sexta-feira, 25 de maio de 2012

UM DOCE DE GORDINHA E OUTROS

-

UM DOCE DE GORDINHA ...
Autor : Gabriel
narcisosantos@hotmail.com

gordinha gostosa atendo no centro santa cecilia hotel e motel me ligue sao paulo sp brasil__78B132_1

Eu estava no shopping, quando a vi, numa loja de calçados. Primeiro vi só o pezinho, um lindo pé bem feito, de unhas pintadas de rosa, contrastando com a pele bronzeada. Um pezinho gordinho, de dedos pequenos e fofinhos, o peito do pé gordinho, dedos pequenos. Como um doce.Experimentou uma sandália branca de tiras, de salto. Desfilou pela loja, pra ver como ficava. Reparei nas pernas bem feitas, o andar cadenciado, estava com um vestido claro até os joelhos. Sentou-se, a saia subiu, tinhas lindas coxas grossas. Os seios eram fartos, era um moça gorda, de rosto lindo, bem redondo, cabelos louros, olhos claros, lábios carnudos. Sensual. Não consegui tirar os olhos de cima dela. Saiu da loja e eu segui-a , admirando seu andar, sua bunda grande, farta, o andar ritmado, as ancas balançavam de um lado para o outro.
Segui-a por todo o shopping. Na praça de alimentação ele tomou um sorvete de massa, de vagar, se deliciando, lambendo lentamente a colherinha, passando a língua nos lábios, todo o seu corpo parecia sentir prazer ao provar aquele sorvete. Nunca tinha visto alguém comer um sorvete tão sensualmente. Mergulhava a colherinha no pote e chupava lentamente., Eu já estava tarado por ela. Um rapaz chegou, beijou-a, saíram de mãos dadas, eu os segui..
Segui o carro deles. Pararam na porta de um prédio bonito no centro da cidade. Entraram.
Nos dias seguintes, eu chegava mais tarde no serviço porque ficava em frente ao prédio para vê-la . Paixão ? Fetiche ? Tara ? não importa, o importante era o prazer que isso me dava.
No fim de semana,ela foi ao clube. Não consegui entrar. Por cima de um muro, tive uma visão deliciosa, do pezinho desnudo, bem feito, pude ver as coxas grossas, fartas, deliciosas, os enormes seios que mal cabiam no biquíni. Aquela visão me excitou muito. Me masturbei muito, naquela noite  mesmo,me imaginando esporrando entre aqueles seios.
À noite, ela desceu para a calçada. Estava linda, deslumbrante: uma maquiagem leve, um conjunto branco de saia e blusa, usava uma blusa com decote V , fechada na frente com botões, que ia até abaixo dos quadris e uma saia pelo joelho. Estava com a sandália que eu havia gostado. Ficou um tempo ali, parecia estar esperando alguém. Impaciente, sempre olhava o relógio.
Atendeu o celular . Conversou um pouco, tinha uma cara zangada. Desligou o celular e veio rapidamente em minha direção. Antes que eu pudesse pensar em algo , ela estava falando comigo. “Oi, ela disse, meu nome é Roberta , e o seu ? “ Gabriel,” gaguejei ..
“ O que você quer de mim ? porque fica me seguindo ? “, ela disse. Eu gaguejei, ela continuou : “ desde a semana passada, você me seguiu no shopping, no clube, fica me olhando”
“ não quero te fazer mal , eu disse, só te segui porque te achei bonita . Desculpe, não te incomodo mais. “ Liguei o carro, antes que pudesse sair ,ela entrou no carro, “ espera, não terminamos o nosso papo ainda “ disse.  Não pude despregar os olhos das coxas fartas, bronzeadas, sua proximidade,a voz rouca e doce,seu perfume, me deixavam tarado, mas fiquei tímido. “já disse que não vou te chatear mais “eu disse.  Ela olhou bem nos meus olhos :
“ eu não te falei ainda que gostei de ser admirada, me fez sentir bem. Gostou de mim de verdade ? “ ela perguntou.  “me senti atraído por você, não sei explicar “ . “atraído, ela perguntou , atraído como ? quer dizer, com tesão ? “ Seus olhos brilhavam, eu estava visivelmente excitado,
Ela não esperou que eu respondesse, segurou meu rosto e me beijou , um beijo longo e molhado, quase arrancando minha língua. “fiquei molhadinha ao notar como me observava, como me seguia ,”. Desse beijo vieram outros, todos loucos, selvagens, nossos lábios se engoliam, barulhentos.
Levou-me ao apartamento dela.,eu abri sua blusa, quase rasgando, acariciando seus seios por cima do soutien. Eram enormes cones leitosos, macios e fartos. Levantei  seu vestido,me esfregando em suas coxas, apertando sua bunda. Tirei sua blusa, beijei seu rosto, pescoço, colo.tirei o soutien, e os enormes seios saltaram, imponentes, de bicos grandes. Quase enlouqueci. Fiquei tarado, lambi, chupei, suguei até os bicos ficarem duros. Ela gemia, gemia, apertando minha cabeça. Quando mordi os biquinhos dos seus seios, ela gozou, subitamente, gemendo alto, se contorcendo.  “ Que tesão voce me deu ,ela disse, não pude me controlar”.
Nos beijamos novamente , muitas vezes, enquanto ela tirava a minha camisa, acariciando meu peito, beijando meu pescoço, peito, mamilo, minha barriga. Abriu minhas calças, mordiscou o cacete por cima da cueca, chupou-o, me olhou , os olhos dela faiscavam . “quero você, Gabriel, “ Me despiu, admirando meu pau firme, grande, de veias grossas, Alisou-o, passou o caralho duro no seu colo macio, nos seios enormes e macios, prendeu-o no meio deles, apertando-o. Senti o calor gostoso dos seios dela no meu pau..”você me deixa louco de tesão, eu disse, “todo arrepiado. Ela esfregou o pau no rosto, no queixo, beijou, lambeu, eu urrava de tesão . Abriu os lábios para recebe-lo, primeiro a cabecinha e o abocanhou todo. Eu estava louco, sua boca pressionava meu pau, iniciei um movimento de vai e vem frenético fodendo sua boca. Ela chupava meu pau como um pirulito. Eu empurrava, chegando quase na sua garganta. Ela mexia com a cabeça, lambia o pau gostosamente, me olhando. Meu corpo estremeceu e sem avisar, gozei, com um tranco !  “Ahahahah “ foi delicioso. Cada jato de esporra me fazia estremecer.. a porra escorria pelos lábios dela e ela não parou de chupar..
Estávamos doidos de tesão ainda, e só então eu terminei de despi-la, elogiando  suas formas fartas, ela tinha uma buceta peluda e gordinha de clitóris grande..        
Fomos para o chuveiro, a água estava morna, deliciosa. Mais deliciosos foram os beijos debaixo do chuveiro, eu ensaboei minha gordinha, sentindo cada pedacinho de sua pele apetitosa, ela quase gozou, gemendo levemente.Depois foi a vez dela ensaboar todo o meu corpo, massageando lenta e delicadamente meu pau. Eu quase morri de prazer..
Encontrei um perfume com cheiro de jasmim e espalhei por todo o corpo de Renata, espalhei e cheirei todo o seu corpo, até chegar aos seus pés...Espalhei lentamente pelo pezinho de dedos gordinhos, massageando delicadamente todo o seu pé. Cheirei, colocando o pezinho bem junto do meu rosto. Parecia um sonho, eu tinha nas mãos aquele pezinho gordinho como um doce, tão desejado. Cheirei, beijei, lambi, mordi, De olhos fechados eu a ouvia gemer, se masturbando . Coloquei a língua entre os dedinhos, saboreando meu doce. Ela gemia alto, sentindo meus carinhos. Fiz o mesmo com o outro pé, passei o pé pelo meu rosto, meu peito a virilha, pincelei o cacete nos seus pés, abrindo bem os dedos, colocando a cabecinha entre eles. Ela gemia sem parar, se tocando mais rápido. Esfreguei o pau no pé gordinho, sentindo a maciez da carne farta .
Embriagado , elogiei-a, dizendo que ela estava me deixando louco. Com o pé bem junto ao meu rosto, chupei cada dedinho, ruidosamente, suguei , era gostoso, ela se contorcia comigo agarrado aos seus pés, chupando seus dedinhos.
Ela disse que não agüentava mais, estava surtando, queria que eu fodesse ela. “ me fode, ela disse, não agüento mais, to encharcada ! “. Ela abriu bem as pernas e eu fui por cima dela, sentindo a fartura dos seus seios no meu peito, colando meus lábios aos dela, Quase naturalmente, a penetrei, ela gemeu. Empurrei-me para dentro dela, com força, com muita fome e loucura, bombando com rapidez. Ela movia os quadris, gemia, eu parei, só sentindo ela se movendo. Tirei até quase a cabecinha e com um golpe, fui fundo, bem forte. Minha gordinha gemeu alto, me xingou, tesuda. Comecei a golpear praticamente pulando ,querendo entrar todo dentro dela. Os músculos da xana se contraíram, apertaram meu cacete, ela gemia, gemia. Procurei a boca de Roberta para um beijo e gozei...” ahhhhh, eu to gozando !! “  ao sentir o jato quente da porra dentro dela, ela se contorceu, se esticou e gozou intensamente.
Nos beijamos longamente, e depois eu comentei a ela sobre o perfume de jasmim. Ela disse que era aprendiz de bruxa, que sua mestra usava esse perfume e que havia aprendido a não esconder os sentimentos e desejos. Me disse que eu deveria ter dito logo que queria transar com ela e não ficar apenas seguindo-a.  .
“Quanto tempo perdemos, ela disse, sorrindo.. “.
Pra quem quiser comentar sobre o meu doce de gordinha, deixo o meu email : narcisosantos@hotmail.com

