadinha deliciosa no seu clitóris, engoli o grelinho levando-a a iniciar uma sessão de gemidos..

Então ela me puxou e me pediu :' vem, quero vc dentro de mim '

Me abraçou forte. Beijou-me novamente e, de uma jeito natural ,meu pau escorregou pra dentro dela.  Com as pernas abertas e os joelhos levantados, ela recebeu-me . Provoquei ainda mais sua ansiedade enfiando apenas a glande. Depois, enfiei mais um pouco já com movimentos de vai e vem , alternando estocadas curtas com estocadas profundas. Enquanto gemia , Manoela  mordia meu pescoço. Estava muito gostoso, sua bucetinha aconchegava meu pau e contraia e várias vezes eu fiquei prestes a gozar.

 Mas
 consegui controlar a ejaculação, adorando sentir meu membro envolvido pela umidade  daquela buceta . Seus lábios eram como pétalas de rosa. Admirei-a e beijei-a com sofreguidão enquanto enfiava loucamente o pau dentro dela.  Levei um tempão bolinando, massageando e estocando a vagina de Manoela que começou a contorcer-se e a gemer descontroladamente, sussurrando-me palavras obscenas. ' que tesão, amor,vou gozar',ela disse.

Sai de dentro dela, rapidamente e disse : goza na minha boca, amor.
Quando enfiei a boca no meio de suas pernas e comecei a sugar seu grelinho, Manoela parecia ter ido ao delírio, parecia que iria desmaiar de tantos espasmos, seu néctar já escorria pela minha boca e língua , percebi que viria uma tormenta de gozo, abri bem a boca, quase engolindo sua xoxotinha, enfiei ao máximo minha língua, deixando que transbordasse em minha boca todo aquele melzinho delicioso. Continuei lambendo-a até as últimas contrações.

Depois, louco de tesão, enfiei de uma vez o pau na sua buceta molhadinha e comecei a socar com força.  A visão do meu pau entrando e saindo de sua xoxota me deixou tonto, o cheiro do seu sexo me embriagou, o contato dos nossos corpos suados me eletrizou. - 'vou gozar !!!!' eu disse , tentando tirar o pau de dentro dela, porque estavamos sem camisinha . ' não, disse Manoela, puxando-me para si e me beijando.. ' goza dentro, me enche de porra'.

Estou gozando!, - anunciei. Manoela  puxou-me para si e beijou-me. Esporrei então fartamente dentro dela , urrando e me contorcendo de prazer.
Permanecemos muito tempo abraçados, nos beijando e acariciando com muito amor e tesão. Ela não me deixou tirar de dentro dela, até minhas derradeiras contrações. Depois disse que precisava ir embora, mas não queria.

Naquela noite, me apaixonei por ela..
Mas Manoela não quis me encontrar mais, só ia na casa da mãe nos horários em que sabia que eu não estava,nunca mais respondeu meus emails até que eu me mudei e perdi contato com a mãe dela.
Manoela, a filha da Dona Clara será sempre uma lembrança muito gostosa e excitante.  

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

A SEDUTORA GORDINHA DA TARDE DE CHUVA

 

conto de Gabriel

Conheci Marcela por acaso, num sábado à tarde , no litoral
O dia não estava ensolarado, mas estava agradável para caminhar.
A praia estava vazia, parei num quiosque ,
Uma gordinha parou também no quiosque.Logo trocamos olhares , ela tinha um olhar atrevido e alegre. Era uma mulher baixinha, de seios grandes e pernas grossas, morena, de cabelos curtos, simpática.

Ela começou a conversar com o dono do quiosque, e logo eu estava no meio da conversa e sem perceber, saimos caminhando e conversando.
Marcela era muito simpática e  falante .Era casada, mas naquele fim de semana estava sozinha. O seu marido,seu filho e genro estavam pescando . A sua filha estava com os netos, na casa da mãe dela e Marcela não se dava bem com ela. Ficou um tempo falando sobre a sogra da filha, sobre os filhos, netos, etc.

