terça-feira, 29 de março de 2016

TRAIÇÃO E SWING

SE MEU MARIDO SOUBESSE.

(by Ana)
lindamacapa@outlook.com

Sou uma morena, casada, dizem que sou bonita , 25 anos, seios apetitosos e empinados e uma bunda malhada e procuro ser sensual e charmosa: pelo menos é o que todos dizem. Vocês devem saber (e isso é um detalhe importante), que eu tenho muito bom gosto e sensualidade também no meu trajar. Ainda mais que meu corpo ajuda enormemente. Afinal de contas, adoro andar pelas ruas e ter certeza de que sou cobiçada pelos homens. Isso me faz um bem incrível, principalmente ao meu ego. Numa sexta-feira de agosto último, fui ao centro da cidade com uma amiga fazer compras.

Ao entrarmos numa loja, deparamos com um tipão, com mais de 1, 75m de altura, gostosão, moreno, peludo, tipo atlético, parecia ser levemente mestiço, que me devorou com os olhos, após me examinar dos pés à cabeça. Confesso que também o devorei com os olhos, principalmente o pacotão que ele tinha dentro da calça que parecia ser enchimento de tão grande. Minha amiga não notara que eu já estava ligada nele e me deu um toque, para que eu o olhasse. Disse que certamente ele estava a fim de mim. Eu falei para Fátima, essa colega, que ele deveria estar interessado é nela. Conversa vai, conversa vem, e o sujeito não despregava os olhos da gente. Fátima trai o marido há uns 3 anos. E justo com o chefe do cornudo; vai ver ele sabe e está tirando partido da situação. No que acho que faz muito bem, todos saem ganhando, mas com certeza ele não sabe é que Fátima e o chefe, frequentam clubes swingers, onde Fatima libera tudo  Ela me conta tudo, e eu também conto tudo para ela. A Fátima ficava me cutucando, para darmos uma entrada a ele. Tanto insistiu, que cedi e, com um olhar, fiz um sutil sinal de que aceitava ser abordada. Ele veio galante e confiante, sorrindo discretamente. Saudou-nos com respeito  e apresentou-se como Eduardo. A partir dai, minha amiga tomou a direção da coisa, foi respondendo tudo e outra surpresa. Ele conhecia nossos maridos, eram amigos. Fátima chegou até a marcar um churrasco no Domingo na casa dela, comigo e meu marido no meio. Eu tremia e suava, pois não havia imaginado a possibilidade de trair novamente o meu marido, pois casei virgem e ainda estava com esses costumes profundamente enraizados em mim.

Contudo, sentia-me embriagada com essa aventura, pois sentia o desejo dele por mim ; e depois que nos despedimos e voltamos para casa, eu comecei a curtir mais esse lance. Passei um fim-de-semana medíocre como todos, as crianças enchendo o saco, o meu esposo em frente à TV, vendo reprises de partidas de futebol. Tudo isso me motivava mais para o Domingo, que se aproximava. Foi um churrasco divertido em que os homens como sempre beberam demais, menos o Eduardo, que não bebia e era quase descaradamente cortejado por Fátima. Mas eu percebia que ele não tirava os olhos de mim.

Quando eu fui à cozinha buscar mais cerveja para meu já embriagado marido, ele veio atrás de mim e na cozinha me cercou. Fiquei imóvel quando ele me encoxou por trás (eu usava uma mini saia e uma blusinha decotada sem sutien), ele
enfiou uma mão por baixo da mini saia e esfregou minha rachinha com suas mão forte e com a outra, se enfiou dentro de minha blusa e apalpou meus seios, senti um tesão tão grande, que molhei toda mão dele com meus sucos e gozei arfando com o coração disparado. Saímos da cozinha, antes que alguém entrasse e nos surpreendesse. Sentei-me um pouco afastada da turma e ele veio e se sentou do meu lado. Meu marido já bem alto, contava piadas sujas aos amigos igualmente embriagados que riam e nem percebiam o que já estava rolando. Fátima com certeza percebeu, mas ficou na dela. Ele começou a me cantar abertamente e quis marcar um encontro para o dia seguinte. Eu relutei, apesar do tesão que estava sentindo por esse macho, mas quando escutei meu marido gritando para que eu buscasse outra cerveja, assenti para ele com a cabeça.

