sábado, 8 de fevereiro de 2014

VÁRIOS CONTOS..MASTURBAÇÃO, INCESTO E LESBICAS

 Amigo é prá essas Coisas....
Menina Superpoderosa
12 
Isso aconteceu logo quando eu conheci o Jefferson e ele era uma das pessoas que trabalhava sob a minha supervisão. Logo ficamos amigos, vivíamos indo ao Habib's e no Súbito para beber um pouquinho e bater-papo (aquele do Conjunto Nacional, colado com o metrô Consolação), estávamos sempre na casa um do outro, nós
dávamos super-bem.

Ele era uma gracinha, não tão lindo, mas tinha um gosto incrível para roupas, um charme à prova de tudo, sempre perfumado e arrumadinho, sabia como olhar nos olhos de uma mulher e falar macio, exatamente o tipo de coisa que a gente adora
ouvir..... 

Eu não era a única a pensar assim e ele sabia. Ele era muito simpático, muito
divertido, mas convencido feito o cão, vivia dizendo que era o bam-bam-bam, que
conquistava qualquer uma, bastava querer. E o pior era que era verdade mesmo. Eu
morria de tesão por ele, mas simplemente me recusava a ser mais uma a ficar na
fila,  babando por causa dele --tenho minha dignidade-- e não dava bola para
ele, não dava bola para ele, não dava, não dava, mas.... mas puta-que-pariu....
como era difícil...

De qualquer forma, éramos só amigos. Mas os melhores. Eu adorava ele.
Conversámos sobre tudo, ríamos muito juntos, vivíamos trocando favores. Na
verdade ele abusava, aquele filho-da-mãe. Sabia que eu não conseguia lhe negar
uma coisinha que fosse. 

Um dia ele me pediu algo especial. Ele tinha emprestado um dinheiro para uma
namorada, eles terminaram, ele precisava do dinheiro e como ela não queria
devolvê-lo, ele me pediu para ligar para ela como sendo sua advogada e negociar
com ela, porque eu era melhor nisso do que ele.

Num domingo a tarde, eu tinha ido trabalhar para terminar a revisão de um texto.
Eu estava morrendo de tesão, absolutamente só naquele andar e sem a menor
possibilidade de ser interrompida, então eu apaguei as luzes, sentei numa
cadeira bem confortável com as pernas bem abertas, os pés sobre a mesa -eu
estava de vestido- e comecei a me masturbar. Fiquei acariciando meus seios,
beliscando de leve meus mamilos, sem pensar em nada, só curtindo o momento e
quando eu já estava completamente molhada eu tirei a calcinha, fiquei
acariciando minha meia-dúzia de pelinhos, passando meus dedos entre os meus
labios.... eu não queria terminar logo.... então lembrei que tinha que telefonar
para o Jefferson para contar o que eu tinha resolvido com a ex dele.... como eu
sou meio desligada, o que eu não anoto na agenda acabo esquecendo, e eu peguei o
telefone e liguei para ele, sem parar de me masturbar....

Quando ele disse alô eu senti meu coração acelerando.... minha boca ficando
seca... mas tentei falar bem normal, bem do jeito que eu sempre faço, fazendo
gracinha, ele riu, perguntei como estava sendo o domingo dele, ele respondeu que
estava passando roupa (ele fica lindo passando roupa, só de short, sem camiseta
:-) e fui falando de banalidades enquanto ia passando a ponta do dedo bem de
levinho na ponta do meu clitoris....

Quando percebeu meu tom de voz ele disse para eu esperar um pouquinho que ele ia
trocar de telefone.

Eu disse a ele que tinha ligado para a fulana diversas vezes, que era difícil
encontrá-la em casa mas que ela tinha concordado em pagar e perguntado se podia
dar três cheques, o primeiro para trinta dias.... e ele ia respondendo com uma
voz bem macia, meio sussurrada, meio provocante, meio que dizendo "eu sei
exatamente o que vc está fazendo aí e estou fazendo a mesma coisa aqui, mas
vamos fazer de conta que eu não percebi nada" e aquilo foi me dando uma coisa no
pé da barriga.