Caminhavamos à beira da praia quando começou a chuviscar e depois a chover.
Tão rapido quanto veio o primeiro pingo , desabou uma aguaceira que nos deixou molhados. Mal tivemos tempo de procurar um abrigo.
Estavamos com a roupa colada no corpo, deu pra ver o contorno do delicioso e exuberante corpão dela, debaixo do vestidinho florido, que ia até os joelhos. Percebi que Marcela trazia um maiô por baixo.

- Que pena, ela disse, o papo tava tão bom . Estou molhada, agora tenho que ir pra casa.
Eu  lhe respondi que o papo não teria que acabar.

Convidei-a para continuarmos a conversa no meu hotel, já que estava hospedado ali perto. Me comprometi a pedir pra a camareira secar a sua roupa;
Ela disse que não seria bom, que ela era casada, que não estava certo.
Eu ri e argumentei : - o que você vai fazer agora ? aposto que vai pra sua casa, vai ficar sozinha  vendo televisão.. E prossegui, vendo que ela hesitava : vem comigo, a gente pode tomar um lanche  no hotel , beber um vinho e conversar mais um pouco.

Ela argumentou , mas sem muita convicção. Peguei-a pela mão e fomos para o hotel,  Lá, arrumei uma roupa pra ela tomar um banho. A única coisa que consegui arranjar foi um roupão com o logotipo do hotel. Ela entrou no banho, peguei a sua roupa e pedi pra camareira lavar e secar..

Quando ela saiu do banho, estava muito sem graça por estar vestida com aquele roupão e eu sabia, sem nada por baixo. Estava se achando horrorosa, eu lhe disse que ela estava bonita . Tomei meu banho, já excitado com o que poderia acontecer e vesti um  roupão  também, pra ela não se sentir tão mal, eu disse. Só que eu vesti uma cueca.

Pedi um lanche leve, vinho e champagne. Ela riu, achou muito "chique" estar num sábado à tarde, tomando champagne ,
Eu ri também , bebemos e conversamos.Ela me falou sobre a cidade, seu olhar tinha um brilho delicioso, Peguei na sua mão e disse que era muito bom ter lhe encontrado. Ela me disse novamente que estava se achando ridicula vestindo aquela roupa  , que a estava deixando mais gordinha.. 
- Você está deliciosamente provocante. , eu respondi.
Ela sorriu e disse, que mentira, Gabriel..
- Não é mentira não, você está muito atraente.
- Deixa pra lá, ela disse, me serve mais champagne..

E continou conversando amenidades, como se eu não tivesse falado nada.
Durante o lanche e após algumas taças da bebida, ela me olhava e ria, já bem mais desinibida.
Lanchamos e nos levantamos , no meu quarto tinha uma pequena varanda, e ficamos vendo a chuva batendo na praia, agora bem forte..

