sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Anne

por Gabriel
gabrielnarcisosantos@bol.com.br

100_1926

Oi,meu nome é Gabriel.Há algum tempo atrás, fui fazer uma auditoria num cidade do litoral paulista.O serviço demorou mais que o esperado e eu estava hospedado num hotel modesto.
No hotel fiz amizade com o gerente,Seu Francisco,que gentilmente me recebia em sua casa. Fiquei amigo também de sua esposa e filhos.
Num fim de semana,embora estivesse meio ruím,sem sol,eu fui à praia e lá encontrei Seu Francisco que tinha ido  com seus filhos e uma sobrinha chamada Anne.
Gosto muito de gordinhas e Anne me atraiu de imediato.
Anne era uma gordinha de olhos claros,cabelos castanhos,estatura média,seios fartos,bunda apetitosa e coxas grossas.Estava bronzeada o que aumentava a sua gostosura.Deveria ter por volta de uns 17 anos,tinha a pele lisa como seda.Era risonha e simpática.
Fiquei bebericando e conversando com Francisco,sem parar de olhar Anne cujos seios balançavam deliciosamente quando ela brincava na água,parecendo querer sair de dentro do biquini. Eu estava ficando enlouquecido.
Enquanto as meninas brincavam na praia, fomos abruptamente interrompidos  pela mudança do tempo , pois ameaçava um tremendo temporal!
Seu FRancisco,sem perder tempo enfiou todos no carro e não me deixou recusar uma carona.
Vim sentado no banco de trás,ao lado de Anne,que vinha no meio entre a filha do Seu Francisco e eu.
Ainda levavamos no colo algumas cestas.Apertado,quase sem podermos nos mexer, Anne tentava se ajeitar melhor e sua coxa roçava na minha,me excitando muito.
Sem pensar muito, pousei a mão entre as coxas de Anne e delicadamente comecei a acaricia-las. Encobertos pela cesta que ela trazia no colo,eu sentia sua pele macia e deliciosa ,e  sem olha-la nos olhos,cada vez mais me aproximava do seu sexo.
Meu coração disparava,pois eu não sabia se ela queria e temia a qualquer hora que ele me interrompesse "para me por em meu lugar".

No aperto que nos encontrávamos , e sem nenhum espaço para manobrar sequer a mão, eu tinha dificuldade de atingir seu sexo sem que alguém pudesse  ver.Nesse momento ,Anne ajeitou a cesta no seu colo, levando-a alguns centímetros mais para a frente , o que possibilitou a minha mão tesuda a  descer até meu objetivo , e posicionar-se entre os lábios da sua vagina , apenas protegida  pelo fino tecido do maiô.

Instintivamente ,sem que eu tivesse pedido,ela abriu mais as coxas , oferecendo seu  sexo mais abertamente para mim , que agora já a olhava com olhos de quero mais. !Enquanto minha mão passeava livremente por sua bucetinha ,
eu imaginava aquela xana na minha lingua, até seu sexo molhar-se de prazer, ao mesmo tempo que me afligia de ser descoberto.Essa adrenalina era muito excitante,eu estava de pau duro.

!Sem perceber , chegamos a casa de Francisco e descemos todos para aguardar que a tormenta passasse!
Ajudei a levar as cestas para dentro e um instante,fiquei sozinho com Anne na cozinha.Instintivamente a apertei num canto e mergulhei na sua boca,chupando sua língua com tesão.Ela não disse nada,mas senti que correspondeu.

Fiquei ali na casa de Francisco até a chuva passar,por insistência dele. Enquanto ele e sua mulher faziam uns lanches prá gente, ele pediu que sua filha e Anne me mostrassem a casa.Era uma bela casa antiga,espaçosa e clara. A filha do Francisco pediu licença prá dar banho na criança menor e pediu prá Anne me mostrar a casa.
Ela me olhou e deu um meio sorriso.Aqueles olhinhos claros e aquele sorriso de menina e de mulher pareciam me dizer que ela estava com o mesmo tesão que eu.