Conforme eu fui ficando mais e mais excitada, minha voz começou a falhar e eu
tentei continuar o mesmo assunto, mas já nem me lembrava qual era....  Percebi
que  a voz dele ficou meio rouca.... ele começou a falar mais baixo e mais
pausado.... Eu nunca na minha vida tinha conversado nada de natureza sexual com
ele, eu sempre tinha tratado ele como amigo mesmo, e me masturbar no telefone
com ele me dava um frio na barriga meio esquisito, eu sabia que eu não deveria
estar lá, fazendo aquilo, mas putz, como tava bom!

Continuamos a conversar assim o quanto deu.... quando eu não agüentei mais eu
pedi um minutinho, tirei o fone da boca e gozei, mordendo o lábio para não
gritar, com a respiração a mil.... não imaginei que ele estivesse ouvindo....
(Depois fiquei sabendo que sim.) Depois voltei o fone para a boca e disse que
tinha chegado alguém e eu ia ver quem era.... me despedi rapidamente, para ele
não perceber que eu estava sem fôlego, e disse que a gente se falaria melhor no
dia seguinte. E desliguei o telefone. Dali um segundo ele ligou de novo só para
me dizer que tinha sido muito gostoso falar comigo. 

Bem mais tarde, acho que um ano mais tarde, quando ele precisou se mudar
provisóriamente para a minha casa, eu comentei que tinha trabalhado como
atendente de disk-erótico por uma noite na época que eu namorava o Daniel
(porque ele era tarado por voz e eu quis aprender uns truques novos para brincar
com ele de atendende de disk erótico) ele disse que eu levava o maior jeito, que
no dia em que eu resolvesse trabalhar com isso eu iria dominar o mundo. Eu dei o
maior sorrisão e perguntei se ele achava mesmo aquilo, e caiu na risada e com o
jeito mais safado do mundo disse, "ô se acho....."

-

 Angelica&Ana
  angelica & eu

gifs_speed_325

Conheci a Angelica na internet,eu não tinha transado com uma garota antes,e
morria de vontade,pois sou fascinada por mulheres,acho que nosso corpo é uma
escultura de detalhes perfeitos.Começamos a trocar emails,onde fomos nos
conhecendo,ela tinha 22 anos e ja tinha transado com uma garota a pedido do
namorado,e gostado muito,e gostaria de repetir a dose mas sozinha;marcamos de
nos encontrar em um grande shopping do Rio.
  Como ela ja havia me dado uma foto,(alias ela era uma moreninha linda)não foi
dificil encontra-la.Fomos pra praça de alimentação onde começamos a
conversar,pedi pra que ela me contasse sobre sua experiencia,e ela me disse que
o namorado havia proposto uma transa a tres,a principio tentou evitar o
maximo,mas com a insistencia dele acabou topando,ele contratou uma garota de
programa e foram a um motel,ela me contou tudo nos minimos detalhes sussurrando
ao meu ouvido,isso me deixou muito excitada,pois pude sentir minha xoxota
latejando entre as pernas.Ela percebeu meu tesão e me propos irmos ao
banheiro,não hesitei,entramos e seguimos ate o ultimo que estava vazio,mal
fechamos a porta e ela me beijou,foi o beijo de lingua mais doce e quente que
tinha provado,toquei os seios dela meio hesitante e o gemido que ela deu me
encorajou a lhe tirar a blusa.Então pude ver dois grandes seios com os biquinhos
durinhos e roseos,lambi e suguei aqueles mamilos como louca,ficamos completame!
nte nuas,sem nos peocupar com as pessoas que entravam e saiam do banheiro a todo
instante.pude ver a xoxotinha dela,com apenas um fiozinho de pelos que terminvam
em um rachadinho rosado,quando dei por mim ela estava me lambento a xana,enfiava
a lingua e tirava;descia ate a entrada e subia ate o grelo.Gozei como nunca e
nao via a hora de experimentar aquela bucetinha,beijei seus seios e fui descendo
pela barriga ate a xana,cheirei o perfume de sua xoxota e lhe enfiei a
lingua,pude sentir o gosto azedinho ,lambi enquanto ela esfregava a buceta na
minha cara.virei-a de costa e  a debrucei sobre o vaso e,lambi seu cuzinho e
xoxota ate que ela explodiu num gozo que a fez se contorcer de prazer.saimos do
banheiro com as pernas bambas e tentando disfarçar pra que as pessoas nao
percebecem a orgia que acabavamos de fazer.Hoje somos amantes,nos encontramos
quase todos os dias depois do trabalho e cada dia e melhor que o ultimo,terminei
meu namoro e ela tambem o dela, chegamos a concl!
usão que nos satisfazemos mutuamente e nao precisamos de homens.
Espero que tenham gostado,e que minha historia incentive voce a criar coragem
pra realizar suas mais loucas fantasias .