Tinhamos acabado uma garrafa e abri a segunda.. Servi-a e ficamos conversando, olhando a chuva. Coloquei a mão no seu ombro, sob o pretexto de lhe mostrar alguma coisa. Ela não disse nada, mas colocou a sua mão sobre a minha.  Bebemos nos olhando , então tirei a taça da mão dela, sempre fixando meu olhar no dela.
A principio foi só um roçar de lábios,nossos lábios se buscaram lentamente e ao sentir aquela língua na minha boca, meu corpo inteiro estremeceu...Sua boca era gostosa demais, ela passou os braços ao redor do meu pescoço e correspondia, loucamente.
Aprofundei mais o beijo, e puxei-a pela cintura, colando meu corpo no dela. Apertei-a . Abracei-a mais forte ,puxando-a mais para mim..
Voltei a beijá-la com mais  ímpeto dessa vez, como se quisesse devora-la. Fui empurrando Marcela até encostá-la na parede.  Enfiei a mão por dentro do roupão e acariciei suas costas e cintura, afundando a boca no seu pescoço, mordendo-a de leve, ao mesmo tempo em que ia lhe apertando mais contra a parede, falando que ela era gostosa, que eu estava louco por ela, etc.  Pouco tempo depois, ela agarrou a minha cabeça, puxando, obrigando-me a aprofundar mais o beijo. Meu pau latejava de tesão por dentro da cueca.
As carícias e os amassos já haviam aberto um pouco seu roupão. Comecei a tocar seus seios bem devagar, fazendo-a gemer contra minha boca, passei minhas mãos pela sua barriga e fui descendo mais até seus quadris, colocando minha coxa bem no meio das suas pernas.
- Não consigo mais me controlar, eu disse, quero transar com você.
Em resposta, ela me beijou.  Suguei sua língua  enquanto sentia que  ela se esfregava lentamente, na minha coxa. Senti sua xaninha quente e macia se esfregando na minha coxa.
- Que tesão, eu dizia, entre beijos e beijos.
De repente, ouvimos um telefone tocar. Era o celular de Marcela.
-
Ela teve que usar de toda a força para se livrar do meu abraço.
- Gabriel, tenho que atender. Desculpa.
Sua voz saiu fraca, ofegante, e eu não queria que ela saisse dos meus braços. Ela entrou no quarto e foi atender o telefone, sem desviar o olhar de mim..Era o marido. Instintivamente,Marcela fechou o roupão.
Enquanto conversava com o marido, ela se afastou de mim .
Quando desligou o telefone, ela me pediu desculpas, disse que eu era muito legal, mas que tinha que ir embora, que não estava certo.
- Será que já lavaram a minha roupa ?, ela me perguntou, levando a mão até o interfone.
Peguei na sua mão,com força. - Não vai, eu disse. Fica comigo.
E sem dar tempo dela pensar, abri o seu roupão. Os seios saltaram, volumosos e exuberantes. Fui empurrando-a para a cama, tentando beijá-la. Ela reclamava : para, Gabriel, é sério, pára. E afastava a boca sempre que eu ia beijá-la.
Mas consegui subjugá-la e comecei a dar curtos beijos no seu pescoço, começando pela orelha e com o tempo, comecei a passar a minha lingua tesuda no seu pescoço. 
- Para, Gabriel ela disse..  Tentou me afastar , mas eu não dei atenção., chupando, lambendo e beijando o seu pescoço, enquanto tocava seus seios com as mãos.
- Me beija, eu pedia, e ela negava, tentando se desvencilhar.
Coloquei seus braços para trás, para seus peitos ficassem empinados e comecei a sugar seus mamilos duros e grandes, ora um , ora outro, ia alternando com chupadas, mordidelas e mais chupadas fortes e firmes, chupei com vontade, com tesão,com sede,sem pressa  até sentir seus biquinhos duros como pedra e ela não conseguir  conter um gemido.
Voltei à sua boca e dessa vez ela correspondeu novamente aos meus beijos, como antes, enfiando a lingua dentro da minha boca .  Isso me arrepiava e me dava um enorme tesão. Soltei os seus braços e mãos e deslizei a mão pela sua barrigona, de pele macia, acariciando virilha e coxas, voltando a sugar seus seios.
Finalmente ela disse :
- Não resisto ... faz tempo que não tenho um carinho assim.
Encarei aquilo como se fosse uma ordem. Imediatamente, voltei a beijá-la com mais paixão, com mais furor, chupando sua lingua, enlouquecido.
Agora enquanto eu a beijava, enfiava a mão por dentro das suas pernas, massageava o grelinho, ouvindo-a gemer baixinho.
Desci a lingua pela sua barriga, beijando e lambendo. Podia ver toda a sua xaninha, deliciosamente gordinha. Eu lambia a parte interna das suas coxas, depois olhava bem nos olhos dela. Fui descendo e começando a chupar a sua coxa, depois a virilha, lambia a marca de seu biquíni até chegar então lá. Passei a língua por toda a buceta e um dedo brincava com o seu clitóris. Desci a lingua até o cuzinho e voltava para os grandes lábios , enfiei um dedinho na buceta, enquanto chupava o grelinho, que agora já  estava durinho e inchadinho. Ela gemeu mais forte, segurou a minha cabeça entre as coxonas e com a minha boca colada no seu grelinho, ficou gemendo com minhas chupadas. 
Suas pernas tremiam, ela gemia deliciosamente.
De repente, afastou minha cabeça da sua buceta , e me disse , ofegante: - vem me comer