Entramos no primeiro quarto e não resistindo mais ao calor que nos queimava, arrastei Anne para o meio do quarto e apertando-a de encontro a parede, comecei a beijá-la profundamente, sentindo a sua lingua chupando a minha. Minhas mãos não cessavam de correr seu imenso corpo , amassando, apalpando e acariciando cada centímetro de pele. Nos beijavamos sem parar,quase querendo entrar um dentro da boca do outro.Enquanto a beijava,abri seu short jeans e desci seus shorts e sua calcinha e enfiei a mão até encontrar sua  xoxotinha completamente alagada. Ao sentir um dedo penetrando com extrema facilidade, Anne se agarrou no meu pescoço e com gemidos baixos e roucos na minha orelha, deu início a uma maravilhosa sessão de pompoar. Cada contração de sua xoxota, chupitando ou prendendo meu dedo, era acompanhada por um gemido profundo . Quando pudemos perceber,ouvimos passos no corredor e a prima de Anne nos chamou..

Rapidamente,soltei minha gorda deliciosa,ela se recompôs e saímos.
Olhamos a casa,lanchamos,mas minha mente estava apenas dirigida para Anne
Quando passou a chuva eu agradeci a acolhida e disse que ia embora.Na maior cara de pau perguntei prá Anne,na frente de todo mundo :- "você não disse que tinha que ir até o centro?quer aproveitar a minha companhia?". Anne apenas balbuciou que sim ,nem esperou as pessoas perguntarem mais nada e saiu comigo.
Levei-a rapidamente para o meu quarto de hotel.Enquanto ela olhava em volta conhecendo o quarto bem arrumado e limpo,eu a abraçava pelas costas e a empurrava em direção do sofá, com as duas mãos percorrendo seu corpo em direção aos seus  seios! Dizia a ela que eu estava louco por ela ,!SEmpre acariciando seus seios enormes e apetitosos, aproximei meu corpo  daquele corpo quente e grande ate que me colei nele, a ponto de roçar a língua em seu pescoço, e de meu sexo em sua  bunda!
Ela permanecia imovel e muda , de olhinhos fechados !Ela foi se entregando , curtindo meus toques, meus beijos  na sua nuca,meu calor no seu calor , meus elogios,......

Curti muito e lembro-me bem de sua expressão facial quando despi sua camiseta, e  descobri seus seios imensos em minha direção, como que se oferecendo aos meus  beijos!Beijei , lambi , mordi , até que ela gemeu e sussurrou : "que tesão"  ,
Completamente entregue ao prazer , carreguei sua mão até meu sexo , por sobre a calça ,e com minha mão sobre a sua , a fiz esfregar com força meu volume quente e grosso , !
Posicionando a outra mão ,ela começou a  desabotoar a minha calça, com a maior disposição de liberar meu animal contido , 
Anne abriu o cinto,tirou minha calça e cueca e alisou devagar meu membro teso , enorme e brilhante , de veias grossas.
Ainda me masturbava, olhando meu pau ,quando empurrei sua cabeça  em direção daquele mastro que tanto queria sua boca !
Com delicadeza,arremessei sua cabeça em direção do meu pau forçando- a a   abocanha-lo, a principio timidamente, e em seguida avidamente sem que eu falasse nada. Gemendo, eu apenas pedia à minha fêmea gostosa que o engolisse e que não parasse de chupa-lo  !

Permaneci gemendo e arrepiado enquanto ela chupava gulosamente meu pau Queria que ela tivesse o mesmo prazer que eu, e então a estendi na mesa e me deliciei com os gemidos de Anne, que , de pernas abertas , recebia entre suas coxas , minha cabeça , que parecia querer entrar em sua buceta , tal a fúria com que chupava seu grelinho !
Ela se contorcia,gemia,enquanto eu a chupava, ora violentamente ora gentilmente,até ela gozar fartamente na minha boca.
Gozando,ela me pedia que a comesse,disse que queria dar,me sentir dentro dela !!
Eu sentei-me no sofa , puxei-a em minha direção , e a pus sentada de frente prá mim,sobre minha pica molhada de tesão e da saliva dela ,enquanto esfregava a cabeça inchada entre seus labios vaginais completamente encharcados!
Minha pica entrou aos poucos na sua xaninha,a principio ajeitando-se e finalmente a atravessando, penetrando , fortemente , firmemente, , prazeirosamente! Ela se ajeitava sobre mim, , eu a tinha mais  perto do meu corpo, enfiando de uma só vez , meu pau duro em sua bucetinha que ela mantinha fechadinha apertando meu pau,prolongando meu prazer.
Minha boca sugava sua lingua com sofreguidão e eu me sentia orgulhoso sentindo-a possuida por um garanhão que a tinha sob seu controle.

