quinta-feira, 1 de novembro de 2012

--JANETE MENTIROSA

Conto de Gabriel

 

Tudo começou naquela noite na discoteca. Minha irmã ia sair com o namorado e me levou prá fazer companhia à sua amiga Janete, uma mulher bonita e gostosa.. Janete.é morena, cabelos negros, olhos vivos e inteligentes, uma boca bem desenhada, de seios pequenos  e ancas largas e pernas grossas.

Primeiro , Janete foi carinhosa comigo, me deu atenção, me provocou, parecia querer ficar comigo. Depois de algumas bebidas, começou a me zoar, fazer piadinhas, nos desentendemos e ela resolveu ficar com outro cara. Prá não brigar, eu fui embora, engolindo aquele sapo.

Teria ficado nisso se ela não aparecesse em casa na manhã seguinte, meio bêbada, procurando minha irmã, Minha irmã tinha ido viajar, eu estava sozinho. Mandei Janete embora, ela não foi, entrou e começou a me agredir gratuitamente. Disse que teve uma noite maravilhosa, que o cara com quem tinha saído era muito gostoso, que eu era um bobão, etc..

Eu não queria brigar, deixei ela falar.Ela continou insistindo em me irritar. Quando disse que eu devia ser incapaz de fazer uma menina gozar, eu a empurrei contra a parede e a beijei longamente. No meio do beijo ela explodiu num riso debochado, na minha cara.
Ia saindo, eu não deixei. Abri sua blusa com um puxão rápido e torci um mamilo até ela gritar de dor. Ela me deu um tapa e eu lhe dei uma violenta bofetada e a empurrei, derrubando-a no chão, o que fez com que sua saia subisse até os quadris. Tinha coxas maravilhosas e uma bunda grande, em forma de lua.

Eu peguei meu cinto e acertei-a. Ela me olhou, assustada e surpresa. O cinto estalou sobre ela varias vezes. Segui golpeando-a sem dó. Ela se encolheu num canto, tentando desviar-se. Eu disse : “ se deixar eu bater na sua bunda, vai doer menos”. Ela ergueu um pouco a bunda grande. Eu comecei a ficar louco de tesão, meu pau já estava duro.

Mandei que ela descesse a calcinha. Ela hesitou, eu chicoteei suas costas. Ela desceu a calcinha e eu prossegui chicoteando ela, os vergões avermelhados foram se acentuando na pele. Ela gemia de dor. Logo, os gemidos foram ficando espaçados e mais baixos e percebi que ela tirou o resto da roupa e estava se tocando.. Xinguei-a, bem alto. Ela começou a se masturbar vigorosamente, à medida que eu batia  mais forte e a xingava de puta, vadia, vagabunda. A bunda dela estava toda vermelha...

Eu puxei-a pelo cabelo. “ quem mandou você se tocar ?”. ela gemeu e dissse “ . Eu estava muito tesão, voce me deixou com tesão “. Falei bem no ouvido dela : “ vou te castigar , sua puta, te arregaçar “. “ não “, ela disse, com a respiração alterada, voltando a se masturbar. Puxei suas mãos e as amarrei com o cinto. “ você só vai gozar se eu quiser”, eu disse.

Abri bem as pernas dela e comecei  a chupar sua xaninha. Ela se contraia a cada lambida. Suguei seu grelinho inchadinho, até ela gemer e pedir mais. Eu adoro chupar uma xaninha, adoro quando a mulher goza na minha boca. Mas Janete estava sendo castigada. Quando ela disse : “ não pára, não pára ..” eu parei.

Disse que se quisesse mais ia ter que implorar. E ela implorou. Pediu : “ por favor, me faz gozar “. Peguei um vibrador da minha irmã , esfreguei nos mamilos duros , na barriga e no grelinho pulsando. Apertei o vibrador no clitóris dela, enquanto sugava os seios. Ela gritou e gozou subitamente, quando eu a xinguei bem alto. Enfiei o vibrador na bucetinha dela e peguei um segundo vibrador e enfiei na entradinha do cuzinho dela. Deixei-os lá, enquanto chupava os seios, lambia suas coxas, chupava os dedos do pé dela , sugava o grelinho. Ela não conseguia controlar o corpo, se contorcia, levantava os quadris, pedia prá eu parar. Não sei quantos orgasmos ela teve, gozou muitas e muitas vezes.
Ver aquela morena gostosa se contorcendo e gozando, gemendo, gritando, me deu mais tesão ainda.. Só então a comi..

Tirei os vibradores de dentro dela e a coloquei de quatro para mim, ordenando.
Besuntei meu pau duro com hidratante e empurrei prá dentro do seu cuzinho. Seu corpo todo balançou, ela gemeu. Eu a puxei pela cintura e massageei seus seios, enquanto entrava nela. Ela começou a se mover suavemente no mesmo ritmo que eu. Continuei me afundando nela, seu cuzinho se contraia e apertava fortemente meu cacete. Ela gemia cada vez mais alto. Quando eu estava quase gozando, mordi seu ombro e massageei seu clitóris inchado e sua buceta molhada. Urrando, eu gozei loucamente batendo meu saco contra suas nádegas . Fiquei dentro dela , a apertando pela cintura, chupando seu pescoço.

Ela ficou quieta, suada, mole. Me confessou que estava toda ardida , disse que nunca tinha gozado tanto. Eu não acreditei, é claro. Janete é uma puta filha da puta mentirosa.  Eu estava vingado.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

ELA GOSTA DE APANHAR

Autor : GABRIEL
narcisosantos@hotmail.com.
- gordinha rabuda amadora mostrando o cuzinho
 
Sou um cara calmo, discreto, um tipo introvertido, carinhoso.
Jamais me passou pela cabeça ter alguma coisa com uma pessoa como a Janete.

Aconteceu assim :
Fui jantar com minha prima e alguns amigos dela, entre eles  Janete.uma

menina muito bonita, morena, cabelos negros, olhos vivos e inteligentes, uma boca bem desenhada, de seios pequenos  e ancas largas e pernas grossas.
Estava com uma blusa prateada,não muito decotada e uma  saia preta, curta, bem apertada que realçava ainda mais a bunda bem feita .

Mas , estranhamente, entre nós pintou um clima ruim. Não fui com a cara dela..Achei ela metida, isso deve ter acontecido com vcs , dizem que os anjos da guarda não se cruzam. Tudo o que eu dizia, ela contestava, e vice versa.  
A certa altura da conversa, já era por birra que eu discordava dela.  Na hora de ir embora eu tive que ir com as duas, porque estava sem carro e justamente no carro de Janete.Contrariado, aceitei. Mínha prima tinha bebido um pouco demais ,por causa da Janete que ficou colocando tequila no copo dela e eu achei ruim..Janete me olhou brava,mas não disse nada, me pediu pra ajudar a levar a minha prima em casa. O pior é que assim que  assim que chegamos na casa da minha prima, ela vomitou no chão e na blusa de Janete.
Ela ficou muito zangada e eu ri e disse 'bem feito'..