Foi quando ela enfiou a mão por dentro da cueca, e colocou o meu pausão pra fora.
Pegou nele e o masturbava mexendo na cabecinha enquanto continuava a me beijar.
Toquei seus seios, sentindo que estavam durinhos  .
- Me come, ela disse.
Tirei a roupa ,segurei meu pauzão, duro que nem pedra e comecei a passá-lo pela sua entradinha. Esfregava-o no grelinho depois ele brincava com o pau na
portinha da buceta agora mais encharcada do que nunca .
Passei pra cima e pra baixo, sentindo sua bucetona melada.
- Te quero dentro de mim, vem, ela sussurrava.
Eu mordisquei os biquinhos do seio,ora um ora outro, beijava a sua boca , so encostando o pau na sua buceta, sem enfiar.
Chegava a começar a enfiar e tirava. Tava muito gostoso, sentir a maciez da bucetona
- Enfia logo, amor . Quase sendo uma ordem
Entao comecei a enfiar bem devagar. primeiro a cabecinha e depois o resto aos poucos, entre beijos na boca..
- Delicia, ela dizia. eu gemia de tesão e a chamava de gostosa..
Logo nossos corpos estavam colados e eu sentia a sua buceta contrair o meu caralho que tinha duplicado de tamanho. Meu pau latejava e eu urrava de tesão 
- Mais forte, ela pediu.
O pau entrou todo e comecei a me movimentar dentro dela, devagar, saia e entrava.
Ela gemendo de prazer, começou a masturbar o grelinho.
eu entrava e saia dentro dela sem parar;;
- Ahhh... Delicia...
Sua respiração ofegante. Ela contraia a buceta para me apertar dentro dela .
Eu urrei de prazer e aumentei a velocidade,  e cada vez mais forte entrando e saindo.
Os seios volumosos dela se esfregavam no meu peito  com os biquinhos durinhos.
- Quero gozar, amor, ela disse.
Trocamos de posição e ela ficou em cima de mim. Meu pau desapareceu rapidamente engolido por sua buceta quente e úmida. Começaram as contrações
Comecei a estocar a buceta dela de baixo pra cima, martelando
Ela começou a me cavalgar muito gostoso, nem rápido nem devagar,  sempre olhando profundamente em meus olhos e eu admirando aquele rostinho gordinho e vermelho.
Ela apoiou uma das maos no meu peito e com a outra se masturbava gemendo muito......
Até que ela disse que ia gozar, e senti sua buceta contrair o meu cacete . Ela judiava o grelinho, com o meu pau todo dentro dela..Espasmos, tremedeira ,ela começou a gemer :
- vou gozar, ai que delicia , ahhhhh tesão... Gostoso... Hummmm... toooo gooozanndooo  - ela gemia ,se requebrando sobre meu pau. Eu não resisti aqueles espasmos, aquela bucetinha macia apertando o meu pau e gozei loucamente,urrando..
Esporrei gostosamente dentro dela e ela pediu pra ficar dentro dela até amolecer.
Abraçamos-nos fortemente, nos apertamos ainda com aquela sensação em nossos corpos. Depois nos beijamos.
Ficamos por uns instantes abraçados, relaxados sentindo aquela sensação de alívio e de prazer.
Depois ela saiu de cima de mim e ficamos deitados de barriga pra cima, tentando respirar.  
Ficamos um tempo mudos curtindo o restinho do prazer
Ouvindo a chuva acabamos dormindo.
--------
Acordei, tomei banho , pedi um lanche. Ela acordou sorridente, tomou banho,ligou para a filha, conversou com os netos, tentou ligar de novo para o marido e não conseguiu. Depois  comemos e  ficamos conversando um pouco, ela deitada e eu sentado ao seu lado.
Ela tinha colocado o roupão de novo, mas tinha ficado meio aberto, mostrando um pouco dos seus seios.
Enquanto conversávamos ,eu comecei a massagear seus ombros, abaixei um pouco o roupão deixando os ombros à mostra. Marcela tinha ombros deliciosos, costas largas, ombros gordinhos, que dava vontade de morder. Massageei seus ombros, deitei-a de bruços,
tirei o roupão e desci massageando as costas, as coxas, as nádegas, as pernas, seus pezinhos de dedos gordinhos. Comecei a lamber seus dedos, chupando um por um e olhando para a deliciosa gordinha ali deitada.  Subi então a boca pelas pernas, pelas coxas grossas que se abria para as minhas carícias.
Enquanto chupava e beijava e lambia a parte interna das suas coxas, pude sentir o cheiro e o gosto da sua buceta  . Marcela rebolava bem gostoso enquanto eu chupava aquela buceta suculenta, enfiava minha língua nela e sentia que aos poucos ia ficando mais e mais molhada.
Marcela  não conseguiu pronunciar uma só palavra. Ela gemia loucamente e isso me deixava ainda mais louco  . Queria ver aquela gostosa gritando de prazer com a minha boca atracada na buceta. Enfiei a minha língua o mais fundo que pude e fiquei metendo e tirando. Fazia o que ela me pedia.....chupava, lambia, já estava quase sem fôlego de tanto que ela rebolava com a buceta na minha cara. Abri totalmente os labios da sua buceta e enfiei dois dedos dentro dela, enquanto chupava o seu grelinho. Ela se contorcia e gemia.
Quando sentiu os dedos dentro dela, ela começou a fazer um vai e vem bem gostoso e eu continuei  chupando e lambendo o seu grelo.
A cada lambida que eu dava ela jogava o corpo para trás e soltava gemidos excitantes... foi quando senti o corpo dela estremecendo e pude sentir a primeira gozada dela na minha boca.  Ela gemeu alto ... Depois  ficou  parada me olhando, com um sorriso de moleca, como se estivesse agradecendo o prazer que tinha sentido. Puxou meu corpo para cima do seu ,  acariciou meu rosto e me pediu um beijo . 