Ela parecia embevecida com a situação, se deixando levar,como um barco à deriva.
Sem dizer uma palavra, virei-a e enfiei a pica em seu cu.,alucinado.
Anne arrebitou bem a bundona e eu enterrei o pau inteiro em sua bundinha ,segurando-a com toda força junto a mim,
Eu bati na sua bunda varias vezes e enquanto enterrava o pau em movimentos loucos e violentos que ela recebia,rebolando e gemendo..
Não resisti muito e gozei violentamente..Quase perdi o ar..me agarrando na sua cintura e amassando seus seios...
DEpois ficamos deitados um ao lado do outro , nos beijando muito .Como uma gatinha que aprontou alguma foi se chegando e se encostou em mim . Me encaixei por de trás dela, conversamos um pouco e cochilamos,
. Eu e a Anne continuamos a sair durante mais uns 6 meses, sempre com trepadas memoráveis. Nossos contatos telefônicos foram ficando cada vez menos freqüentes. Não sei por onde ela anda agora, mas com certeza ela me marcou profundamente.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

SILVINHA

100_2857 conto de Gabriel

O que eu vou contar aconteceu num dia em que peguei a moto do meu filho emprestada.Quando fui devolve-la,ele me pediu para entregar a moto prá ele num churrasco da empresa em que ele trabalhava.
Quando cheguei com a moto,uma mocinha muito bonita veio me receber toda sorridente. Eu estava de capacete e ela me confundiu com o meu filho,vi que ficou decepcionada quando viu que não era ele.Ele não havia chegado ainda.
Mesmo assim,a menina que se chamava Silvia foi muito simpática comigo.Silvia devia ter uns 18 aninhos, mais ou menos 1,60 cm,olhos castanhos claros,seios médios ,durinhos,biquinhos grossinhos,cintura fina,bumbum grande,coxas grossas e uma boca linda.Lábios nem tão grossos nem tão finos,voz macia,encantadora.
Silvia estava esperando meu filho e não conhecia ninguém. Apresentei-a a alguns amigos do meu filho,e ela se enturmou num pequeno grupo,enquanto eu ficava de longe,esperando.

Silvia estava conversando com as pessoas do grupo,mas de vez em quando olhava prá mim e sorria.Depois de um tempo veio prá perto de mim e ficamos conversando, comendo e bebendo .Foi muito interessante,ela era muito simpática e atenciosa.

Depois de um tempo,meu filho me ligou e pediu para levar a moto até a empresa e deixar lá porque ele não ia conseguir vir porque estava enrolado .Perguntei à Sílvia se ela queria ir junto.Ela aceitou,mas antes me pediu prá dançar com ela.
Ela se divertiu me vendo tentar dançar funk,axé. Já entardecia e começou a tocar um forró mais lento, que só dava pra dançar bem coladinho,eu sou péssimo em dançar forró, mas achei que valia a pena arriscar uns passos. Começamos bem devagar e depois eu fui apertando-a mais ,comecei a falar baixinho na sua orelha.Durante a dança ela cantarolava no meu ouvido ,, e passando a mão pela minha nuca,o que me deixava com tesão. Uns dez minutos depois fomos embora.
Ela estava de vestido então quando sentou atrás de mim ,suas coxas ficaram exatamente na minha cintura e ela colou os seios macios nas minhas costas,passando a mão pela minha cintura. Aquela proximidade era tesão puro.