Janete ainda tinha que me levar em casa,tentou me convencer a ir de taxi,mas eu disse que não tinha dinheiro e que ela teria que me leva . Muito zangada,muito puta de raiva, ela se viu obrigada a me levar até a casa dela pra ela se trocar.
Entrei, ela me serviu uma bebida e enquanto tomava um banho e trocava de blusa, fui olhando a casa dela. Por pirraça,prá ver ela mais brava ainda,critiquei o gosto dela. Zangada, ela me chamou de grosso, mal educado.Eu disse o que sentia por ela, chamei-a de metida, orgulhosa, ficamos batendo boca um tempo ainda,nem toquei na bebida.Disse a ela que talvez ela não tivesse apanhado quando era criança, que merecia uns bons tapas.
Janete colocou o rosto bem junto do meu e vociferou quem ia bater nela, que eu não era homem suficiente para bater nela, que eu tentasse. Senti o sangue ferver, o rosto queimando,cheguei a erguer a mão mas me contive: “Bundão”,ela me disse, vc é bundào mesmo” .Quase gritando, deu um tapa na minha mão, atirando longe o copo.Não me contive e dei-lhe uma bofetada, derrubando-a de
costas no chào, o que fez com que sua saia subisse até os quadris.
Estava com uma minúscula calcinha preta de renda. Atordoado , arrependido, 
fiquei parado , sem saber o que fazer..Ela levantou-se furiosa, pegou um vaso e atirou em minha direção. Pulei bem a tempo, aturdido, diante daquela violência .  Rapidamente ela me empurrou, cai sentado no sofá, ela tentou me arranhar, segurei a mão dela, nos agarramos. Puto da vida, consegui imobilizá-la e ,menos zangado, disse:” você vai apanhar como se fosse uma criança..vai ver quem é bundão” Imobilizei-a no chão, de bunda pra cima, e com a mão aberta bati nas nádegas.

Minha mão subia e descia rapidamente e eu não queria parar.Fiquei entre furioso e uma sensação  de excitamento  que não sabia definir. Eu a fazia gritar.

Depois quando dei por mim, os gritos foram se transformando num gemido baixo. 
levantei a saia e baixei a calcinha, ela tinha uma bunda linda .., podia ver marcas vermelhas nas nádegas . Percebi furioso, que ela estava mexendo os quadris ao ritmo dos tapas.Percebi que ela massageava a bucetinha enquanto eu lhe batia. 
Ela estava ofegante, gemia:” bate mais” .Fiquei furioso, estava com raiva dela,  bati com toda a força., até minha mão arder. "- Bundão ela disse,viado ! nem prá bater vc serve..mais força..".Com raiva e com tesão  - meu pau duro pulsava dentro das calças- tirei o cinto e comecei a bater com força na bunda dela. O uivo do cinto descendo sobre a bunda dela,se confundiam com os gemidos cada vez mais alto. 
Quanto mais forte eu batia,mais ela se contorcia,se esfregando com força..
Sua bundinha foi ficando toda vermelha e inchadinha e não demorou muito e ela gritou : ” -estou gozando ! -não posso me controlar , “disse ela, ofegante,   . A  umidade escorria pelas coxas dela . Eu  fiquei aturdido, envergonhado..
cansado.  Levantei-me, ela me olhava, sentada , com as saias nos quadris, sem calcinha,o olhar brilhando. Com as mãos no meio das pernas,ainda se contorcia, ainda sentia contrações..  Era linda, a filha da puta.. 
Meu pau tava doendo de tão duro..
Ela me olhou. Sem falar nada ,louco de tesão eu avancei sobre ela
Tirei a blusa, e mergulhei a boca nos lindos seios pequenos mas sedutores.
Beijei-os, alucinado, mordiscando, apertando o seu mamilo com os dedos
Toquei os biquinhos enquanto minha língua percorria a nuca e o pescoço. Tirei 
o resto da sua roupa ,rapidamente,quase à força.
Me extasiava cada toque, a cada lambida, a cada passada de mão em sua buceta,a cada tapa naquela bunda  já inchada e quente. Beijei e lambi todo o seu corpo, cada centímetro ,me deliciando
 
Aí tirei a minha roupa e me deitei sobre ela e meu pau logo achou o que procurava. Foi entrando rapidamente na sua xaninha, sendo sugado por ela 
Aumentava o ritmo e a força da metida . Tive que interromper várias vezes para evitar o meu gozo.

Fiz a Janete ficar de quatro.Meu pau estava quase estourando e coloquei-o na buceta sem demora.
Eu não podia acreditar,que aquela mulher metida e odiosa era tão gostosa e que aquelas coxas, aquela bunda maravilhosa estavam ali, bem na minha frente.
Eu metia com força, fiquei com vontade de xingar ela e xinguei.
Segurei em sua cintura e a puxei em minha direção. Empurrei a sua cabeça no tapete chamando ela de putinha,vadia,cadela e comecei a foder sua buceta de cima para baixo. Que maravilha ouvir o som de uma buceta encharcada.
Chamava ela puta,vagabunda ..
 
. Puxei o seu cabelo e bati ainda mais na sua bunda, já inflamada. Ordenei que ela gozasse no meu pau, que ela esporrasse como louca, que gritasse. Eu metia feito um animal e o gozo de Janete veio logo .Quando gozou, apertou meu cacete com força,contraindo a bucetinha,quase quebrando meu pau..Segurei-a pelas nadegas e puxei-a de encontro a mim indo e vindo até gozar,que nem louco,enchendo ela de porra.
 
Ela se deitou de bruços,sem falar nada,ofegante ,
 
Ficamos deitados um ao lado do outro por bastante tempo,em silêncio.
Senti uma grande ternura pela safada,pela forma como ela se entregou a mim 

.Como não estava acostumado em bater em ninguém,senti uma espécie de remorso de ter batido nela. Comecei a lamber a sua bundinha inflamada. Estava bastante inchada e quente..Lambi sem pressa ,devagar.

Fui até a cozinha prá pegar gelo prá passar na sua bunda,não tinha..
Achei um pote de sorvete,coloquei sobre a bundinha dela.Depois espalhei um 
pouco de sorvete. ...tirei o sorvete com a lingua,fazendo um caminho na bunda dela..
Ela gemia baixinho e se contorcia muito pouco..Enchi a mão de sorvete e com o dedo fui enfiando sorvete no cuzinho dela..Colocava um bocado e enfiava com o dedo. Ela gemeu mais alto.."que delicia,",ela deixou escapar.
 
..Fiquei um tempo nessa brincadeira.
Fui colocando um,dois dedos e empurrando cada vez mais fundo o
sorvete..enchia a mão e empurrava..Ela gemia bem baixinho.

Comecei então a tirar o sorvete com a lingua,lambendo bem no reguinho humm, ela gemeu… Peguei então um grande bocado,enfiei no cuzinho dela e comecei a empurrar com a cabeça do pau...