Dessa vez foram beijos lentos, mas com muito tesão. Ela murmurava com a língua dentro da minha boca: - Me chupa mais, me chupa mais... vou  gozar de novo! Mergulhei no seu pescoço , chupando muito , beijando os seios, a barrigona , lambi a parte internas das coxas, ela ficou arrepiada, abri ainda mais as pernas dela, passei minha língua na buceta e comecei a mordiscar seu grelinho. Ela se contorcia de prazer.

Passei a ponta da língua no seu clitóris, e fiquei  fazendo movimentos muito curtos, passando a língua levemente, de cima para baixo. Depois comecei a chupar toda a buceta , muito molhada , e fui aumentando a intensidade, como se quisesse colocá-la toda na sua boca. Ela gemia, cada vez mais excitada, e ficava levantando as ancas, fazendo seu clitóris encontrar minha  boca. Enfiei a língua na buceta e ela gemeu ,delirando de prazer. Depois vim  com um dedo e meti na sua buceta , enquanto a língua continuava a acariciar o clitóris. Logo a seguir meti  outro dedo. Marcela dançava desornedamente  com aqueles dois dedos dela dentro dela,  seguindo movimentos cada vez mais velozes,

Continuei chupando e lambendo o grelo cada vez com mais intensidade, até o momento que Marcela disse : “Gabriel , vou gozar na sua boca!”,
Eu não conseguia responder, porque estava me deliciando com aquela xana, Ela começou a fazer movimentos de vai e vem na minha boca e gozou bem gostoso , gemendo muito,  deixando a minha boca toda melada, que ela beijou, sentindo o seu gosto. 
”Ai, Marcela, que bucetinha gostosa”;, eu disse.