O caminho era bem deserto,cheio de árvores e parei a moto prá admirarmos o por do sol.Era maravilhoso. Sou um homem antigo,ainda romantico. O sexo,para mim, começa na primeira troca de olhares.
O sexo com a Sílvia tinha começado no primeiro olhar, nos sorrisos, no nosso papo,durante a dança,no passeio de moto,nos sorrisos trocados ao por do sol.

Porisso quando uma lua maravilhosa começava a tomar conta do céu,e eu a beijei,ela correspondeu prontamente.
Começamos a nos beijar e nos acariciar.Ela olhou pra minha cara e sorriu maliciosamente.Beijei sua orelha,desci para o pescoço,levantei sua blusa e lambi o biquinho do seu seio.Lambi várias vezes e comecei a chupar,dando umas mordidinhas de leve.Sem que ela reclamasse,comecei a lamber ela freneticamente. Seus peitos eram uma delicia de apertar e chupar inteiro. Ela tava gostando, segurava nos meus cabelos. Beijei a sua boca,de novo,agora profundamente, um beijo delicioso, bem molhado. Minha mão tocava o corpo dela inteiro, e a mão dela também alisava meu volume.

Desci a minha mão,levantei a sua saia até a cintura e comecei a massagear a sua bucetinha por cima da calcinha. Já dava pra sentir que ela estava toda molhada. Ela gemeu e fechou os olhos,mordendo o lábio inferior.

Botei a minha mão dentro da sua calcinha. Abri a minha mão e apertei a buceta dela inteira, queria sentir aquele muco na minha mão. Passei o meu dedo na sua fenda, deixando ele bem molhado.

Fui ajoelhando,alisando suas coxas e puxando sua calcinha.Tirei sua calcinha e levei a minha boca até a sua xaninha,colocando uma perna dela no meu ombro.  Podia sentir seu cheiro forte, tudo aquilo tava me deixando louco de tesão. Cai de boca nela, chupei tudo, abri bem a sua bucetinha e percorri ela inteira com a minha língua, chupei seu grelinho até ele ficar durinho... Ela gemia e se contorcia,apertando os proprios seios. Eu não cansava,enfiei a minha língua lá dentro, e depois lambia ela interia, até a virilha. Botei meus dedinhos lá dentro, adorei sentir ela por dentro. Dedei e chupei até ela gemer bem alto, puxar o meu cabelo, e gozar na minha cara,se contorcendo...Eu suguei todo aquele suco,ela foi deslizando para o chão,e mantive minha boca grudada na buceta dela e não parei de chupar e lamber,até ela gozar novamente..

Depois fiqui olhando ela ali,meio fora do ar,estirada no chão,na grama,com a blusa levantada,os seios de fora,a saia levantada até a cintura,de pernas abertas,com o rostinho vermelho , recuperando o folego.

Eu estava deitado ao lado dela,na grama,ainda vestido, só com o pau duro de fora.Ela veio prá cima de mim, me beijando longamente,abriu minha camisa,lambeu meu peito, minha barriga,desabotoou minha calça,e olhando pro meu pau,começou a alisá-lo.

Meu cacete já tava todo babado e ela passou a língua só na cabecinha.Eu dei um gemido gostoso e ela perguntou se estava gostoso,eu digo sim e ela continuou lambendo a cabeça. Eu pedi prá ela colocar tudo na boca ,disse que ela estava me deixando louco.

Ela começou a descer e subir a língua por toda rola e o saco ,dizia bem baixinho que minha rola era macia e tinha um gosto delicioso que ela nunca tinha provado antes e era gostosa de lamber, Fui ficando cada vez mais arrepiado e tesudo e aos poucos ela foi ficando mais ousada e sua língua cada vez mais perto da cabeça da rola ate que as lambidas rápidas se transformaram num boquete delicioso. Ela passava a pica no rosto, lambia o saco e engolia a rola inteira, então ela levou meu pau duro até seus seios, e começou a esfregar e me beijar segurando meu pau de modo que a rola passeava por todos os lugares do seu peito,entre os seios,em cada mamilo durinho .