debora acompanhante fofinha de curitiba curitiba pr brasil__6DF281_4 COMENDO DOCE DE MADRUGADA

Autor : Gabriel
narcisosantos@hotmail.com

Vou falar de novo da minha deliciosa gordinha. Tínhamos pouco tempo para nós. Renata estava noiva e amava muito o seu noivo. Nós nos encontrávamos, geralmente à tarde, e em algumas ocasiões à noite e nos fins de semana quando seu noivo viajava. Num desses dias ela fez questão que eu fosse À sua casa e passasse a noite com ela.
Renata me ligou, chorando, era normalmente alegre, de bom astral. Nesse dia   estava cheia de problemas, no trabalho, na família e ainda o  noivo tinha brigado com ela.
Eu tenho que confessar que a amava , podia perder um tempo enorme só ouvindo-a, era mais que sexo. Fui até o seu apartamento;
Enquanto ela  desabafava, Clarice, uma ex namorada minha , agora uma amiga muito querida, ligou no meu celular. Pensei em não atender, acabei atendendo, conversei com ela um pouco. Quando desliguei, Renata  começou a discutir comigo, não parava de falar, nos ofendemos mutuamente, até que ela me deu um tapa no rosto e entrou no quarto, fechando a porta me mandando embora . 
Mecanicamente, saí, me sentindo raivoso e humilhado. Ainda com raiva e me odiando por não ter reagido, andei pela cidade, bebi um pouco .
Não resisti e voltei de madrugada prá casa de Renata. Entrei na ponta dos pés, entrei no quarto,
Minha gordinha estava dormindo de barriga pra baixo. Admirei sua enorme e linda bunda, suas costas lisas e bonitas, os cabelos sobre o rosto. Alisei, acariciando suas costas, contornei com a mão ; as costas, bunda, pernas. Fiquei ali, alisando, olhando, acariciando, me excitei. Beijei suas costas, lambi, ela sentiu, beijei a bunda, mordisquei suas nádegas. Ela ficou semi acordada, murmurou alguma coisa. Alisei sua bunda, excitado. Branca, enorme, macia, gostosa. Dei um tapa. Ela despertou : - “o que você está fazendo ? “. Dei outro, com um estalo, o corpo balançou. Bati de novo e de novo, leves tapas. Com tesão, com raiva,  bati mais.
Ela estava totalmente desperta agora, dizia : - “não, pára com isso ! “ . Não liguei, bati de novo, agora mais forte. Meus dedos deixavam marcas avermelhadas na sua bunda. Eu batia forte e rápido. Slapt ! Slapt ! Slapt ! .. Logo ela estava arrebitando a bunda, rebolando lentamente. Bati mais forte, a bunda ficava vermelha e eu batendo mais forte, castigando.
Ela gemia, se arrebitava, rebolava, começou a se masturbar.
“ me xinga !, ela disse “ . – “sua puta, piranha ! “ eu xingava e batia. Slapt ! Slapt ! . – “mais forte, seu corno ! “ela disse. Bati mais forte, mais rápido. – “me espanca !, ela gemia, me xinga ! “. Eu xingava alto, louco de tesão de ver aquela mulher farta se contorcendo ao contado de minhas mãos. Xinguei ela de piranha, de vagabunda : - “você é uma puta, você dá pra todo mundo “ . – “dou mesmo, gosto de dar, sou uma puta mesmo, “
eu batia com raiva, sua bunda estava cheia de vergões avermelhados. ‘- “dou prá dois, pra três de uma vez só, adoro que esporrem na minha cara, sou uma cadela ! “ Eu batia com raiva, xingando ela. Ela gemia, se masturbando rápido, rebolando. – “você gosta de dar o cu, sua puta ? “ – “adoro, adoro, adoro um pau me rasgando toda ! “Eu batia com raiva, minha mão já estava doendo. Ela se tocava rapidamente, - “quero ser arrombada, arreganhada, quero fuder ! , me fode ! “ ela gritou.
Louco de tesão, lambi sua bunda quente, febril e inchada, abri o cuzinho dela e enfiei a língua. Ela gemeu alto , se contorceu. Abri o cuzinho dela, cuspi nele ela gritou de tesão, arrebitou a bunda. Puxei-a pela cintura e empurrei o cacete pra dentro dela, com um tranco. Gritei : - “vou te arrombar, piranha ! “. “mete,, mete esse pau tesudo em mim, acaba comigo ! “
Entrou a cabecinha, o cuzinho era apertado, esmagava meu pau, tirei, lubrifiquei ele, o cuzinho dela, e empurrei de uma vez, de uma estocada só. Ela balançou, gemeu, gritou.
O pau deslizou pra dentro dela, o cuzinho cedeu, apertou meu pau, a puxei pela cintura e enterrei de uma vez até o fim, com estocadas rápidas e firmes. – “toma , piranha, toma no cu ! “ – ‘Ai que delicia, me come ! “ Ela rebolava, eu movia os quadris pra frente, pra trás, pros lados. Ela se masturbava mais rápido. Eu bombava rápido, gemendo, suando, enlouquecido. O cuzinho contraindo meu pau, apertando-o  como um alicate.  – “vou gozar, gritei “ . – ‘Goza, seu filho da puta, goza na minha cara, enche sua puta de porra ! “
Virei-a de barriga pra cima, ela se masturbava. Encostei o pau nos seios dela, me masturbando também. – “posso gozar, meu macho ? “ela pediu.  – “goza comigo, safada !” Ela se tocou mais rápido e eu também e explodimos juntos num gozo delicioso e intenso. Ela contraiu a buceta e o gozo jorrou, como uma fonte. Ela gritou, eu inundei a barriga dela, os seios, o colo de porra.
Nos esfregamos, nos abraçamos, nos beijamos, cansados .Ficamos assim, sentindo um o coração do outro, nos acariciando.
Minha aprendiz de bruxa estava mais e mais me enfeitiçando....

MINHA GORDINHA DANDO PRÁ OUTRO NA MINHA FRENTE.. 