 

-

TENHO TESÃO PELO MEU PAI

AUTOR DESCONHECIDO

gifs_speed_321

Vou contar pra vocês o que me aconteceu ha pouco tempo. Sou ainda uma adolecente e tenho pouca experiência sexual mas isso não impediu que eu seduzisse meu proprio pai, devido ao tesão que eu já sinto por uma pica em minha bucetinha. Como toda mocinha eu queria saber tudo sôbre sexo e a internet foi minha primeira fonte de informações. Da literatura eu passei para os sites pornograficos e a cada filme ou foto que via ficava com mais tesão. Mas um dia achei uns sites que falam sôbre incesto/taboo e a partir daquela hora eu só queria saber de contos, filmes e fotos que falavam ou mostravam uma transa entre filhas e pais. Quando via as fotos ficava com a bucetinha pegando fogo de tanta tesão, e sempre me masturbava, deitada na minha cama, de olhos fechados imaginando meu pai enfiando sua pica em minha bucetinha. Somos só papai, mamãe e eu aqui na minha casa. Ambos trabalham mas minha mãe, executiva que é de uma grande empresa, está sempre viajando e êsse foi um dos fatores que facilitaram o que vou narrar. Espero ser bem explicita, não omitir nada, pois sei que, assim como eu, tem muita filha lendo êsse conto que gostaria, também, de dar a sua bucetinha pro pai. Mas um dia eu me decidi que faria acontecer e numa das viagens da mamãe iniciei meu plano de sedução. A noite viamos TV juntos e eu comecei a me mostrar provocando tesão em meu pai. Ele via TV e eu peguei uma revista e fui me sentar numa poltrona que ficava ha uns 3 metros, num canto da sala. Estava bem na direção do seu olhar, quando se virasse pra me olhar e disfarsadamente abri minhas coxas pra que êle pudesse ver a minha tanguinha de renda. Êle estava prestando total atenção ao filme mas em dado momento se virou pra comentar uma cena e seu olhar, como uma flexa, bateu em minhas pernas e viu minha calcinha. Eu senti uma sensação tremenda só de pensar que êle poderia me desejar. Sua atenção voltou pra TV mas, agora, se virava sempre pra comentar alguma coisa e eu podia ver seu olhar fixo nas minhas coxas. Facilitei e de propósito abri mais as pernas e fingi ler a revista mas estava observando papai. Não tirava mais os olhos do meu corpo e seu cacete estava todo duro, fazendo um volume imenso no seu pijama. Estava adorando aquilo e a tesão fez minha bucetinha ficar toda molhada e por conseguinte molhou toda minha calcinha. Tenho certeza que papai viu e isso o deixou ainda mais tesudo pois êle ficava, toda hora, tentando disfarsar sua ereção. Eu disse que ia ao banheiro e aproveitei pra tocar no meu grelinho e gozar um montão. Como minha calcinha estava toda ensopada eu a tirei e voltei pra sala assim mesmo, querendo que papai visse minha grutinha, ainda com poucos pelos e ficasse tão louco de tesão que me fodesse ali mesmo na sala. Me sentei no mesmo lugar, peguei novamente a revista e senti, imediatamente, seu olhar penetrante me espiando e, lentamente, fui abrindo minhas coxas pra que êle visse minha coninha deliciosa. Êle não se aguentou de tesão e também foi pro banheiro e quando passou em minha frente nem disfarsou e deixou que eu visse seu pau duro estufando a calça do pijama. Minha bucetinha chegou a se contrair tamanho foi o meu desejo por aquela pica. Mas uma coisa me deixou um pouco preocupada: pelo volume que pude sentir na calça de papai seu cacete deveria ter uns 25 centimetros de comprimento e seria muito grosso, também. Eu desejava aquela tora dentro de mim mas imaginava como aquilo tudo entraria numa bucetinha tão pequena como eu tinha, e ainda virgem. Quando papai entrou no banheiro eu fui pé por pé até a porta e olhei pelo buraquinho da fechadura e deu pra ver êle se masturbando, com sua imensa pica na mão e dizendo palavras que me deixaram ainda com mais tesão: vem minha filhinha, dá sua bocetinha pro papai, eu te quero demais. Disse que queria enfiar aquela pica todinha em mim e me fazer gozar. Mas quem gozou foi êle e pude ver os jatos de seu