Me deixando em ponto de bala,me olhando com um olhar safado ela voltou a lamber toda a rola . Depois ela voltava a enfiar na boca ,enquanto eu urrava de prazer Só parou de chupar um pouco para pedir prá eu gozar bem gostoso.

Então abocanhou o pau com chupadas lentas e firmes e foi arrancando o gozo de dentro de mim , que veio rápido e forte. Com a mãos eu segurava sua cabeça para que ela não parasse de me chupar e fartos jatos de porra foram esguichados direto dentro de sua boca, forçando-a a engolir tudo e a lamber cada gota perdida em sua rola.

Meu filho ligou no meu celular pedindo a moto ,estranhando minha demora . Levei a moto e Silvinha comigo,e Silvinha me passou o numero do seu telefone e me pediu prá ligar prá ela,porque queria mais,queria que eu a comesse bem gostoso e fizesse de tudo com ela.. Mas isso já é uma outra história..

(escrito por Gabriel - narcisosanto@hotmail.com)

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

UM ANJO

Scorpion
tonixscorpion@gmail.com

10

Conheci Zélia quando fui para o Rio.eu era novo na cidade, estava casado ,tinha um filho pequeno e não tinha parentes na cidade. Nessa época a minha vida estava de cabeça prá baixo.Eu entrei numa crise financeira,era uma bola de neve.Minha mulher caiu adoentada,e os médicos não descobriam o que ela tinha. Zélia morava no apartamento ao lado e foi ela quem me ajudou muito.Ela e sua fiha Sandrinha. Zélia fazia a comida prá gente, eu trabalhava muito e Sandrinha cuidava da casa,do menino e ajudava minha mulher.
Sandrinha deveria ter uns 16 anos,era uma gordinha deliciosa,seu corpo era de mulher, seios fartos,coxas grossas,com carinha de menina, mas bunda de causar inveja a muita mulheres adultas . Esse era o seu retrato e como deu para ver, os homens ficavam indóceis quando ela, de saia azul e blusa branca que era o uniforme da escola, desfilava pela rua.

Em casa, minha mulher, sempre adoentada, cuidava da casa, com o auxílio de Sandrinha,pois eu estava sem possibilidade de custear uma empregada…Eu era muito grato a ela e me sentia culpado pelo tesão que sentia por ela.

Porém nunca demonstrei qualquer interesse por Sandrinha
,embora não me passasse indiferente, aquelas coxas enormes ou os seios bamboleantes em blusas propositalmente deixadas com botões fora das casas...

Um dia houve necessidade de internamento da minha mulher . Foi melhor para ela e eu me dividia entre o trabalho e nas visitas à ela . Zélia e Sandrinha, coitadas, procuravam me servir da melhor maneira  possível preparando o café da manhã e o almoço ou jantar .

Uma tarde, eu cheguei em casa e Sandrinha estava lá vendo televisão . Tinha ficado em casa para tomar conta do meu menino. O menino já estava dormindo, Zélia estava viajando e Sandrinha pediu prá ficar um pouco em casa,porque estava se sentindo sozinha. Claro que eu aceitei.

Me banhei, mal comi o que ela esquentou rapidamente e vim de bermuda também assistir TV com um copo de vinho…Ela quis beber também e eu deu outro copo à ela. Bebemos quase meia garrafa ...

Ela sentou-se num sofá e eu em outro, menor. Nessa noite Sandrinha estava com uma saia jeans curta, que ficava mais curtinha porque ela tinha coxas grossas, e uma blusa apertada,que revelava que ela estava sem sutiã …Eu estava meio bebado e não escondi os olhos gulosos em cima dela . Olhava para a TV e depois botava aquele olhar de pidão nas suas coxas e não fazia questão de esconder o tremendo volume que fazia entre minhas pernas na bermuda ,já que estava sem cuecas.

Começou naquele momento um filme que eu queria ver e sentei-me no mesmo sofá que ela . ..Ela sentou-se um pouco longe mas logo se estendeu no sofá e acabou por apoiar os pés sobre as minhas pernas e não deu outra. Seu  pé foi logo de encontro a meu pau super duro mas ela se manteve firme olhando para a TV, mas com a sola do pé encostando no  meu membro enorme pulsando de tesão por ela .