foto12

Era uma linda manhã de sol . Tinha sonhado com Renata ,acordei de pau duro. Liguei para ela ,contei o sonho, disse o que gostaria de estar fazendo com ela naquele momento, disse um monte de sacanagem pra ela. Fantasiamos, até ela me confessar que tinha ficado excitada.
Liguei de novo na hora do almoço, morrendo de tesão, no escritório em que ela trabalha.ela me disse que eu a estava torturando, falou mais sacanagem, minha gordinha é safada, tarada e gostosa... eu disse que queria ver uma mulher chupando ela enquanto eu a comia, disse que queria vê-la gozando muito, ela me jurou que estava molhadinha..
À tarde, ela me ligou, dizendo que gostaria de estar comigo, de lingerie , salto alto, dançando, se exibindo, que estava louca pra ser possuída por dois caralhos, o meu e de um desconhecido, bem tesudo e safado, que estava se sentindo como uma vadia, que estava sem calcinha, que queria dar pra todos os caras que estavam ali com ela no serviço, de uma vez, estava louca de tesão, me deixou louco de tesão e de ciúmes.
Assim foi o nosso dia, naquela sexta.
Á noite, fomos dançar..nos excitamos mais ainda, nos sentindo, nos esfregando.. rimos , conversamos, ela disse não estar agüentando mais , e eu também
Disse o quanto ela era gostosa, e que todos ali estavam de pau duro por causa dela, pelos seus seios fartos e divinos,,sua bunda grande .
Quando voltamos para a mesa, um cara alto e forte a convidou para dançar. Dançaram um samba, e no samba minha gordinha deixa qualquer um louco.
Morri de ciúmes, dançaram um forró e o rapaz não a largou mais...Dançaram, sorriram, minha gordinha estava com os olhos brilhando, com uma cara de tesão. Ela voltou a dançar comigo , disse que estava com tanto tesão que queria ser comida por dois, três, quantos quisessem.
Disse que Carlos, era esse o nome do rapaz, a tinha enlouquecido, que ele ficou de pau duro e ficava se esfregando nela, mordendo sua orelha, ela disse que estava quase gozando, Queria que nos a fodessemos, me implorou.
Eu aceitei, eu era louco por Renata, queria vê-la sentir prazer. Disse o mesmo pra Carlos, só daria pra ele se eu fosse junto. Ele veio para a nossa mesa, ela ficou pegando no pau dele e no meu. Carlos era bonito e agradável, um bom papo. Renata nos disse que sua buceta parecia uma peneira, queria trepar logo. Fomos para um motel. Ao chegarmos, louca, Renata logo se ajoelhou e tomou nossos paus e começou a chupa-los, alternadamente. Enquanto chupava um, esfregava o outro no rosto, chupando com prazer. O meu pau tem 20 cm, e o de Carlos era maior, talvez uns 23 ou 25 cm, Renata levantou-se, erguendo o vestido, se esfregando em Carlos, mantendo o pau dele no meio de suas coxas, o abraçou, rebolando e gemendo. Beijaram-se loucamente. Eu a encoxei, abri seu vestido, beijando suas costas, nuca, descendo o vestido, lambendo cada pedaço do seu corpo. Ela despiu Carlos, beijando seu peito, mordendo os mamilos dele, o fez deitar e chupou sofregamente seu pau, ficando de quatro , sem parar de rebolar ligeiramente. Abri suas nádegas, lambi seu cuzinho e chupei sua bucetinha e seu cuzinho com ela de quatro, estremecendo. Ela estava totalmente molhada, Carlos urrava de prazer. Ela parou de chupa-lo e se atirou sobre mim, mordendo meu peito, meu queixo, minha barriga e me chupou loucamente, faminta. Foi a vez dele chupa-la. Ela me chupava e gemia, engolindo meu cacete todo para dentro de sua boca. Carlos meteu na sua bucetinha , por trás, enquanto ela me chupava. Ao sentir o pau dele, ela gritou : “ que delícia, amor, que delícia !!! “ voltou a me chupar e a me masturbar, enquanto ele comia sua bucetinha. Carlos a puxou de cima de mim, virou-a para ele, empurrou-a para a cama e enterrou –se todo nela, enquanto eu a beijava e chupava seus seios.. Gemendo como uma cadela, ela gozou logo, se balançando toda. Ele não parou de come-la enquanto ela gozava, isso a levou ao delírio. Ele saiu de dentro dela e me mandou comer a sua buceta, eu comecei um vai e vem frenético barulhento, naquele lamaçal que era a sua xoxota. Ela estava sensível, se contorcia e contraia a cada estocada minha. Carlos sentou-se no peito dela bateu e esfregou o pau no rosto dela, até ela implorar para chupa-lo novamente. Ela implorou para ele gozar na boca dela,  o sugou com gosto, barulhenta, gemendo, enquanto eu comia a sua buceta. Ele ordenou que ela ficasse por cima de mim, e ela , obediente, começou a me cavalgar. Sem avisar, Carlos entrou no cu dela de uma vez, com um tranco. Ela urrou de dor e prazer, arranhando meu peito, ele meteu sem dó, estocando selvagemente. Ela gemia, “ ta me arrombando, me abrindo toda “...Ele começou a xinga-la, bater nas ancas dela. Ela estava pra la de excitada, seu corpo todo balançava com nossas estocadas, seus enormes seios dançavam deliciosamente. Ele a estocava de cima pra baixo e eu de baixo pra cima, minha gordinha era recheio delicioso de um sanduíche de tesão.. Ela gritava : “ que tesão, estou sendo fudida por dois machos deliciosos , me xinguem, acabem comigo ! “ Ambos a xingávamos, ela gozou de novo e mais de uma vez, apertando meu pau. Carlos saiu dela , a puxou , jogou – a na cama de bunda pra cima e me ordenou, enquanto se masturbava : “ vem Gabriel, come o cu dessa puta, arregaça ela. “.. “ Ai, que tesão, ela disse, come meu macho, come mesmo.. “ ofegante e toda suada e vermelha..