esperma batendo na parede, tamanha a força do seu gozo. Quando êle se preparava pra sair entrei rapidamente no meu quarto pra que êle não me visse. Mais tarde êle passou pra me dar um beijinho de boa noite mas, nêsse dia, me beijou na boca, com todo seu tesão e foi totalmente correspondido por mim. Eu o puxei pra minha cama e nos abraçamos cheio de tesão, sem falarmos uma só palavra, e sensti suas mãos tomando posse de todo o meu corpo. Fui apalpada, alizada, chupada, mordida e lambida em todas as partes me deixando louca, tremula, com febre, delirando e pedindo mais, mais e mais. Quando consegui raciocinar um pouco senti que já estava totalmente nua, toda suada e com o corpo de meu pai totalmente sôbre o meu. Abri minhas coxas e êle se alojou entre elas me deixando sentir a quentura e a rigidez da sua pica. Sua boca chupava a minha e suas mãos amassavam deliciosamente meus peitinhos, premiam o biquinho durinho me deixando quase sem fôlego. Querendo sentir aquele mastro levei uma das minhas ao seu cacete e fiquei arrepiada: era muito maior e mais grosso do que eu poderia imaginar - era um tripé - e desejar. Mas meu tesão era tão grande que em nenhum momento pensei em desistir e do pensamento passei ao ato: segurei aquele portento e coloquei a cabeça entre os lábios da minha raxa e fui rebolando os quadris e sentindo a pica ir encontrando, lentamente, o caminho que deveria percorrer: parou, já me abrindo toda, bem no meu cabacinho e eu já louca de vontade avancei meu corpo esperando receber aquela coisa louca dentro de mim. Mas aconteceu que quando avancei meu pai, instintivamente, sacou sua pica evitando me penetrar. Fiquei louca de vontade, perdi completamente a razão e me lembro que fui lambendo seu rosto, seu pescoço e enfiei minha lingua em seu ouvido e implorei: pai, por favor, mete em mim; não aguento mais esperar pois te quero todinho dentro de mim; quero ser sua mulher agora, por favor pai. Êle tambem estava louco de vontade e senti que procurava, com carinho, me enfiar a sua pica e levantou minhas pernas, colocando-as em seus ombros (uma de cada lado)e senti sua pica forçando a entrada. Enfiava e tirava a cabeçona da pica e ia, lentamente, me abrindo toda pra recebe-la até que, numa estocada bem viril, senti meu cabacinho se romper e a pica começar, realmente, entrar na minha gruta sedenta. Papai fazia pequenos movimentos de vai-e-vem, bem lentos, me deixando sentir cada vez mais desejo de ser penetrada, mostrando quanta experiência tinha com mulheres. Minha buceta era muito apertadinha e precisava ser alargada, com carinho, pra receber toda aquela caceta do meu pai. Eu já estava gozando compassadamente, dando tremendos apertos naquela vara, com a musculatura da minha coninha deliciosa. Fui sendo penetrada gostosamente e sentia a cada enfiada que a pica entrava mais um pedaço. Não sei como, mas depois de um longo tempo gozando e sendo fodida senti os bagos do coroa batendo na minha bundinha, indicando que já estava quase tudo dentro de mim. Sentia a cabeça tocar no meu utero quando êle enfiava a pica em mim mas eu rebolava loucamente e pedia pra papai meter mais e êle só parou quando nossos quadris se juntaram. Ai ficou todo enfiado dentro de mim me beijando e sentindo minha bucetinha se acabar de tanto gozar. Eu dava tantos apertos de buceta naquela vara que meu pai chegava a gemer de prazer e quando êle não aguentou e sentiu que ia gozar tirou rapidamente o cacete de dentro da minha bucetinha e gozou abundantemente na minha barriguinha, me deixando toda ensopada com sua porra quente. Eu reclamei docilmente no seu ouvido porque tinha tirado na hora que ia gozar e pedi pra êle meter de novo e gozar dentro, junto comigo. Papai me prometeu que não ia tirar na proxima vez e me pegou no colo e me levou pra sua cama e de mamãe. Abriu a gaveta, pegou uma camisinha e colocou na sua caceta, já dura de novo, e deitou sôbre mim, novamente, e me possuiu a noite toda

Nenhum comentário: