domingo, 12 de maio de 2013

A NAMORADA DO MEU FILHO

gif1-13 conto de Gabriel

A primeira vez que vi Patrícia aconteceu o que eu denominei de 'tesão à primeira vista". Não que ela tivesse um corpão e fosse muito bonita, na verdade, era uma menina comum, magra, de seios pequenos e pernas lisas porém finas. O que me chamou a atenção nela foi o seu olhar de tesão.

Estava escrito no seu modo de olhar que gostava de sexo, que era muito tesuda e devia ser  muito gostosa.
Não dá pra descrever o que senti. Foi muito intenso ..Dos seus olhos pareciam sair faíscas ,de tanto tesão que parecia sentir. Eu também me sentia assim e tinha impressão de que se a gente se tocasse, ia pegar fogo. ;
Vocês devem conhecer gente assim, por quem a gente sente tesão imediatamente. O melhor é que pareceu que ela também sentiu tesão por mim.

Patrícia era namorada do meu filho mais novo e estava sendo apresentada pra família.
Deveria ter mais ou menos uns 18 anos, meu filho tinha 23. Não preciso dizer a minha idade, mas eu tinha idade suficiente pra ser pai dela.
Naquela noite ,ela jantou conosco, foi muito simpática e cativante. De vez em quando nós trocavamos olhares, como se ela estivesse iniciando um jogo de sedução. Seu olhar e seu sorriso mostravam o que ela estava querendo, provocando tesão em mim.. Quando ela foi embora, dei um beijinho no rosto dela, sentindo sua pele macia.

Não consigo explicar o que aconteceu, mas desde esse dia não parava de pensar nela com tesão. Pensava nela o dia inteiro, quando fodia, era a imagem dela que vinha na minha frente. Me masturbava loucamente, fodendo ela de todas as maneiras na minha imaginação..

Uns 20 dias depois ela me ligou e  perguntou se eu podia ajudá-Ia a escolher um presente para o meu filho ( estava próximo o aniversário dele). Não preciso dizer o quanto fiquei feliz e aceitei na hora. Marcamos para aquela mesma tarde.

Ela apareceu acompanhada da sua mãe ,uma mulher também bonita e de sua irmã, até mais bonita que ela. Todas foram muito simpáticas e receptivas comigo, compramos o presente, lanchamos e tomamos sorvete,. Foi uma tarde muito agradável, mas eu fiquei um pouco decepcionado. Meu desejo era estar a sós com Patrícia.

Na hora de ir embora, já à tardinha ,Patrícia me pediu para deixá-Ia na faculdade, já que era meu caminho e ela estava sem carro. Meu coração pulou de alegria. Fizemos o trajeto quase todo em silêncio, ouvindo música no rádio do carro. Parei na rua da faculdade, um pouco longe da entrada. .Instintivamente eu segurei seu rosto e a beijei na boca com todo o tesão e fui totalmente correspondido por ela. Desse beijo vieram outros e mais outros, gemidos, suspiros,promessas, carícias.

Logo estávamos em um motel e ela me puxou para a cama e nos abraçamos cheios de tesão,.
Sem falarmos uma só palavra, nos beijamos enquanto eu ia acariciando todo o seu corpo. Apalpei, alisei, chupei, mordi e lambi todas as partes do seu corpo, deixando-nos loucos, trêmulos ,com febre, delirando e pedindo um ao outro mais,mais e mais.

Quando dei por mim ela já estava totalmente nua, trêmula  e eu esfregava meu corpo sobre o dela, tarado. Parecia que nunca tinha sentido tanto tesão na vida. Ela abriu as coxas e eu me alojei entre ela, sentindo a quentura da sua pele com a  minha pica.

Minha boca chupava a sua e minhas mãos amassavam deliciosamente seus peitinhos, apertavam o biquinho durinho , loucamente.
Patty  segurou meu cacete e colocou a cabeça entre os lábios da sua xana e foi rebolando os quadris e sentindo a pica ir encontrando, lentamente o caminho que deveria percorrer.

Parei, porque ela pediu, já se abrindo toda, quando eu enfiei a cabeça .Me puxou para um beijo e ficamos nos beijando gulosamente, eu sentindo a sua bucetinha quente na cabeça do meu pau. Esfregava a cabeçona de vez em quando no seu grelinho, multiplicando as chupadas na sua língua. Enquanto a gente se beijava eu parava ,chupava a pontinha da orelha dela, lentamente, lambia o pescoço e falava altas sacanagens ouvindo ela gemer. Apertava a cabeça no pau no seu grelinho com força e ia massageando toda a área em volta da xaninha.

Tirei o pau e enfiei dois dedos bem no fundo da sua buceta. Pelos gemidos mais intensos, percebi que era isso que ela queria. Comecei a foder ela com dois dedos, indo fundo e tirando. Entrava e saia cada vez mais molhado. .Enfiei os dedos e ela foi se ajeitando, gemendo no meu ouvido, sentia sua bucetinha contrair e apertar meus dedos, enquanto isso a gente não parava de se beijar. Ela puxou minha mão e levou até seu grelinho durinho e com a mão sobre a minha usou os meus dedos para se masturbar. Era uma delicia ,ela gemia baixinho de prazer. Seus gemidos se intensificaram e ela empurrou a minha cabeça para o meio de suas coxas, repetindo: " chupa, chupa!!". Comecei a lamber sua bucetinha, e seu grelinho e ela quase gritou" chupa, chupa gostoso". Meti a boca no seu grelinho ,sugrando com força.