A coloquei de lado e levantei uma perna dela e enfiei o pau no cuzinho dela. Até a metade, enquanto Carlos voltou a comer sua buceta. “ Abre o cu dessa biscate “, ordenou Carlos. Empurrei-me todo para dentro dela, seu cu apertava meu pau como um alicate, eu bombeei com força e Carlos também, ela ficou ali, entre nós dois, seu corpo sacudido por nossas estocadas violentas, balançando de um lado para o outro, enquanto a xingávamos. Ela gritava : “ sou uma vagabunda, estou adorando isso, acabem comigo “ . Carlos puxou-a, sentou-se e fez com que ela sentasse no seu pau. Ela pulava, deliciada. Depois fez com que ela sentasse no meu, ate ela não agüentar mais, até ela pedir pra parar..
Depois a deitamos e lambemos todo o seu corpo, duas línguas e duas bocas tesudas, e quatro mãos passeando pelo seu corpo. Chupamos seus seios,, sua buceta, alternando nossos dedos e línguas e sugando seu grelinho, ate ela gozar muitas vezes seguidas.
Quando ela estava exausta, fodemos seus seios, enfiamos nossos paus em sua boca, mexendo nossos quadris, como se fode uma buceta.
Carlos gozou na sua boca e eu também, a deixamos engasgada, e espalhamos nossa porra na cara dela, nos seios, na barriga farta..
Minha gordinha ficou ali, esporrada, suada, exausta, ofegante, satisfeita, com  a carinha vermelha.. Carlos deu uns tapas na cara dela , se vestiu e saiu, levando a calcinha dela como lembrança.
Como um tolo apaixonado, ajudei minha gordinha a se levantar e dei-lhe um banho e a coloquei pra dormir, com muitos beijos ...

EScrito por GAbriel
narcisosantos@hotmail.com

terça-feira, 15 de maio de 2012

ANA

(((caseira)))minha ex namorada no banheiro do motel, vagabunda me xifro2

Ana era namorada de Paulo, um cara que trabalhava comigo. Foi ele quem me apresentou a ela, nós revezavamos nossos carros por causa do rodizio .
Um dava carona ao outro. Logo que vi a Ana fiquei encantado, com vontade de tocá-la. Ana era gordinha, estatura média, com um rosto angelical, uma pele de porcelana, olhos claros. Tinha os cabelos pintados de cobre, encarocolados. Falava muito pouco o que era uma pena, porque sua vozinha rouca e baixa era muito sensual.
Era o contraste de Paulo,um cara grosseiro e espalhafatoso, sempre disposto a fazer piadas, nem sempre de bom gosto. Sempre que os via juntos eu ficava me perguntando o que é que Ana tinha visto nele.
Prá evitar o transito na hora do rush, antes de sairmos, nós davamos uma volta num grande parque que ficava em frente ao estacionamento onde deixavamos o carro. Geralmente iamos em grupo de 4 ou 5, isso durante o horário de verão.
Numa quarta, Paulo tinha ido á trabalho para outra cidade e nesse dia, o grupo se dispersou, visto que o falastrão do Paulo era a alma do grupo, com suas piadas e seus papos.
Nesse dia, estava um fim de tarde lindo e ficamos só eu e Ana. Fomos caminhando pelo parque e então pudemos conversar. Deixei que Ana falasse bastante, admirando a sua voz e o seu rosto, o seu jeito de andar.
Chegando num local mais reservado, sentamos no chão , falamos um pouco sobre mim e eu não me contive e comecei a elogiar a Ana, falando que era bonita e delicada e parecia ser uma pessoa bem carinhosa. Ela confirmou e disse que era carinhosa realmente e que Paulo não entendia issso, que ele era um ótimo namorado, mas não lhe dava muito carinho. Isso porque Paulo era muito egocentrico, no que eu concordei.
Vi um fundinho de tristeza no seu olhar e comecei a tentar animá-la, acariciando os cabelos dela. Ela me deu um sorriso e eu lhe disse que se fosse namorado dela não ia parar de lhe fazer carinhos. Ela sorriu de novo, eu acariciei o rosto dela, ficamos nos olhando. Segurei seu rosto com as duas mãos, beijei a sua testa, seu rosto macio . Fiquei com a boca perto da dela, ela me fitou docemente, como uma confirmação,  encostei a boca na dela e a beijei, a principio, sem lingua, saboreando seus labios finos.
Depois senti sua lingua entrando na minha boca e a suguei fortemente, com fome. Foram repetidos beijos, cada vez mais fortes. Eu a abraçava, alisava suas costas e ela retribuia com os mesmos carinhos. Senti sua respiração aumentar, eu me esfregava nela que também se mexia e forçava prá frente.
Então, durante o beijo, Ana me apertou mais fortemente, gemeu abafado, senti seu corpanzil estremecer, ela se retesou e respirou ruidosamente.
Nem pude acreditar  que minha linda amiga tinha gozado comigo, apenas com um beijo .
Ela se afastou, estava com o rostinho vermelho, com um olhar envergonhado.
Disse que precisava ir embora , embaraçada, sem jeito. Saiu quase correndo pelo parque, nesse dia nem me esperou .