Com o pau não,,não quero no cuzinho.. Ela gemeu - ai,seu puto  ,dói..seu pau é muito grande..
Peguei mais e empurrei mais o cacete..ela gemeu mais alto ..
-Não,porraaa,tá doendo...- ela dizia.. Eu não ligava..quase não tinha mais 
sorvete no pote...empurrei o monte que tinha com o pau..escorria sorvete pelos cantos do cuzinho dela.
Ela tentou se virar e disse brava _ eu já disse que não quero na bunda..na bunda não.
Eu não liguei,segurei o corpo dela na cama e enfiei..nem liguei para os
protestos dela..Ela se contorcia,tentando sair de baixo de mim..
Eu estava em vantagem..Prendia-a bem firme de bunda prá cima..
-Cala a boca,cadela,eu disse..vou comer teu cú..
-não,caralhoi,no cú não...pára,caralho  !
Eu empurrava sem dó..ela gemia..eu bati na bunda dela.E bati de novo..puxei  
ela pelos cabelos..e enfiei até a metade..
Ela urrou...Eu continuei..Bati nela de novo...Fodia ela sem
dó,rapidamente,indo e vindo..incapaz de me controlar...
Seu cuzinho apertava meu pau como um alicate,e logo ela
berrou dizendo que doia...
coloquei todo e a deixei relaxar, depois fui fudendo e
aumentando a velocidade das estocadas no seu cuzinho!

Eu percebi que estava quase prá gozar,porque as contrações do cuzinho dela
apertava muito forte meu cacete e também pela situação em si..
Entao parei de me mexer e fiquei apenas sentindo meu pau pulsar dentro dela..

eu fiquei com o pau duro apenas encostado na bunda dela..brilhando de tão duro.e pelo creme do sorvete..
-
Eu não aguentava mais...abri o cuzinho dela e empurrei tudo de uma vez..o cuzinho apertado dela parecia querer partir meu pau no meio..
Ao sentir o cuzinho todo preeenchido,.Eu nao consegui segurar mais e gozei logo depois..fartamente,urrando,berrando,xingando ela...apertando -a pela cintura de encontro a mim...sentindo minha porra esguichar..fiz menção de tirar mas ela não deixou, e disse:' deixa,fica assim".E ,sem deixar eu tirar o pau,ficamos de ladinho...

Então,com o meu pau enfiado no seu cú,ainda sporrando,Janete,começou a massagear sua xaninha,de vez em quando lambia os dedinhos,passava um pouco de saliva e foi enfiando um,depois dois dedos nela,fazendo movimentos de vai e
vem,continou esfregando o grelinho,gemeu,foi ficando vermelhinha,molinha e deu uma deliciosa gozada...Continuou com a siririca e gozou novamente..
 
Não me deixou tocá-la mais e saiu. Se vestiu,mesmo sem tomar banho e mandou eu me vestir,e disse:' vai,vou te levar prá casa'. Não sei explicar,mas eu a obedeci,me vesti,entramos no carro e ela não falou nada.Eu perguntei se ela tinha gostado de foder comigo,ela não respondeu.
Me deixou em casa e foi embora,não deu nem um sorriso,nem um beijinho no rosto.













































































































sexta-feira, 21 de setembro de 2012

VOYEUR POR ACASO

100_2797 Autor :   GABRIEL

    Nunca pensei em ser um voyeur,o que aconteceu foi meramente por acaso.eu estava muito chateado.foi logo depois que Clarice me deixou..
    Peguei o elevador para ir ao terraço do condominio,o teto do prédio,gostava de ficar ali,olhando a cidade.

    Meio constrangido, eu dividia o elevador com um casal que estava bem quente. As linguas e as bocas se devoravam  .Ela estava com o rosto coberto pelo rosto dele, com longos cabelos louros. Ele puxou-o para si.    Aproximou a cabeça no seu ombro, beijando o pescoço dela e com a outra mão, comprimiu-lhe os quadris de encontro ao seu corpo. Movia-se lentamente, Os olhos dela estavam fechados. Quando os abriu, deu de cara comigo, olhando hipnotizado para ela.     Tinha lindos olhos azuis. Seu olhar bateu na minha protuberância na calça. Eu não tirava os olhos dela, agora ele estava de costas pra mim, e ela de frente, ele com a cabeça no pescoço dela e ela me olhando, eu tentando captar-lhe o olhar. Ela estava ofegante, os corpos estavam quase colados, as pernas dela abertas ,encostada no elevador e ele no meio delas, apertando-se contra ela.    
Ela sentia os beijos cada vez mais ousados, sem parar de olhar para mim.. Eu a olhava divertido também, além de excitado.. O cara me viu, e parou de beijá-la, ficou apenas abraçando ela,Achei melhor descer logo.E foi o que fiz..


    Subi pela escada para o teto do condomínio,     Logo depois , eles chegaram. Agarrados. O pau do cara estava parecendo explodir a calça. Começou a abraça-la, ela me descobriu ,olhou-me. Não parou de me olhar, fazendo gestos safados para mim, com o cabelo caindo no seu rosto, enquanto o cara beijava seu pescoço, ela me olhava..
    Sem emitir um som, me chamou de tesão, e me mandou um beijo. Alisei meu pau, por cima do calça. Ela passou a lingua nos lábios, num gesto sensual. O cara virou-se de frente para mim, agarrado nela, as mãos dele, dentro da blusa dela.. Os olhos fechados. Escondi-me nas sombras, olhando aquela mulher deliciosa .o olhar dela me procurava.
     Ele abriu a blusa dela, ela tinha seios lindos, de bicos rosados e grandes.. um cone leitoso, duro de tesão ,Ele abaixou-se para beijar o bico do seio dela enquanto ela pegava no membro dele, mesmo por cima das calças..


    “ - Quero ver o seu menino, ela disse, quero ver o quanto ele gostou de mim , me mostra “, disse olhando em direção aonde eu estava escondido . O cara tirou o membro para fora, um membro comprido e fino, eu esfregava o meu, olhando para ela ,Ela já lhe desabotoara a camisa, e então ,tomou o cacete, livre, quando baixou a calça até a altura do joelho.
    .”quero ver ele, quero ver  como está duro, quero gozar só pra voce”, disse, olhando para mim.. O cara falou: voce é foda garota, voce diz coisas que deixam a gente muito louco “.. ela segurou e levou-o de encontro à boca .. “por favor deixa eu te chupar".
    Ele estava de olhos fechados, eu sai do meu esconderijo para que ela me visse.Abri o zíper e o meu pau  saltou, firme , duro e grosso..
    la gemeu de tesão, abrindo os olhos... “ puta, que gostoso !!” , eu quero que voce me coma”...
    eu alisava o pau, agora, olhando pra ela.. ela estava ajoelhada, de pernas bem abertas, com as mãos no meio das pernas, se esfregou mais selvagemente, quando me viu excitado.. beijando e lambendo os testiculos do cara,que gemia...
    ”não abre os olhos, gato", disse ela para o cara ," prá sentir bem a minha boca”
gosta da minha lingua ?..
    - puta, gata, voce chupa que só a puta que o parriu...
    - vou te levar pro céu, meu gostoso, disse ela, me olhando.. voce vai comer o meu cúzinho ? jura que vai ...”..
    - eu como, gata, disse o cara..
    - quero sentir esse pauzão em mim...disse ela

ela me olhou, colocando o pau do cara na boca, colocando e tirando, me olhando alisar o meu membro... “queria que voce passasse a mão na minha buceta” ela disse, me olhando... até eu gozar”..
- puta , gata, eu passo, disse o cara..

. ela me olhava...voltou a chupar o cara, deixando o pau dele úmido de saliva e tesão... levantou-se, beijando-o, pegou a camisa dele e vendou os olhos dele. Ele  gemeu, excitado ,

então ela pegou a própria blusa e amarrou as mãos dele atrás das costas.. mordeu o peito dele, voltou para o cacete..puxando a glande com o polegar e o indicador e colocando na boca..

 

o cara gemia e se contorcia, ela foi aos poucos, empurrando-o para o chão, sem parar de chupá-lo, ele foi deslizando para o chão, ela puxou as mãos amarradas dele para cima, e o pôs deitado .. Ele ficou deitado na laje ainda quente do sol e ela se debruçou ainda chupando-o... ela estava debruçada, com a bunda para cima, bem arrebitada, redondinha e lisa, iluminada pela lua e pela luz difusa.

Eu me alisava, louco de tesão.... ela  requebrava, se tocando.. “estou úmida por sua causa “.,disse,olhando em minha direção.
ela me olhou, chupando o cara mais rapidamente, alisou a buceta, então colocou a mão em concha segurando-a firmemente. Ela gemeu,enfiando um dedo ,mexendo ... calmamente.. ela chupava  o cara, enquanto rebolava ao contato da própia mão.,me olhando.. “estou quase gozando, gato “..
eu não podia falar nada, mas tinha vontade de dizer o quanto estava louco por ela, o prazer que estava sentindo ao ve-la alisar seu clitóris já durinho.. seu dedo percorreu-o, alisando-o , ela rebolava , gemia...e apertava o pau do cara, seus dedos subiam e desciam  a pele daquele membro..mais rápido.

 

... Eu fiquei louco, olhando aquela bundinha redondinha,  durinha, bem feita.. eu queria comer aquela garota todinha..  -  estou quase gozando, ela disse, me olhando..

Eu saí de onde estava, me colocando em um ponto mais claro,onde ela pudesse ver o quanto eu estava excitado por ela..
ela esfregava-se na própria mão acompanhando  o compasso da minha masturbação.. eu alisava meu pauzão,apertava, mostrando prá ela. Se deliciando com a situação  ela apenas apertava o pau do cara, ele até disse :
-devagar , gata, tá doendo,. .. ela se  retorcia , .
Me olhando, ela disse :
- vamos gozar, gostoso, vamos...
Olhando para mim, ela sentou-se sobre o pau do cara, de frente para ele e de frente para mim, abrindo bem as pernas, encaixando o pau dele na bucetinha dela, descendo devagar.. olhando para mim, passava as mãos nos seios... subia e descia sobre o pau dele, acariciando os seios...eu vou gozar  só prá voce, ..meu gostoso.. disse, olhando para mim,.... , agachada, depois sentada, ela subia e descia sobre o pau duro dele, gemendo..

– delícia, gostoso.. abria bem as pernas, me deixava ver sua bucetinha de pelos curtos.. e esfregava o grelinho rapidamente ..

– te quero,tesão .. – dizia, me olhando..
O cara se contorcia em baixo dela, não acreditando em tanto prazer..
– você me mata, gata...ele dizia
- quero que goze gostoso, gatinho, ela dizia.... E passava a língua nos lábios e mordia os lábios..
– queria que chupasse meus seios durinhos prá você ,ela disse
- voce é estranha, gata, ele dizia..

 

Eu me alisava, olhando para ela.,rapidamente e devagar, alternando a punheta..

ela com uma das mãos passava a mão nos seios, depois na bunda ,alisava a bunda me olhando.... Subia e descia sobre ele com rapidez.. depois devagar  ,depois rápido de novo..

Ele se contorcia, embaixo dela, ela baixava o corpo, depois, lentamente, ao encontro do dele. Ele começou a mover-se lentamente cada vez mais pra dentro dela. Ela já não me enxergava, entregue ao prazer, de olhos fechados

.Começou a mexer-se frenteticamente, pulando sobre ele, esfregando a mão no seu peito, enquanto estremecia. Gemeu...então ...
- Goza prá mim, gostoso, disse, me olhando.. Goza, eu quero ver...Goza comigo...

Eu me masturbava loucamente, ela me olhava, enquanto ia e vinha sobre o cara.. “ não estou vendo, gato, quero ver..” 
.. O cara falou qualquer coisa, eu não ouvi..

Cheguei mais perto , e segurei meu pau duríssimo e apertei a cabecinha ..
- Ela disse: goza agora... comigo...

O cara pensou que era com ele, e explodiu dentro dela em espasmos incontroláveis e ela subitamente, parou, se contorceu...e gemeu – estou gozando, voce esta me fazendo gozar, estou gozando só prá voce,tesão,  puta merda,..eu gozo, eu gozo ...- O orgasmo a atingiu e ela se contorcia ,gemendo cada vez mais alto..

Ao mesmo tempo eu me toquei  cada vez mais rápido, até não mais me conter..senti o gozo vindo com um calor que percorreu todo o meu corpo.. Gozei intensamente, quis gritar, não podia.. os jatos de porra voavam em várias direções. ..
-delicia, ela gemia, tesão,tesão...
............................................
Ela abaixou-se e beijou o cara, tirou a venda dele e o desamarrou.

Ele levantou-se , se vestiram. Ela olhou disfarçadamente para o lado onde eu estava,escondido.. Falou : "gozei tanto, você é muito gostoso.."
ele sorriu...eles se foram..

 

Querem saber se eu a reencontrei ? Se aconteceu alguma coisa depois ?  Me escrevam .. meu e-mail é narcisosantos@hotmail .( GABRIEL)

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Anne

por Gabriel
gabrielnarcisosantos@bol.com.br

100_1926

Oi,meu nome é Gabriel.Há algum tempo atrás, fui fazer uma auditoria num cidade do litoral paulista.O serviço demorou mais que o esperado e eu estava hospedado num hotel modesto.
No hotel fiz amizade com o gerente,Seu Francisco,que gentilmente me recebia em sua casa. Fiquei amigo também de sua esposa e filhos.
Num fim de semana,embora estivesse meio ruím,sem sol,eu fui à praia e lá encontrei Seu Francisco que tinha ido  com seus filhos e uma sobrinha chamada Anne.
Gosto muito de gordinhas e Anne me atraiu de imediato.
Anne era uma gordinha de olhos claros,cabelos castanhos,estatura média,seios fartos,bunda apetitosa e coxas grossas.Estava bronzeada o que aumentava a sua gostosura.Deveria ter por volta de uns 17 anos,tinha a pele lisa como seda.Era risonha e simpática.
Fiquei bebericando e conversando com Francisco,sem parar de olhar Anne cujos seios balançavam deliciosamente quando ela brincava na água,parecendo querer sair de dentro do biquini. Eu estava ficando enlouquecido.
Enquanto as meninas brincavam na praia, fomos abruptamente interrompidos  pela mudança do tempo , pois ameaçava um tremendo temporal!
Seu FRancisco,sem perder tempo enfiou todos no carro e não me deixou recusar uma carona.
Vim sentado no banco de trás,ao lado de Anne,que vinha no meio entre a filha do Seu Francisco e eu.
Ainda levavamos no colo algumas cestas.Apertado,quase sem podermos nos mexer, Anne tentava se ajeitar melhor e sua coxa roçava na minha,me excitando muito.
Sem pensar muito, pousei a mão entre as coxas de Anne e delicadamente comecei a acaricia-las. Encobertos pela cesta que ela trazia no colo,eu sentia sua pele macia e deliciosa ,e  sem olha-la nos olhos,cada vez mais me aproximava do seu sexo.
Meu coração disparava,pois eu não sabia se ela queria e temia a qualquer hora que ele me interrompesse "para me por em meu lugar".