Marcamos e depois do churrasco, falei com a Fátima e pedi para ela ir comigo até o lugar do encontro, para me acobertar, ela sorriu maliciosamente para mim e topou na hora. No dia seguinte, saímos de casa cedo e eu não sabia como seria tudo. Quando o avistamos no local combinado, Fátima simplesmente falou: "Vá em frente, Michele, faça tudo que seu coração mandar. Mas faça mesmo! E goze muito! Tchau. " E saiu fora. Eu me senti totalmente desarvorada, mas fui até ele, cumprimentei-o um pouco friamente e entrei no carro. Ele rumou para um barzinho, onde tomamos uns chopes. Ah, que excelente quebra gelo! No segundo cigarro, conversávamos e ríamos como velhos amigos. Ele aproveitou o momento e atacou. "Vamos para um motel?", perguntou. O que eu podia responder, senão que sim? A coisa já estava acontecendo e não havia como escapulir mais. Pois que fôssemos ver a vaca dar o leite.

Ao entrarmos no quarto, já éramos íntimos. Resolvemos tomar um banho e, debaixo daquela ducha deliciosa, mil beijinhos e passadas de mão. E as chupetações: o danado me beijou o corpo inteiro, com mais vagar entre meu ventre liso e minha púbis. Ele mordeu os meus pentelhos, puxando-os delicada e deliciosamente. Sugava meu clitóris e enfiava a língua em mim com a experiência de um mestre. Meu tesão era tanto que, gozei despudoradamente na sua cara. Meu primeiro orgasmo oral em 5 anos de casada! Foi uma coisa tão forte que quase desmaiei. Fiz movimentos, com os quadris, que desconhecia em mim. Eu retribui tudo na cama, onde pude avaliar com mais exatidão o tamanho da sua piroca. Para ser sincera, nunca vi muitos cacetes, mas acredito que como o seu, existem poucos. No mínimo uns 20 cm de comprimento pôr 6, 5 cm de largura. Basta dizer que quase não entrava a cabeça na minha boca. Chupei como nunca chupei na vida. Fazia vaivém seguida e sofreguidamente. Usava as mãos, os lábios e a língua. Meu macho delirava e eu mais ainda. Quando gozou, foi um jorro violento e quente que bebi gota por gota, ou melhor, esguicho por esguicho, que pareciam nunca terminar. Como ele não perdesse a ereção eu estava com minha rachinha pegando fogo, pedi que ele me varasse com seu mastro. Ele atendeu carinhosamente. Ele foi pondo centímetro por centímetro, alargando meu canal como eu nunca havia sentido antes, estava quase entrando o saco. Gente, estava tão gostoso, Tão apertado, que me realizei como mulher da maneira que sonhara para a
noite de lua-de-mel. Eu gemia e gritava, quase atirava meu macho para fora, tão forte era o meu frenesi e delírio. Ele sabia meter com uma rapidez impressionante. Eu delirava e gritava.

Meu grande sonho se tornava realidade, eu era uma mulher totalmente preenchida. Eu quase chorava de tanto prazer e os orgasmos vinham sucessivamente um mais forte que o outro. Isso nunca seria possível com meu marido, uma vez que o pintinho dele é de criança saciada. Quando ele gozou dentro de mim, me senti inundada até a garganta e como ele não parava, senti a porra começar a espirrar para fora de minha fenda pulsante. Tanto minha vulva, quanto meu cuzinho, piscavam incessantemente, de maneira que levei a mão dele até meu cuzinho . Ele percebeu minha intenção, lambuzando com saliva a ponta da verga grossa, me puxou pelo quadril e foi cravando e rasgando meu ânus rosado. Estava muito gostoso, confundindo gozo e sofrimento, tesão e amor. Ele ficou não sei quanto tempo arremetendo dentro de mim, enquanto meu gozo vinha em ondas tão fortes que desfaleci por uns momentos e pude sentir depois de um tempo que me pareceu horas sua porra abundante ser despejada em minhas entranhas.

Ah, como me realizou o homem que me fez gozar. Agora dá para aguentar a vida de mal-casada, pois tenho um macho troncudo que, duas ou três vezes por semana me come toda e me faz mulher por inteira. Além de um corno em casa para me dar de tudo, e achar que tem a esposa mais fiel do mundo. De vez em quando saio procurando outros machos pauzudos para variar, pois só mesmo um belo chifre para fazer o milagre de salvar um casamento.



SEXO INTERRACIAL



Swing Familiar

Tenho 39 anos, minha esposa 34 e levamos uma vida muito feliz com nossos filhos nesses nossos 7 anos de casados. Nós realmente nos amamos muito e temos muito respeito um pelo outro. Mas com o passar dos anos começamos a querer sempre dá uma "esquentada" em nossas relações sexuais. Começamos vemos alguns filmes pela internet para nos excitarmos . E foi num site que ficamos sabendo sobre o que casais bem casados como nós tem feito e que esta sendo chamado de "Swing Familiar". Casais que realizam algumas fantasias eróticas, fazem algum exibicionismo, mas tudo sem a participação ativa de outras pessoas.