Fiquei pensando naquele beijo e naquela gordinha,não conseguia tirá-la do pensamento. Tentei em vão falar com ela naquela noite e no dia seguinte Paulo voltou e retornamos a nossa rotina.

Insisti mas ela não quis tocar mais no assunto.
Na verdade, quem tocou no assunto embora indiretamente, foi o Paulo, alguns dias depois, durante o almoço. Me confidenciou que Ana estava diferente com ele , que estava pedindo pra ele ser mais carinhoso, transar com ela com beijos e preliminares, coisas que Paulo me disse que nunca fazia, porque o seu jeito de transar era sem carinho, sem frescura, sem delicadeza. E me disse que Ana nunca tinha reclamado antes. Pediu minha opinião sobre o que poderia estar acontecendo com sua namorada. Claro que não dei opinião nenhuma, mas no íntimo estava me sentindo orgulhoso. Então, pensei ,eu tinha mexido com ela tanto quanto ela tinha mexido comigo.

Apesar de se esquivar de falar comigo, o acaso a trouxe até mim. Paulo foi viajar à serviço e me pediu prá buscar uns documentos na sua casa.
Por absurda coincidência,quando entrei no seu apartamento, encontrei Ana lá também,que, desconcertada, sem jeito, me disse que tinha ido dar um jeito no apartamento.
Nesse dia ela estava deliciosa: como estava arrumando o apartamento de Paulo, estava de shorts jeans e blusinha, que realçava os seus seios e deixava seus braços fartos à mostra, bem como suas coxonas brancas. Eu estava muito sem jeito, senão já a teria agarrado á força, tal era o meu tesão.