No aperto que nos encontrávamos , e sem nenhum espaço para manobrar sequer a mão, eu tinha dificuldade de atingir seu sexo sem que alguém pudesse  ver.Nesse momento ,Anne ajeitou a cesta no seu colo, levando-a alguns centímetros mais para a frente , o que possibilitou a minha mão tesuda a  descer até meu objetivo , e posicionar-se entre os lábios da sua vagina , apenas protegida  pelo fino tecido do maiô.

Instintivamente ,sem que eu tivesse pedido,ela abriu mais as coxas , oferecendo seu  sexo mais abertamente para mim , que agora já a olhava com olhos de quero mais. !Enquanto minha mão passeava livremente por sua bucetinha ,
eu imaginava aquela xana na minha lingua, até seu sexo molhar-se de prazer, ao mesmo tempo que me afligia de ser descoberto.Essa adrenalina era muito excitante,eu estava de pau duro.

!Sem perceber , chegamos a casa de Francisco e descemos todos para aguardar que a tormenta passasse!
Ajudei a levar as cestas para dentro e um instante,fiquei sozinho com Anne na cozinha.Instintivamente a apertei num canto e mergulhei na sua boca,chupando sua língua com tesão.Ela não disse nada,mas senti que correspondeu.

Fiquei ali na casa de Francisco até a chuva passar,por insistência dele. Enquanto ele e sua mulher faziam uns lanches prá gente, ele pediu que sua filha e Anne me mostrassem a casa.Era uma bela casa antiga,espaçosa e clara. A filha do Francisco pediu licença prá dar banho na criança menor e pediu prá Anne me mostrar a casa.
Ela me olhou e deu um meio sorriso.Aqueles olhinhos claros e aquele sorriso de menina e de mulher pareciam me dizer que ela estava com o mesmo tesão que eu.

Entramos no primeiro quarto e não resistindo mais ao calor que nos queimava, arrastei Anne para o meio do quarto e apertando-a de encontro a parede, comecei a beijá-la profundamente, sentindo a sua lingua chupando a minha. Minhas mãos não cessavam de correr seu imenso corpo , amassando, apalpando e acariciando cada centímetro de pele. Nos beijavamos sem parar,quase querendo entrar um dentro da boca do outro.Enquanto a beijava,abri seu short jeans e desci seus shorts e sua calcinha e enfiei a mão até encontrar sua  xoxotinha completamente alagada. Ao sentir um dedo penetrando com extrema facilidade, Anne se agarrou no meu pescoço e com gemidos baixos e roucos na minha orelha, deu início a uma maravilhosa sessão de pompoar. Cada contração de sua xoxota, chupitando ou prendendo meu dedo, era acompanhada por um gemido profundo . Quando pudemos perceber,ouvimos passos no corredor e a prima de Anne nos chamou..

Rapidamente,soltei minha gorda deliciosa,ela se recompôs e saímos.
Olhamos a casa,lanchamos,mas minha mente estava apenas dirigida para Anne
Quando passou a chuva eu agradeci a acolhida e disse que ia embora.Na maior cara de pau perguntei prá Anne,na frente de todo mundo :- "você não disse que tinha que ir até o centro?quer aproveitar a minha companhia?". Anne apenas balbuciou que sim ,nem esperou as pessoas perguntarem mais nada e saiu comigo.
Levei-a rapidamente para o meu quarto de hotel.Enquanto ela olhava em volta conhecendo o quarto bem arrumado e limpo,eu a abraçava pelas costas e a empurrava em direção do sofá, com as duas mãos percorrendo seu corpo em direção aos seus  seios! Dizia a ela que eu estava louco por ela ,!SEmpre acariciando seus seios enormes e apetitosos, aproximei meu corpo  daquele corpo quente e grande ate que me colei nele, a ponto de roçar a língua em seu pescoço, e de meu sexo em sua  bunda!
Ela permanecia imovel e muda , de olhinhos fechados !Ela foi se entregando , curtindo meus toques, meus beijos  na sua nuca,meu calor no seu calor , meus elogios,......

Curti muito e lembro-me bem de sua expressão facial quando despi sua camiseta, e  descobri seus seios imensos em minha direção, como que se oferecendo aos meus  beijos!Beijei , lambi , mordi , até que ela gemeu e sussurrou : "que tesão"  ,
Completamente entregue ao prazer , carreguei sua mão até meu sexo , por sobre a calça ,e com minha mão sobre a sua , a fiz esfregar com força meu volume quente e grosso , !
Posicionando a outra mão ,ela começou a  desabotoar a minha calça, com a maior disposição de liberar meu animal contido , 
Anne abriu o cinto,tirou minha calça e cueca e alisou devagar meu membro teso , enorme e brilhante , de veias grossas.
Ainda me masturbava, olhando meu pau ,quando empurrei sua cabeça  em direção daquele mastro que tanto queria sua boca !
Com delicadeza,arremessei sua cabeça em direção do meu pau forçando- a a   abocanha-lo, a principio timidamente, e em seguida avidamente sem que eu falasse nada. Gemendo, eu apenas pedia à minha fêmea gostosa que o engolisse e que não parasse de chupa-lo  !

Permaneci gemendo e arrepiado enquanto ela chupava gulosamente meu pau Queria que ela tivesse o mesmo prazer que eu, e então a estendi na mesa e me deliciei com os gemidos de Anne, que , de pernas abertas , recebia entre suas coxas , minha cabeça , que parecia querer entrar em sua buceta , tal a fúria com que chupava seu grelinho !
Ela se contorcia,gemia,enquanto eu a chupava, ora violentamente ora gentilmente,até ela gozar fartamente na minha boca.
Gozando,ela me pedia que a comesse,disse que queria dar,me sentir dentro dela !!
Eu sentei-me no sofa , puxei-a em minha direção , e a pus sentada de frente prá mim,sobre minha pica molhada de tesão e da saliva dela ,enquanto esfregava a cabeça inchada entre seus labios vaginais completamente encharcados!
Minha pica entrou aos poucos na sua xaninha,a principio ajeitando-se e finalmente a atravessando, penetrando , fortemente , firmemente, , prazeirosamente! Ela se ajeitava sobre mim, , eu a tinha mais  perto do meu corpo, enfiando de uma só vez , meu pau duro em sua bucetinha que ela mantinha fechadinha apertando meu pau,prolongando meu prazer.
Minha boca sugava sua lingua com sofreguidão e eu me sentia orgulhoso sentindo-a possuida por um garanhão que a tinha sob seu controle.