Isso nos deixou muito excitados. Nessa mesma época estava se falando muito também sobre praias de nudismo. Então minha esposa perguntou porque a gente não ia a uma praia de nudismo, mais precisamente em Tambaba que fica aqui perto de nossa cidade. A principio não queria pois não admitia que nenhum outro homem olhasse minha esposa nua. Lembro que ficava louco quando ela
vestia uma roupa mais provocante, ficava morrendo de medo que alguém estivesse tentando ver seus peitos ou sua calcinha. Imagine ir com ela totalmente nua a uma praia.

Com muito jeitinho ela acabou me convencendo de que nós estávamos precisando de um final de semana onde ela pudesse usar
qualquer roupa, mesmo que fosse transparente, muito curta ou que ficasse dando lance. Então resolvemos ir passa o final de semana em Recife, mas antes passaríamos por Tambaba . Saímos de casa cedo e para entrarmos logo no clima fomos tomando umas cervejinhas.

Ao chegarmos já estávamos quase no "clima", mas para melhorar, quando fomos estacionar o carro, passou um casal, o homem totalmente nu e a mulher apenas com uma canga cobrindo a parte de baixo, deixando os belos seios a mostras. Minha esposa perguntou se não era para nós irmos do mesmo jeito. Falei que era melhor ver como era na praia, eu ainda não estava tão a vontade. Então fui de sunga e ela de biquíni com uma canga por cima.

Chegando na praia descobrimos que ela se divide em duas partes. Uma logo que entramos e onde não é obrigado a se tirar a roupa, tira quem quer, mas na outra, que era mais reservada, não dá para ficar nenhum curioso olhando, só entra casais e tem que estar nus.
Acabamos nossas latinhas de cervejas na parte não obrigatória ao nudismo e então fomos para a outra. Para minhas surpresa, minha esposa ficou um pouco sem jeito de tirar a roupa, mas mesmo assim quis continuar nossa caminhada para a parte de nudismo, dizendo que quando o sangue esfriasse tudo ficaria bem. Sem que ela percebesse tirei minha sunga e continuei falando com ela naturalmente.

Quando ela viu levou um susto e disse "Você tem razão temos que nos vestirmos do jeito do pessoal daqui." Dizendo isso tirou o biquíni,
só que ainda ficou com vergonha de mostrar a xoxota, e então cobriu a parte de baixo com uma canga. Ficamos batendo papo num local mais discreto e que não tinha ninguém, para ver se ela dava uma relaxada, mas sempre que passava alguém ela  tentava esconder seus peitinhos. Depois de algum tempo e umas "latinhas", ela resolveu me chamar para tomar banho de mar.

Enquanto estávamos tomando nosso banho nuzinhos, eu disse que nossas cervejas tinham acabado mas eu iria comprar mais no bar. Ela falou que seria melhor que nós dois fossemos tomar nossas cervejinhas lá mesmo. Então fomos, só que ela não queria chegar no bar nua, eu disse tudo bem, só que ela se cobriu todinha com a canga. Chegamos no bar e estava lotado de pessoas nuas.

Minha esposa era a única que não deixava mostrar nada. Ficamos bebendo numa mesa, eu sentado normalmente e minha esposa colocou as pernas em cima de uma outra cadeira. Como o sol estava muito quente e já estávamos nos queimando a algum tempo, ela resolveu passar protetor solar nela. Quando estava passando perto dos peitinhos, a canga caiu deixando um deles de fora, ela ficou
nervosa, procurou olhar se alguém estava olhando, tentou esconder mas voltou atras e resolveu deixar seus lindos peitinhos aparecendo.

 Depois ela resolveu liberar geral, tirou de vez a canga deixando a mostra sua linda  xaninha. Finalmente o sangue dela havia esfriado. E ficou claro que ela estava adorando. Ela não conseguia ficar numa posição só, continuou com as pernas em cima da cadeira, abria um pouco as pernas para proporcionar uma visão melhor para o pessoal, baixava as pernas, se levantava, sentava mais uma vez. Depois ter notado que todos no bar já tinham visto sua xoxotinha, pediu para irmos dar uma volta pela praia, no local onde tinha mais gente. A
essa altura ela já estava se sentido totalmente a vontade.

Então começamos a passear pela praia, passamos por muitas pessoas, olhamos para todas e acredito que também fomos olhados por todos. Para quem nunca passou por isso não imagina que sensação gostosa e a de ver sua mulher que você tem tantos ciúmes quando ela veste uma roupa mais provocante e de repente lá esta ela totalmente nua na frente de outros homens. Até agora quando lembro disso me dá um friozinho na barriga. Como ela estava fumando, passou um casal e pediu para acender o cigarro deles, enquanto isso ficamos conversando por um bom tempo.