Estavamos ambos sem jeito, e ficamos conversando sobre coisas bobas, enquanto eu procurava os documentos e ela arrumava o apartamento.
Quando terminou, ela disse que precisava ir embora, deu um beijinho no meu rosto, mas eu a segurei delicadamente pelo braço e então disse o que trazia guardado hà tantos dias. Que não parava de pensar nela, que não parava de pensar naqueles beijos e da minha vontade de estar com ela novamente.
SEmpre segurando-a e olhando fundo nos seus olhos. Ela me olhou e disse apenas , que tinha ficado pensando sobre o que aconteceu entre a gente. Ana disse que tinha ficado assustada por ter tido um orgasmo apenas com um beijo, porque isso nunca tinha acontecido com ela, ela não era do tipo carinhosa e o que a tinha aproximado do Paulo,era que ele também não gostava de carinhos..
- Pena que você não gosta, eu disse, eu to louco pra fazer carinho em você..
- Pára, Gabriel, ela disse, meio sorrindo, com a mão na maçaneta .
Aproximei-me meio timido dela e meio no impulso e muito na vontade, colei meu corpo no dela, dando-lhe um pequeno beijo na boca e abraçando-lhe forte. Depois falei um monte de coisas, bem junto do seu ouvido, encorajando-a a me ajudar a descobrir o que acontecia com a gente.
Ela me olhou e se deixou beijar. Dei-lhe um beijo quente, selvagem,  passei minhas mãos  pela sua cintura e a puxei em minha direção, grudando nossos corpos. Eu a beijava sem parar, enquanto deslizava a mão pelas suas costas em direção à bundona. Ela retribuia o beijo, passeando as mãos pela minha nuca.
Comecei a beijar o seu pescoço, saboreando. Eu a apertava, beijava, gemia e apertava sua bunda. Quando nossos lábios se desgrudavam ela vinha, ávida, sugar a minha lingua e eu a dela.
Ela abriu a minha camisa, e eu a tirei. Depois de algumas caricias ela começou a beijar o meu peito , dando pequenas mordidas no meu mamilo, meu pau pulsava dentro da calça, eu gemia baixo no seu ouvido, provocando- a a me oferecer mais. Ela me empurrou para o chão e começou a beijar a minha barriga, enquanto eu acariciava os seus cabelos e gemia e arqueava meu corpo de encontro aos lábios dela. Eram carícias intermináveis, quentes e deliciosas,
Sua mão deslizava pela minha calça, devagar, eu só gemia, ela começou a apertar devagar meu cacete e esfregar no sentido de vai e vem, meu pau tava duro como pedra, forçando contra a calça, senti a cabeça saindo pelo lado da sunga, ela me olhou fundo nos olhos, pediu um beijo, parecia um sonho, aquela gordinha com carinha de anjo, tinha labios deliciosos.
Ela abriu o zíper , eu me arrepiava de tão excitado, fui me esticando no chão, ela me acariciava e então puxou a minha calça junto com a sunga, começou a acariciar meu pau, a punhetar, eu só gemia, o prazer já tomava conta de mim.
Depois de mil caricias, ela abocanhou minha rola e chupou com vontade, eu gemi alto, ela me olhou deliciosamente, abaixou mais a cabeça de forma que o meu pau entrou tudo em sua boca, eu me contorcia, inquieto, me esparramando cada vez.. Ana lambeu meu saco, as vezes eu sentia contrações muito prazerosas na região pélvica, pareciam espasmos, ao mesmo tempo as chupadas vigorosas em meu pênis me impediam de pensar com clareza, meu coração batia forte, ela parou de me chupar pra me beijar mais uma vez, e outra, enquanto me punhetava . Eu pedi que ela chupasse mais, ela lambia meu escroto com muita vontade, me olhava, me punhetava um pouco, me chupava e depois ficava apenas alisando. Era fascinante ver meu pau aconhegado naquela mãozinha de fada, nos beijavamos e seus beijos me excitavam mais, aquele olharzinho de anjinho safado, cabelos cacheados caindo no rostinho gordinho, era um sonho.. Ela me chupava, lambia, acariciava, beijava,  me masturbava e assim uns minutos depois eu senti que ia gozar, falei pra ela, ela me beijou e disse, goza,goza gostoso pra mim.
Enquanto me beijava delicadamente, e suas mãos me manipulavam comecei a ter as primeiras contrações, eram muito fortes, parecia que minha barriga, costas, tudo se contraía,
Ela chupava o meu pescoço, minha lingua e urrando, eu gozei...
Veio o primeiro jato de porra, o segundo, sujando a mãozinha  dela e o chão, ela abaixou-se rápido e chupou meu saco, enquanto vinham outros jatos de sêmen quente, eu estava em êxtase, esticado no chão , entregue aquela carinhosa gordinha com carinha de anjinho.
Ela me olhava com cara de satisfação, antes de me beijar de novo, retirando a a porra restante dando uma gostosa apertada no meu pau,
Depois falou no meu ouvido : voce gostou ? tá vendo como sei ser carinhosa ?
Eu falei que tinha adorado e que queria mais, queria retribuir todo o prazer que ela tinha me dado.
Ela disse que não, que a gente tá tinha ido longe demais e ela não queria trair o Paulo. Comecei a acariciar o seu rosto e lhe beijar, eu, totalmente nú e ela ainda vestida. Era impossível ficar ao lado dela sem lhe tocar, eu lhe disse.
Estavamos sentados no chão, deslizei pra cima do corpão dela e lhe beijei..
Apertei Ana contra meu corpo , mordisquei sua orelha, lambi seu pescoço e me apertei ainda mais contra ela.
Olhando-a demoradamente, toquei em seus seios, sob a blusa. Passei a mão e apertei carinhosamente seus bicos. Fiz carinhos interminaveis sobre a sua pele macia, quase massagens sobre os seios, barriga e virilha. Comecei a tentar tirar a sua blusa e ela deixou, levantando os braços . Acompanhei cada parte que desnudava com a boca, extasiado. Depois de lamber cada mamilo até senti-los durinhos, comecei a sugar seus seios, saboreando cada momento.
Mordiscava de leve, levando Ana a segurar meu cabelo contra seus seios fartos,
Lentamente desci o short, deixando-a só de calcinha, estremecendo de prazer ao sentir sua pele em contato com a minha. Em uma viagem deliciosa,minhas mãos percorriam suas pernas..- to molhada, ela deixou escapar .
Tirei sua calcinha, beijando-lhe a boca, sugando sua lingua. Enfiei a mão no meio das suas pernas, sentindo sua bucetinha quente. Não diziamos nada, apenas gemiamos e nos beijavamos, enquanto eu a masturbava lentamente.
Desci lambendo sua barrigona deliciosa e macia até a vagina. Passei a lingua.
Segurei os grandes lábios da vagina com a ponta dos dedos, lambi, lambi com prazer e tesão..Dedilhei seu clitoris e o abocanhei por inteiro. Suas pernas se fecharam e prenderam minha cabeça entre elas. - estou gozando, ela gemeu, aaaaiiiiiii. Senti na boca as contrações inúmeras e intensas. Não consegui parar de chupar, enfiei as mãos por baixo do seu quadril e ergui na altura da minha boca. Continuei a lamber sua vagina. Ela gemia a cada lambida , seu quadril tremia e ela gemia cada vez que eu sentia na boca que ela estava tendo uma contração. Seu prazer estava saindo em ondas da sua buceta e indo direto para a minha boca. Enfiei a lingua bem fundo, invadindo seu prazer.  Sua vagina pulsava, ela gemia, enfiei dois dedos na sua vagina , revirando dentro dela, invadindo, enquanto lambia e sugava seu clitóris duplicado de tamanho.
Só parava de chupar pra dizer, olhando pra ela que sua buceta era deliciosa.
Saborosa. Cheirosa. Lisinha. Enfiava  a língua e sentia um sabor que não dá prá descrever ! Enfiava o dedo e sentia suas contrações. Ela gemia bem gostoso. Dedilhei seu grelinho com o polegar enquanto dava beijos de língua na sua boceta! Apertava até machucar sua bunda macia, carnuda e gostosa.  Passei o dedo nas pregas de seu ânus. Ela se contorcia  frente às contrações dentro de sua vagina, gozando bem gostoso! Saboreei  seu mel em minha língua, até ela afastar minha boca da sua buceta, sensivel demais depois de gozar ...
Ela me puxou para ela, e me beijou, sentiu seu gosto em minha boca ..sorrimos, Ela deitou-se ao meu lado, com a cabeça no meu ombro. Nos olhamos e já sabiamos, que , antes de descobrir o que tinha acontecido conosco naquela primeira tarde, a gente ia foder muito.
Mas isso é história pra outro relato.

sábado, 5 de maio de 2012

MUITA PUTARIA SAINDO DO BARZINHO

amadoras (9)
conto de Gabriel

Conheci Leila pela internet e, logo de cara, descobrimos ter muitas coisas em comum: éramos da mesma cidade e estavamos com muito tesão.
Depois de teclarmos e de falarmos muita putaria pelo telefone, resolvemos nos encontrar. Eu estava louco pra foder com ela, pelas fotos que me enviou era uma mulher muito bonita, de cerca de 40 anos, seios grandes e um olhar provocante...

Leila sugeriu que nos encontrassemos num barzinho .
Cheguei cheio de tesão e expectativa. Fiquei meio decepcionado quando ela me recebeu com um insosso beijinho no rosto e ao ver que ela estava com alguns amigos e com a sua irmã que logo me apresentou. Ela me disse prá ficar à vontade, que logo a gente ia poder conversar, mas à medida que o tempo ia passando, comecei a ver que ela estava dando mais atenção para os outros amigos dela, estava adorando se exibir, adorando ser o centro das atenções. 