Ela parecia embevecida com a situação, se deixando levar,como um barco à deriva.
Sem dizer uma palavra, virei-a e enfiei a pica em seu cu.,alucinado.
Anne arrebitou bem a bundona e eu enterrei o pau inteiro em sua bundinha ,segurando-a com toda força junto a mim,
Eu bati na sua bunda varias vezes e enquanto enterrava o pau em movimentos loucos e violentos que ela recebia,rebolando e gemendo..
Não resisti muito e gozei violentamente..Quase perdi o ar..me agarrando na sua cintura e amassando seus seios...
DEpois ficamos deitados um ao lado do outro , nos beijando muito .Como uma gatinha que aprontou alguma foi se chegando e se encostou em mim . Me encaixei por de trás dela, conversamos um pouco e cochilamos,
. Eu e a Anne continuamos a sair durante mais uns 6 meses, sempre com trepadas memoráveis. Nossos contatos telefônicos foram ficando cada vez menos freqüentes. Não sei por onde ela anda agora, mas com certeza ela me marcou profundamente.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

SILVINHA

100_2857 conto de Gabriel

O que eu vou contar aconteceu num dia em que peguei a moto do meu filho emprestada.Quando fui devolve-la,ele me pediu para entregar a moto prá ele num churrasco da empresa em que ele trabalhava.
Quando cheguei com a moto,uma mocinha muito bonita veio me receber toda sorridente. Eu estava de capacete e ela me confundiu com o meu filho,vi que ficou decepcionada quando viu que não era ele.Ele não havia chegado ainda.
Mesmo assim,a menina que se chamava Silvia foi muito simpática comigo.Silvia devia ter uns 18 aninhos, mais ou menos 1,60 cm,olhos castanhos claros,seios médios ,durinhos,biquinhos grossinhos,cintura fina,bumbum grande,coxas grossas e uma boca linda.Lábios nem tão grossos nem tão finos,voz macia,encantadora.
Silvia estava esperando meu filho e não conhecia ninguém. Apresentei-a a alguns amigos do meu filho,e ela se enturmou num pequeno grupo,enquanto eu ficava de longe,esperando.

Silvia estava conversando com as pessoas do grupo,mas de vez em quando olhava prá mim e sorria.Depois de um tempo veio prá perto de mim e ficamos conversando, comendo e bebendo .Foi muito interessante,ela era muito simpática e atenciosa.

Depois de um tempo,meu filho me ligou e pediu para levar a moto até a empresa e deixar lá porque ele não ia conseguir vir porque estava enrolado .Perguntei à Sílvia se ela queria ir junto.Ela aceitou,mas antes me pediu prá dançar com ela.
Ela se divertiu me vendo tentar dançar funk,axé. Já entardecia e começou a tocar um forró mais lento, que só dava pra dançar bem coladinho,eu sou péssimo em dançar forró, mas achei que valia a pena arriscar uns passos. Começamos bem devagar e depois eu fui apertando-a mais ,comecei a falar baixinho na sua orelha.Durante a dança ela cantarolava no meu ouvido ,, e passando a mão pela minha nuca,o que me deixava com tesão. Uns dez minutos depois fomos embora.
Ela estava de vestido então quando sentou atrás de mim ,suas coxas ficaram exatamente na minha cintura e ela colou os seios macios nas minhas costas,passando a mão pela minha cintura. Aquela proximidade era tesão puro.

O caminho era bem deserto,cheio de árvores e parei a moto prá admirarmos o por do sol.Era maravilhoso. Sou um homem antigo,ainda romantico. O sexo,para mim, começa na primeira troca de olhares.
O sexo com a Sílvia tinha começado no primeiro olhar, nos sorrisos, no nosso papo,durante a dança,no passeio de moto,nos sorrisos trocados ao por do sol.

Porisso quando uma lua maravilhosa começava a tomar conta do céu,e eu a beijei,ela correspondeu prontamente.
Começamos a nos beijar e nos acariciar.Ela olhou pra minha cara e sorriu maliciosamente.Beijei sua orelha,desci para o pescoço,levantei sua blusa e lambi o biquinho do seu seio.Lambi várias vezes e comecei a chupar,dando umas mordidinhas de leve.Sem que ela reclamasse,comecei a lamber ela freneticamente. Seus peitos eram uma delicia de apertar e chupar inteiro. Ela tava gostando, segurava nos meus cabelos. Beijei a sua boca,de novo,agora profundamente, um beijo delicioso, bem molhado. Minha mão tocava o corpo dela inteiro, e a mão dela também alisava meu volume.

Desci a minha mão,levantei a sua saia até a cintura e comecei a massagear a sua bucetinha por cima da calcinha. Já dava pra sentir que ela estava toda molhada. Ela gemeu e fechou os olhos,mordendo o lábio inferior.

Botei a minha mão dentro da sua calcinha. Abri a minha mão e apertei a buceta dela inteira, queria sentir aquele muco na minha mão. Passei o meu dedo na sua fenda, deixando ele bem molhado.

Fui ajoelhando,alisando suas coxas e puxando sua calcinha.Tirei sua calcinha e levei a minha boca até a sua xaninha,colocando uma perna dela no meu ombro.  Podia sentir seu cheiro forte, tudo aquilo tava me deixando louco de tesão. Cai de boca nela, chupei tudo, abri bem a sua bucetinha e percorri ela inteira com a minha língua, chupei seu grelinho até ele ficar durinho... Ela gemia e se contorcia,apertando os proprios seios. Eu não cansava,enfiei a minha língua lá dentro, e depois lambia ela interia, até a virilha. Botei meus dedinhos lá dentro, adorei sentir ela por dentro. Dedei e chupei até ela gemer bem alto, puxar o meu cabelo, e gozar na minha cara,se contorcendo...Eu suguei todo aquele suco,ela foi deslizando para o chão,e mantive minha boca grudada na buceta dela e não parei de chupar e lamber,até ela gozar novamente..

Depois fiqui olhando ela ali,meio fora do ar,estirada no chão,na grama,com a blusa levantada,os seios de fora,a saia levantada até a cintura,de pernas abertas,com o rostinho vermelho , recuperando o folego.

Eu estava deitado ao lado dela,na grama,ainda vestido, só com o pau duro de fora.Ela veio prá cima de mim, me beijando longamente,abriu minha camisa,lambeu meu peito, minha barriga,desabotoou minha calça,e olhando pro meu pau,começou a alisá-lo.

Meu cacete já tava todo babado e ela passou a língua só na cabecinha.Eu dei um gemido gostoso e ela perguntou se estava gostoso,eu digo sim e ela continuou lambendo a cabeça. Eu pedi prá ela colocar tudo na boca ,disse que ela estava me deixando louco.