Foi outra sensação fantástica, eu e minha mulher batendo papo com um outro casal também nu. Como em na beira da praia de Tambaba tem muitaspedras altas, resolvi me esconder de minha mulher para fica observando a de longe. A princípio ela ficou preocupada, nas deve ter notado que me perdi dela de propósito então levantou a cabeça ficou andando nua pela praia.
Quando ela me viu veio correndo em minha direção. Confesso a vocês que foi uma das cenas mais bonitas que já vi: Minha mulher numa praia de cheia de pessoas nuas, ela também nua correndo em minha direção fazendo seus peitinhos ficarem balançando. Não consegui esconder o meu pau duro, então ela me abraçou e fomos tomar outro banho de mar. Depois de muito exibicionismo fomos embora.

Eu vesti minha sunga e ela apenas se cobriu com a canga. Na estrada tinha uma pousada e paramos para ver se era legal.
Não tinha nenhum hospede, só tinha um rapaz que toma conta de lá que veio nos mostrar. Notei que o rapaz sempre deixava minha mulher ir na frente ele no meio e eu por ultimo, é que o sol fazia com que a canga ficasse totalmente transparente e ele podia ter o prazer de ver minha mulher nua.

Como nosso objetivo era fazer um "Swing Familiar", fiz de conta que não tinha notado. Como tinha um restaurante na pousada tomamos um banho trocamos de roupa (ou colocamos uma ) eu coloque uma bermuda e uma camiseta e minha mulher um minúsculo vestido, quis reclamar mas ela disse: " Se lembre que hoje estou liberada para mostrar tudo", me calei e fomos almoçar.

Continuamos nossa viajem, lá pras tantas na beira da estrada tinha uns rapazes vendendo abacaxi. Minha mulher pedi para comermos um, já que na pousada não tinha sobremesa. Depois que comemos o rapaz trouxe água para lavarmos nossas mãos e bocas. Para tanto tinha-mos que nos curvarmos um pouco, como o vestido que ela estava usando, alem de muito curto era muito decotado, o rapaz teve o prazer de ficar olhando seus belos peitos. Quando fomos embora comentei isso com ela, no que ela respondeu "Imagine com deve
ter ficado o outro rapaz que esta atras." Perguntei porque. E ela respondeu "Você não disse que hoje eu podia usar qualquer roupa de qualquer jeito que estaria liberado. Pois olhe." Tirou o vestido e pude observar que ela estava sem nada por baixo, e que o rapaz que estava sentado atras dela realmente de Ter ficado babando com o visual. Continuou sem roupa dentro do carro por muito tempo, sempre que passava um carro ela dissia que não me preocupasse que não dava para ver nada.

Não resisti e quando passamos por uma estradinha deserta entramos nela, parei o carro, ela entendeu e já foi saltando do carro e trepamos no meio da estrada. Pela estrada principal passava muitos carros mas nenhum deu sinal de ter visto alguma coisa. Nos vestimos e fomos embora. Quando chegamos em nosso hotel, tomei logo um banho enquanto ela desfazia as malas, e quando ela estava tomando banho, coloquei uma poção de calcinhas sexy em cima da cama. Quando ela saio perguntou o que significava aquilo. Respondi que era para ela vestir a que mais a agradasse colocar uma camiseta e vinhesse tomar mais uma cerveja comigo na varanda do hotel. Ela
escolheu uma calcinha vermelha que na frente tem um coração e atras só um fio que entra todo na bunda, e veio para a varanda e perguntou se eu fazia questão da camiseta. Respondi se estava bom para ela para mim estava ótimo.

Ficamos lá tomando nossas cervejas algum tempo, e comecei a notar que ela estava se levantando muito, sempre entrando e saindo da varanda. Até que parou na porta da varanda e disse: "Se você deixar eu tirar a calcinha te conto um segredo". Lógico que concordei. Quando ela acabou de tirar deu uma voltinha e disse: "Tem um cara nos observando da janela do prédio vizinho.

Eu perguntei então o que ela queria que fizesse. Para meu espanto ela disse: "Do jeito que ele me olha deve estar morrendo de inveja de você e doido para me comer. Porque você não vem me comer para ele babar mais ainda." Não perdi tempo me levantei e foi, morrendo de tesão de saber que tinha um cara se masturbando olhando minha esposa, ao encontro dela. Quando a abracei sua xana já estava tão molhada que meu pau entrou sem a menor cerimônia. Quis leva-la para a cama mas ela disse tinha de ser ali mesmo para o cara ficar

olhando. Gozamos maravilhosamente. Fomos tomar banho e quando voltamos não tinha mais ninguém na janela. Dormimos e quando acordamos. Bem ai é outra estória que depois contaremos.