Resumindo, tenho que confessar que fiquei decepcionado e com ciúmes. Ela não estava me dando um pingo de atenção . De vez em quando me olhava e sorria, mas era só...
Me preparei prá ir saindo de mansinho, sem ninguem ver. Chamei o garçon discretamente e pedi a minha conta.

Sentada ao meu lado estava a irmã de Leila, devido ao barulho não consegui entender muito bem o nome dela, acho que era Tatiane, Tati, alguma coisa assim. Só tinhamos conseguido trocar algumas palavras, mas foi a única pessoa com quem eu havia conversado.
Confesso que não tinha dado muita atenção prá ela e ela tinha sido gentil comigo. Ela me perguntou se eu estava indo embora e eu não tive outro jeito senão dizer a verdade: disse que sim, inventei uma desculpa.

Paguei a minha conta  e quando estava me levantando discretamente ela me perguntou se eu podia lhe dar uma carona, porque ela queria ir embora também.

Na rua, prestei atenção em Tati, que me sorria : muito mais jovem que Leila, estatura média,  bunda  grande e  coxas bem grossas (ao mesmo era o que transparecia pelo contorno da calça jeans apertada)  peitos pequenos e um rosto muito bonito, com olhos castanhos claros, seus olhos eram penetrantes e chamavam muito atenção.

Com os olhos cheios de curiosidade ela logo me perguntou de onde eu conhecia sua irmã. Eu disse que não lembrava mas ela disse que sabia, que era da sala de sexo, disse também que todas as pessoas que estavam na mesa eram da sala de sexo que Leila frequentava. Enquanto caminhavamos em direção ao estacionamento, ela desculpou-se pela atitude da irmã e diz ter percebido que eu estava deslocado e disse que também estava se sentindo assim, a sua irmã a havia convidado mas que ela não gostou do jeito do pessoal, e finalizou que só mesmo sua irmã é que era capaz de gostar de gente assim..

Eu me senti na obrigação de dizer prá ela que , de uma certa forma, eu também fazia parte "daquele pessoal". Ela sorriu e disse que, de qualquer maneira, eu era diferente. Tatiane encheu minha bola , disse que sentiu que era eu um cara gentil e educado, etc etc..

Ela me passou o endereço, programei no GPS e depois de conversarmos um pouco sobre coisas variadas ela começou a fazer perguntas sobre meus papos com sua irmã, a conversa evoluiu para conversas nas salas de bate papo, ela falou que achava meio bobo esse negócio de sexo virtual ( confesso que me senti bobo também, pela maneira como ela disse ) e que, prá ela sexo tinha que ser real. Concordei com ela e continuamos falando sobre sexo, sobre nossas experiências e fantasias. E para quase tudo que eu relatava ela dizia que eu era legal, mas me achava meio bobo prá minha idade. Eu sorria sem graça, porque ja estava me sentindo incomodado .

Uns instantes depois, o GPS indicou que tinhamos chegado. A rua estava deserta , parei em frente a um prédio. Tati me agradeceu a carona, beijei seu rosto. Ela tentou soltar o cinto,estava um pouco emperrado, ela não estava conseguindo, então me debrucei para ajudá-la, senti seu perfume, e quando fiquei com o rosto bem proximo do dela, nos olhamos profundamente, seus olhos castanhos claros me hipnotizaram e mesmo depois de ter conseguido soltar o cinto,ficamos nos olhando, sem nos falarmos, começamos a nos beijar.

Seus beijos eram uma delícia, e apesar da posição incomôda, não conseguia parar e fui me excitando. Me empolguei e comecei a acariciar seus peitinhos por cima da camiseta, ela não se opôs,começou a gemer suavemente, entre os beijos, então enfiei a mão por dentro da camiseta e apalpei seus seios macios mesmo por cima do soutien. Nisso um carro passou e ela me interrompeu, pedindo prá parar. Saiu do carro e me pediu pra esperar. Voltou logo em seguida e disse prá eu estacionar na garagem do prédio, com um sorriso maroto. Convidou-me para ir ao seu apartamento, mas me pediu pra ficar quietinho, dizendo que tinha cameras na garagem , no elevador e nos corredores dos andares.

Segurei-me até entrarmos no apartamento, quando então a agarrei , apertando-a contra mim, palmilhando sua bunda, apertando suas nádegas e devorando sua boca. 'nossa, que homem tesudo', ela dizia, entre beijos deliciosos, ' gostosa', eu respondia e levantava sua camiseta para tirar.

Eu estava com tanto tesão que só não rasgou porque o tecido era forte. Arranquei sua camiseta com um puxão e mergulhei no seu pescoço, beijando e dando chupões barulhentos. Nos atracamos e nos beijávamos, nos mordíamos, passeava com a lingua no seu pescoço , fui descendo e lambendo sua pele macia, toquei os seios, fui lambendo, passando a lingua nos biquinhos rosados e de vez em quando mordia, beijava , voltava a lamber, ela estava encostada na parede, apertada na parede, e enquanto a chupava, abri sua calça, ela mesma me ajudou a tirá-la , juntamente com a calcinha, . Tirei a minha roupa toda rapidamente e  então fui com uma das mãos acariciando sua xoxota, enfiando um dedo e depois outro , dois dedos na xoxota e lhe chupando os seios ,ela simplesmente gemia e se contorcia e puxava minha cabeça de encontro aos seus seios, De olhos fechados fui descendo boca e lingua até que me ajoelhei e lambi seu grelinho, ela gemia, coloquei uma de suas pernas no meu ombro, comecei a lamber e mordiscar seu grelinho, ' delicia', 'tarado",ela dizia, eu só a olhava nos olhos e continuava a chupar e a lamber seu grelinho , enfiando a lingua na xoxota, lambendo todo o melzinho que começava a se formar, enfiava e tirava a lingua do sua xoxota e fui enfiando sem pedir um dedinho no seu rabinho, 'tarado', ela disse, '.. não pára' e ela começou a rebolar na minha cara, o que me deixou mais excitado ainda e com vontade de chupar ela bem rápido .