Ela começou a descer e subir a língua por toda rola e o saco ,dizia bem baixinho que minha rola era macia e tinha um gosto delicioso que ela nunca tinha provado antes e era gostosa de lamber, Fui ficando cada vez mais arrepiado e tesudo e aos poucos ela foi ficando mais ousada e sua língua cada vez mais perto da cabeça da rola ate que as lambidas rápidas se transformaram num boquete delicioso. Ela passava a pica no rosto, lambia o saco e engolia a rola inteira, então ela levou meu pau duro até seus seios, e começou a esfregar e me beijar segurando meu pau de modo que a rola passeava por todos os lugares do seu peito,entre os seios,em cada mamilo durinho .

Me deixando em ponto de bala,me olhando com um olhar safado ela voltou a lamber toda a rola . Depois ela voltava a enfiar na boca ,enquanto eu urrava de prazer Só parou de chupar um pouco para pedir prá eu gozar bem gostoso.

Então abocanhou o pau com chupadas lentas e firmes e foi arrancando o gozo de dentro de mim , que veio rápido e forte. Com a mãos eu segurava sua cabeça para que ela não parasse de me chupar e fartos jatos de porra foram esguichados direto dentro de sua boca, forçando-a a engolir tudo e a lamber cada gota perdida em sua rola.

Meu filho ligou no meu celular pedindo a moto ,estranhando minha demora . Levei a moto e Silvinha comigo,e Silvinha me passou o numero do seu telefone e me pediu prá ligar prá ela,porque queria mais,queria que eu a comesse bem gostoso e fizesse de tudo com ela.. Mas isso já é uma outra história..

(escrito por Gabriel - narcisosanto@hotmail.com)

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

UM ANJO

Scorpion
tonixscorpion@gmail.com

10

Conheci Zélia quando fui para o Rio.eu era novo na cidade, estava casado ,tinha um filho pequeno e não tinha parentes na cidade. Nessa época a minha vida estava de cabeça prá baixo.Eu entrei numa crise financeira,era uma bola de neve.Minha mulher caiu adoentada,e os médicos não descobriam o que ela tinha. Zélia morava no apartamento ao lado e foi ela quem me ajudou muito.Ela e sua fiha Sandrinha. Zélia fazia a comida prá gente, eu trabalhava muito e Sandrinha cuidava da casa,do menino e ajudava minha mulher.
Sandrinha deveria ter uns 16 anos,era uma gordinha deliciosa,seu corpo era de mulher, seios fartos,coxas grossas,com carinha de menina, mas bunda de causar inveja a muita mulheres adultas . Esse era o seu retrato e como deu para ver, os homens ficavam indóceis quando ela, de saia azul e blusa branca que era o uniforme da escola, desfilava pela rua.

Em casa, minha mulher, sempre adoentada, cuidava da casa, com o auxílio de Sandrinha,pois eu estava sem possibilidade de custear uma empregada…Eu era muito grato a ela e me sentia culpado pelo tesão que sentia por ela.

Porém nunca demonstrei qualquer interesse por Sandrinha
,embora não me passasse indiferente, aquelas coxas enormes ou os seios bamboleantes em blusas propositalmente deixadas com botões fora das casas...

Um dia houve necessidade de internamento da minha mulher . Foi melhor para ela e eu me dividia entre o trabalho e nas visitas à ela . Zélia e Sandrinha, coitadas, procuravam me servir da melhor maneira  possível preparando o café da manhã e o almoço ou jantar .

Uma tarde, eu cheguei em casa e Sandrinha estava lá vendo televisão . Tinha ficado em casa para tomar conta do meu menino. O menino já estava dormindo, Zélia estava viajando e Sandrinha pediu prá ficar um pouco em casa,porque estava se sentindo sozinha. Claro que eu aceitei.

Me banhei, mal comi o que ela esquentou rapidamente e vim de bermuda também assistir TV com um copo de vinho…Ela quis beber também e eu deu outro copo à ela. Bebemos quase meia garrafa ...

Ela sentou-se num sofá e eu em outro, menor. Nessa noite Sandrinha estava com uma saia jeans curta, que ficava mais curtinha porque ela tinha coxas grossas, e uma blusa apertada,que revelava que ela estava sem sutiã …Eu estava meio bebado e não escondi os olhos gulosos em cima dela . Olhava para a TV e depois botava aquele olhar de pidão nas suas coxas e não fazia questão de esconder o tremendo volume que fazia entre minhas pernas na bermuda ,já que estava sem cuecas.

Começou naquele momento um filme que eu queria ver e sentei-me no mesmo sofá que ela . ..Ela sentou-se um pouco longe mas logo se estendeu no sofá e acabou por apoiar os pés sobre as minhas pernas e não deu outra. Seu  pé foi logo de encontro a meu pau super duro mas ela se manteve firme olhando para a TV, mas com a sola do pé encostando no  meu membro enorme pulsando de tesão por ela .

Comecei a acariciar seus pés gordinhos como um doce.Adoro pés,a pele era macia. não me contive e comecei a beijá-los,lambendo os dedinhos.  Minha mão logo subiu pela suas pernas,e depois de muitas caricias na xaninha ainda coberta pela calcinha, só então ela me beijou,me ofereceu sua lingua deliciosa e me deixou tirar sua blusa e chupar muito os seus seios, até os biquinhos ficarem durinhos.

Não demorou e eu já tinha a calcinha dela nas mãos e beijava e lambia com sofreguidão sua xoxota que se derramava em minha língua faminha . Ela se contorcia e me dizia que estava gostoso, prá não parar.  Quando me apossei do seu grelinho durinho, ela simplesmente foi tomada por um orgasmo devastador que fez seu corpo tremer em convulsões desenfreadas enquanto eu sentia sua xoxotinha despejar golfadas de líquido diretamente para a minha língua .

Ela me puxou para muitos beijos apaixonados e esfregou-se no  meu colo … Não demorou minutos e eu já sentia a bunda na dureza de meu cacetão e para me enlouquecer ela ficou rebolando ,se esfregando no meu pau duro,esfregando seu reguinho no pau,mas sem sentar-se nele, enquanto eu amassava seus seios enormes.  Ela me falou que estava com muito tesão mas  que na frente não podia por que era virgem e só queria se entregar prá quem amasse. Ela foi sincera em dizer que não me amava apenas estava com muito tesão.Eu entendi e comecei a alisar suas nádegas.

Eu estava realmente excitado e ali mesmo na sala a coloquei de bruços no sofá e beijei,lambi,chupei e mordi suas nádegas enormes, lambuzei o seu buraquinho com saliva e creme hidratante e pincelei a entradinha do seu cuzinho com a cabeçorra do meu pau, para depois tentar penetrar .