Comecei a acariciar seus pés gordinhos como um doce.Adoro pés,a pele era macia. não me contive e comecei a beijá-los,lambendo os dedinhos.  Minha mão logo subiu pela suas pernas,e depois de muitas caricias na xaninha ainda coberta pela calcinha, só então ela me beijou,me ofereceu sua lingua deliciosa e me deixou tirar sua blusa e chupar muito os seus seios, até os biquinhos ficarem durinhos.

Não demorou e eu já tinha a calcinha dela nas mãos e beijava e lambia com sofreguidão sua xoxota que se derramava em minha língua faminha . Ela se contorcia e me dizia que estava gostoso, prá não parar.  Quando me apossei do seu grelinho durinho, ela simplesmente foi tomada por um orgasmo devastador que fez seu corpo tremer em convulsões desenfreadas enquanto eu sentia sua xoxotinha despejar golfadas de líquido diretamente para a minha língua .

Ela me puxou para muitos beijos apaixonados e esfregou-se no  meu colo … Não demorou minutos e eu já sentia a bunda na dureza de meu cacetão e para me enlouquecer ela ficou rebolando ,se esfregando no meu pau duro,esfregando seu reguinho no pau,mas sem sentar-se nele, enquanto eu amassava seus seios enormes.  Ela me falou que estava com muito tesão mas  que na frente não podia por que era virgem e só queria se entregar prá quem amasse. Ela foi sincera em dizer que não me amava apenas estava com muito tesão.Eu entendi e comecei a alisar suas nádegas.

Eu estava realmente excitado e ali mesmo na sala a coloquei de bruços no sofá e beijei,lambi,chupei e mordi suas nádegas enormes, lambuzei o seu buraquinho com saliva e creme hidratante e pincelei a entradinha do seu cuzinho com a cabeçorra do meu pau, para depois tentar penetrar .

Ela me disse que doía muito, mas eu fui carinhoso e beijava sua nuca e ombros, dizendo palavras doces e ela foi se envolvendo.  Desta vez não houve muita dificuldade e mesmo doendo acabei por alojar minha pica no seu  rabinho  Fiquei bombeando por algum tempo, e eu depois   senti que ela estava gostando,pois começou  a  entrar naquele jogo gostoso, rebolando e empurrando a sua bunda para trás feito uma cadelinha no cio,

Enquanto eu a comia, dava tapas na sua bunda, ela levou a mão até a sua xoxotinha e me disse que sua buceta estava pingando de tesão, pegou o seu clitóris entre os dedos e tratou de maltrata-lo, massageando, beliscando,e apertando ele, até não agüentar mais e entrar num estado de gozo maravilhoso que fez ela gemer e me pedir para que enfiasse cada vez mais forte o caralho bem no fundo do seu buraquinho apertado.(ela falava desse jeito mesmo o que me dava cada vez mais tesão ) Seu cu começou dar fortes piscadelas, mastigando meu cacete.

Eu gemia e falava no seu ouvido que era ela gostosa,safada e que ia gozar. Gozei gostosamente.
Foi uma sensação deliciosa sentir todo aquele líquido quente inunando seu cuzinho que de tão farto transbordou indo molhar suas coxas .
Fiquei dentro dela até sentir o pau murchar
Passamos juntos toda aquela noite e Sandrinha gozou muitas vezes na minha língua e nos meus dedos.

Minha esposa ficou internada uma semana e nessa semana Sandrinha ficou viciada em me dar o cú,me chupar,e gozar na minha boca.Toda hora queria que eu comesse ela,e gozava que nem louca.

Depois dessa semana,minha esposa ficou curada,a minha vida financeira subitamente se acertou e Sandrinha e Zélia mudaram, sem deixar endereço.

Costumo pensar que elas foram anjos que entraram na minha vida prá me dar sorte e sempre penso nelas com carinho.
(escrito por GABRIEL- narcisosantos@hotmail.com)