Ela me empurrou eu fiquei deitado de barriga pra cima e então ela veio e sentou com a xoxota na minha cara e ficou esfregando o grelinho no meu queixo e nos meus lábios entõa colocou o grelinho na minha boca , que delicia de xoxota, poucos pelos, ela se contorcia, rebolava na minha cara e gemia.. 'que tesão' ela repetia.. gemia..

De repente se levantou , ' tesão, não quero gozar agora , fica assim, quero te chupar' ela disse. Veio engatinhando até o pau duro e começou a me punhetar com força,rapidamente, apertando meu pau me olhando com cara de zangadinha..' tesão, pau gostoso' ela dizia e punhetava que nem louca..
colocava o pau na boca ,enfiava bem fundo deixava ele bem molhado de saliva , tirava punhetava.. repetia 'tesão,adoro um pau duro , grosso como o seu, adorooo '..' safada, eu dizia,' sente o gosto da minha rola', ' isso, gostoso, adoro'
ela dizia enquanto enfiava e tirava o pau da sua boca , ' delicia de homem', ela dizia, me mimando..' quero mamar ele todinho'. Eu mandei ela cuspir no meu pau enfiar todo na boca,ela fez , me olhando, bati com o pau na sua cara toda, ela me olhava e dizia '  deliciaaaa '.. depois pegou o pau com as duas mãos e com cara de tarada começou a me chupar freneticamente, enfiando e tirando o pau da boca , sugando com tanta voracidade que parecia querer arrancar o caralho do meu corpo..

De repente, levantou-se dizendo ' tesão, quero sentir esse pau gostoso na minha buceta' , e então veio por cima de mim, na posição de cavalgar.  ' vou deixar entrar só a cabecinha', ela disse. ' tesuda' eu dizia, e ela me olhando disse ' bobão'. Encostou a cabecinha no grelinho na entradinha da buceta e rebolou lentamente, me olhando, esfregando o cuzinho e o grelinho, de vez em quando deixando entrar um pouquinho na xaninha.

Eu gemia de prazer.. ' bobão, ' ela disse' vou ficar assim até voce implorar pra eu descer '..' safada' eu disse . Ela repetiu que eu era bobão e pincelou a cabecinha no cuzinho . ' assim você me tortura, eu dizia".. ' delicia de homem,' ela respondia. Raspou a bucetinha na cabecinha ,dizendo " to meladinha de tesão' , me ollhou bem fundo nos olhos e pediu pra pegar nos seus seios..fazer carinho.. eu comecei a massagear seus seios e ela dizia ' isso, assim' , enquanto a pica roçava sua buceta.. Eu comecei a chupar os biquinhos dos seios dela
' quer o pau todinho dentro , quer ?' ela perguntava me provocando. ' quero '

' a bucetinha tá quentinha' ela dizia, massageando o clitóris, enquanto rebolava roçando lentamente a buceta na cabecinha do caralho . ' quero que você goze no pau' eu disse..' 'gozo sim meu tesão.... ela dizia .. to doida pra sentir ele dentro de mim, dizia esfregando o grelinho. ' o grelinho já ta inchado, pede ,bobão' ela dizia,' manda..'ela falava provocadora..' ' desce, safadinha, eu quase gritei'. ' delicia' ela disse, se ajeitou e desceu até a metade, gemendo..' aiii, tesãooo' dizia ' que pauzão, vai entrar muito fundo' . Louco de tesão eu a segurei pelo quadril tentando empurrar pra baixo,agarrei sua bunda. ' isso, tarado, abre meu bumbum' .

Abri as nadegas dela e empurrei de baixo pra cima, levantando meus quadris , ela gemeu ' aiii amor, caramba" forcei-a a descer , vendo a bucetinha engolir o pau inteiro, estava uma deliciaa.
' to sentindo cutucar la no fundo', disse ela,rebolando , depois que eu a mandei rebolar . Começamos a nos movimentar no mesmo ritmo aos gemidos.. 

Ela fazia o movimento de sobe e desce e eu a martelava de baixo pra cima, ainda mantendo sua bunda aberta..' aiii que tesão, gabriel' ela dizia, rebolando no meu pau, sua bucetinha apertadinha contraia meu pau, eu gemia..
Pedia os seios na minha boca, eu mamava;  ela rebolava pra entrar e sair em movimento pra frente e pra tras e em circulos  , cada vez mais rápido , ambos gemendo . ' bate na minha bunda' ela pediu, e eu batia e batia. ' aperta o meu bumbum' ela pedia e eu apertava bem forte..  ' ahh,que delicia' ela gemia 
Eu também gemia,sentindo sua buceta mastigando meu pau.
Eu socava a buceta dela de baixo pra cima , aumentando a força , metendo cadenciado estocando fundo... ' que tesão, gabriel, mete, mete , fode , fode' ela quase gritava..

ela pediu pra eu xingar ela e eu a xinguei de puta, de vagabunda, de piranha, de cachorra, e ela gemia e pedia mais e dizia ' isso, isso' enquanto dançava no meu pau cada vez mais rapidamente. Uns segundos depois disse :' vou gozar'.. Repetiu se contorceu, se esticou e gritou : 
' aiiii to gozandooooooo ' . Senti as contrações na sua buceta e ela gozava e começou a dar tapas na minha cara ..repetindo ' to gozando, to gozando'

Parei de me movimentar e fiquei sentindo ela gozar  e batendo na minha cara.
Meu rosto estava dolorido , senti as ultimas contrações dela e ela foi tirando devagar , dizendo que sua buceta tava sensivel porque tinha gozado..
' delicia, disse ela, me beijando , precisava de uma foda assim'.

Um pouco depois, ela passeou a boca pelo meu pescoço, meus mamilos e me presenteou com uma masturbação deliciosa. Enquanto me beijava ,senti a pressão de sua mãozinha na cabeçinha do meu pau e nos suaves movimentos de vai e vem. Enquanto se recuperava de um orgasmo, aquela menina deliciosa, ainda com o rostinho vermelho me punhetava rapidamente. Era muito gostoso, aquela mãozinha macia, aquela boca deliciosa e quando ela falou bem baixinho no  meu ouvido :'goza pra sua putinha, goza', eu não resisti e esporrei gostosamente entre seus dedos. Ela espalhou a porra no meu pau e continou me punhentando, dizendo :'quero mais, quero mais porra', apertando meu pau e me punhentando até eu não aguentar mais..

Fizemos mais algumas loucuras naquela noite, muito mais do que eu havia imaginado com Leila. 

conto de Gabriel - narcisosantos@hotmail.com