- Delicia, nunca fui chupada assim.. ..to mole, to mole...
Marcela estava com as maçãs do rostinho gordo avermelhadas e estava ofegante.
Esticou-se na cama, me olhando. Fiquei um tempo apenas olhando-a, feliz pelo prazer que ela estava tendo.
Um tempo depois, ela ficou de joelhos na cama , aproximou o rosto do meu e disse:
- Voce me fez gozar muito gostoso, vou te dar um presente..
Ficou de quatro,arrebitando a bundona exuberante , e disse :
- Come meu cú..
Eu estava com muito tesão, abri bem as nadegas e lambi o cuzinho dela.
" Enfia o dedo, enfia”;ela pediu ..
" Enfia, tesão", ela dizia enquanto eu mordiscava sua bundona e meu dedo entrava e saía do seu cuzinho. Coloquei  a cabeça do pau na porta da bunda e fiquei  esfregando, Marcela suspendeu  mais a bunda, ficando toda arrebitada.
”Vai, meu cavalo, come ! come a bundinha ,que ela é sua ”
Eu tentei, seu cú era deliciosamente apertadinho. Enfiei a cabeça.
Primeiro Marcela falou que era a minha putinha, pra eu  a comer como uma égua, pra enfiar tudo. Quando eu empurrei um pouco mais fundo ela começou a gemer de dor, disse que estava sentindo muita dor, pediu desculpas, tava quase chorando e pediu pra eu tirar.
" Tira, Gabriel, não to aguentando " . Tirei , o pau pulsava de duro, grosso. 
Ela estava ofegante. segurou o pau duro e disse, me olhando docemente : 
"Goza na minha boca, amor,goza ", ela disse,
Fiquei de barriga pra cima, ela ajoelhou entre minhas pernas.  Chupava bem gostoso, passando a linguinha pela extensão dele. Marcela segurou meu pau, me olhou e começou a chupar a cabecinha. Continou me olhando e enfiou o pau todo na boca.
Começou a me masturbar rapidamente, senti o gozo percorrendo todo o meu corpo, ela não tirava os olhos de mim enquanto me chupava. Eu tava arrepiado, pronto pra gozar..
Vou gozar, quase gritei.
Ela acelerou a punheta e ficou sugando . Eu dei um tranco pra trás, quase quebrando a cama. O primeiro jato bateu na sua boca, ela cuspiu e continou me masturbando, a porra lambuzou a sua mão que segurava o pau. Mas a ejaculação não parou, continuei lançando, jato após jato. Ela me punhetava com força, apertando o meu pau, eu grunhia e esperneava pela cama. Ela ordenhou as ultimas gotas que pularam do pau e escorriam pelos seus dedos. Era uma doce tortura, nunca tinha gozado tão gostoso assim. Tive que pedir pra ela parar .
" Delicia ver voce gozar assim, amor, ela disse ", alisando meu pau, que pulsava ainda.
" É voce, Marcela, voce é deliciosa, desde que te vi na praia que fiquei com vontade de te comer "  
Me deu uma sensação de torpor, e fiquei totalmente mole, não queria pensar em nada, puxei-a para mim e fiquei beijando-a. Ela ficou segurando meu cacete até amolecer.
------------
Ficamos assim, nos acariciando até que anoiteceu e ela se preparou  então para ir embora mas eu  queria ainda muito mais....

Ela se despediu de mim, com um beijo gostoso..Não me deixou nenhumn contato,"prá não cair em tentação".ela disse.

(narcisosantos@hotmail.com)