Enfiei o dedo na sua xaninha molhadinha de tesão enquanto ia sugando o grelinho duro como pedra. De repente, ela contraiu a buceta com força apertando meus dedos e seu gozo explodiu na minha cara;.. Ela ejaculava como um homem, seu gozo era uma água que vinha em profusão, como uma fonte. Eu nunca tinha visto uma mulher gozar assim, fiquei meio assustado com aquele mar no meu rosto. Ela gozava quase gritando. De pernas bem abertas, sem se tocar, sua buceta contraiu novamente e ela xingou bem alto" puta que o pariu vou gozar I!" e gozou novamente, expelindo liquido em profusão novamente..Então deitou-se sobre mim, me beijando, lambendo e beijando minha cara molhada do gozo dela. Encaixou a bucetinha quente na minha coxa e enquanto me beijava loucamente, ia se esfregando nela. Não demorou a gozar de novo nessa esfregação ,molhando minha coxa. Então ,cansada, deitou-se sobre mim, com o rosto afogueado.,ofegante.

Ficamos alguns minutos assim, só abraçados, mas pra mim era uma eternidade, porque eu não tinha gozado ainda e estava louco pra gozar.

Depois disso, ela me puxou pra cima dela, veio lambendo meu rosto, meu pescoço, enfiei a língua no meu ouvido e pediu " me fode ". Eu estava louco de vontade de enfiar a pica nela. Levantei sua pernas ,colocando-as em meus ombros, uma de cada lado e fui abrindo ela toda para me receber . Fazia pequenos movimentos de vai e vem, bem devagar, Sua buceta era apertadinha e era delicioso ir alargando, com jeito, pra receber meu pau.

Ela já acompanhava meu ritmo, compassadamente, dando tremendos apertos na minha vara, com a musculatura da sua coninha deliciosa. Eu a penetrava gostosamente e a cada enfiada a minha pica entrava mais um pedaço. Patricia era uma delícia, e assim depois de um longo tempo sendo fudida, senti meus bagos batendo na sua bundinha, indicando que já estava quase tudo dentro dela. Ela rebolava loucamente e pedia pra eu meter mais e eu só parei de enfiar quando nossos quadris se juntaram.

Aí fiquei todo enfiado dentro dela, beijando ela e sentindo sua bucetinha se contraindo, me apertando .. Ela dava tantos apertos de buceta na minha vara que eu chegava a gemer de prazer

E quando não aguentei e senti que ia gozar tirei o caceta de dentro da sua bucetinha e gozei abundantemente na sua barriguinha, .

Nos beijamos, e fomos tomar banho juntos,entre beijos e carícias.

Na banheira,ela sentou-se entre minhas pernas ,de costas prá mim, enquanto eu a acariciava, ensaboava,lavava  e beijava seus ombros e pescoço ... Sua bundinha encostada no meu pau começou a me excitar de novo, uma vontade desesperada de tocá-la..

Puxei-a mais pra junto de mim ,acariciei  os  seios,  e comecei a alisar a sua xaninha, passando a mão desde os lábios da buceta até o clitóris ,ela começou a suspirar e a gemer baixinho, aumentei a pressão na siririca , esfreguei o grelinho com movimentos rápidos, enfiei dois dedos dentro da buceta , iniciei um vai e vem com força, até sentir que ela estava bem molhada.

- que tesão !! ela falou

Virou-se e começou a me punhetar , sentei-me na borda da banheira e ela agarrou o meu pau e começou a me chupar desesperadamente,com força, lambia, punhetava, chupava, me olhava ,enfiava o pau na boca , engolindo  até o máximo, sugando , me deixando arrepiado, eu segurei a sua cabeça e comecei a foder a sua boca. ficamos assim uns minutos, eu estava quase gozando, quando ela parou e se virou ficando de quatro..

Segurei sua cintura e encostei a cabecinha no seu cuzinho.. comecei a esfregar de baixo prá cima e dar tapas na sua bunda.. Ela não disse nada, gemia ...
Enfiei a cabecinha, senti o cuzinho se abrindo, ela gemeu mais alto, fui forçando a entrada, ela arrebitou o rabinho o que fez que eu entrasse aos poucos todo dentro dela..

-mete, safado !!
- gostosa.. !!!
- me xinga !!!
- putinha !!
- tô louca de tesão..mais !!!
- cachorra !! vadia !!

Quanto mais eu xingava e a fodia com força no cuzinho, mais ela se excitava
e se masturbava loucamente, gemia cada vez mais alto, rebolava, se arrebitava, batendo a bunda no meu saco, até gozar se contorcendo tanto ,que , eu não aguentei e esporrei gostosamente dentro dela..
Fomos para a cama, ficamos uns momentos nos recuperando e só então conversamos um pouco tentando entender o que tinha acontecido.

Nossa conversa foi interrompida pelo toque do celular dela, era o meu filho. Depoi s de falar com ele, Patricia me disse que tinha que ir,

Nos dias seguintes, em casa,, trocamos diversos olhares cúmplices, alegres, tristes, ciumentos.. Quando Patrícia percebia que eu estava triste,ou ciumento, dava um jeito de se esconder comigo num canto qualquer da casa para um beijo rápido..

Como resultado dessa aventura,acabamos nos encontrando outras vezes. Mas isso é assunto pra outros contos.. (Gabriel -gabrielnarcisosantos@bol.com.br )