Ela me disse que doía muito, mas eu fui carinhoso e beijava sua nuca e ombros, dizendo palavras doces e ela foi se envolvendo.  Desta vez não houve muita dificuldade e mesmo doendo acabei por alojar minha pica no seu  rabinho  Fiquei bombeando por algum tempo, e eu depois   senti que ela estava gostando,pois começou  a  entrar naquele jogo gostoso, rebolando e empurrando a sua bunda para trás feito uma cadelinha no cio,

Enquanto eu a comia, dava tapas na sua bunda, ela levou a mão até a sua xoxotinha e me disse que sua buceta estava pingando de tesão, pegou o seu clitóris entre os dedos e tratou de maltrata-lo, massageando, beliscando,e apertando ele, até não agüentar mais e entrar num estado de gozo maravilhoso que fez ela gemer e me pedir para que enfiasse cada vez mais forte o caralho bem no fundo do seu buraquinho apertado.(ela falava desse jeito mesmo o que me dava cada vez mais tesão ) Seu cu começou dar fortes piscadelas, mastigando meu cacete.

Eu gemia e falava no seu ouvido que era ela gostosa,safada e que ia gozar. Gozei gostosamente.
Foi uma sensação deliciosa sentir todo aquele líquido quente inunando seu cuzinho que de tão farto transbordou indo molhar suas coxas .
Fiquei dentro dela até sentir o pau murchar
Passamos juntos toda aquela noite e Sandrinha gozou muitas vezes na minha língua e nos meus dedos.

Minha esposa ficou internada uma semana e nessa semana Sandrinha ficou viciada em me dar o cú,me chupar,e gozar na minha boca.Toda hora queria que eu comesse ela,e gozava que nem louca.

Depois dessa semana,minha esposa ficou curada,a minha vida financeira subitamente se acertou e Sandrinha e Zélia mudaram, sem deixar endereço.

Costumo pensar que elas foram anjos que entraram na minha vida prá me dar sorte e sempre penso nelas com carinho.
(escrito por GABRIEL- narcisosantos@hotmail.com)

sexta-feira, 6 de julho de 2012

A DELICIOSA VIVIANE

Autor : Gabriel
gabrielnarcisosantos@bol.com.br

100_2207

Fui visitar um amigo num prédio. Graças a minha cara de bonzinho, mesmo sem pedir muito, o porteiro deixou eu guardar o carro na garagem do prédio. Por desconhecimento, coloquei o carro num local mais escuro.
Logo depois, chegou um outro carro . Um casal desceu, se abraçaram,, tão agarrados que pareciam um só,
Um rapaz alto ,de cabelos curtos, bem vestido e uma moça de cabelos castanhos presos na nuca, alta e magra, com um vestido apertado ate a altura dos joelhos.
Meio sem jeito, mas curioso, fiquei olhando, ali, meio escondido. .
Estavam se beijando loucamente, ele apertava as nádegas dela, ela colocou a mão por dentro da camisa dele...
“assim não vamos conseguir nem chegar ao seu apartamento, ela disse. “
“Não vamos mesmo, Vi , eu quero vc agora...”
Ele beijou-a longamente, acariciando sua bunda. Ela colocou a mão por dentro das calças dele e puxou o seu membro, alisando-o, Estava mole ainda.
“eu falei pra vc não beber tanto...”
Ele abriu o vestido dela, vi um par de seios lindos, pequenos, mas bem feitinhos, de biquinhos delicados. O rapaz mordiscou-os, lambeu-os, chupou-os.
“ai, que gostoso ! – ela disse.. “
Enquanto isso, ela tinha o pau dele nas mãos e lhe masturbava no mesmo ritmo com que ele a chupava, lento ou rapidamente.
Ela contorcia-se toda, gemendo , de olhos fechados. Eu fui ficando excitado com a cena.
Sem parar de sugar seu seio, ele levantou o vestido dela e colocou a mão no meio de suas pernas, que, aliás, eram lindas. Beijou-a novamente. Ela não soltou o pau, que não levantava, sem parar de masturba-lo.
“você tem uma mão deliciosa – ele disse – porque fui beber tanto, caramba ? “
Ele voltou a sugar os seios dela e colocou a mão na sua buceta. Ela gemeu.
“to com tesão  - ela disse – me chupa, chupa minha buceta. “
E ela subiu no capô do carro , eu me aproximei  mais  pra ver melhor. Ela ficou com a buceta quase na cara dele. Ele separou as pernas dela, afastou a calcinha e alcançou com a língua sua xoxotinha..
“chupa, ta gostoso, chupa ...!  “-  Ele chupou o grelinho e introduziu um dedo nela  -  “estou molhadinha, estou em brasa, puta merda, que tesão, que delícia ! “
Eu já estava me masturbando com aquela mulher maravilhosa.. De repente, ele parou..
“não pára, amor, não pára agora ! me chupa ! – ela reclamou .”
Ele parou e fechando os olhos , caiu sentado , escorregando pelo carro ,  murmurando :
“to bêbado pra cacete ! “ e tombou, deitado
. Ela se debruçou sobre ele, vi os seios perfeitinhos, estavam com os biquinhos eriçados.
“Acorda, amor, oh, meu Deus, você desmaiou ? “– e dava palmadinhas no rosto dele.
Seguindo um impulso, me recompus e disse : “Você ta precisando de ajuda ? “– perguntei, um pouco alto. 
“Oh, Meu Deus ! –“ ela disse, me olhando assustada. Estava debruçada sobre o cara, os seios de fora. Percebeu. Puxou o vestido, fechou o zíper nas costas, sem me olhar, e só então explicou que seu namorado tinha bebido demais, que estava indo para o elevador e ele caiu , convencia-a a lhe deixar ajudar  para leva-lo até o apartamento dele.
Chamei o elevador, e com dificuldade, coloquei-o sentado e olhei para ela. Tinha um rostinho lindo, fino, lábios pequenos, bem maquiada.
Ombros curtos,com algumas sardas no colo. Adoro sardas no colo.
Chegamos ao apartamento, ela abriu a porta, preocupada com ele. Eu disse que ele iria ficar bem, só precisava descansar. Novamente, com dificuldade levei o cara até o quarto. Voltei para sala, ele estava ali, em pé. Me agradeceu.
Se apresentou : “Viviane “. Me ofereceu um drinque, começamos a conversar.
“Eu logo vi que ele ia desmaiar a qualquer momento “-  deixei escapar.. 
“Como ? você estava olhando tudo ? desde quando ? “
“Não tive culpa, eu estava chegando , vocês estavam bem no meio do caminho , o que você faria ?”
“Eu não ficaria olhando !” 
“Eu não consegui parar de olhar ,” eu respondi.
“Não sei se fico irritada com sua indiscrição , agradecida pela sua ajuda, ou envergonhada pela situação.”
“Nem uma coisa, nem outra, apenas aconteceu . E,como dizem, nada acontece por acaso...”
Depois de alguma conversa , ela sorriu, conversamos, bebemos, descobrimos afinidades . Viviane  era inteligente, um bom papo e muito sensual. E sensualidade transparece no olhar, no jeito, nos mínimos gestos, é algo que se sente, não apenas o que se vê. Porisso está alem da beleza física.
E eu sentia a sensualidade de Vi  nos olhos transparentes, no sorriso envolvente,na forma como me media, de cima a abaixo. Ela estava sentada em frente a mim e eu admirava suas lindas pernas e seu pezinho bem desenhado.. Falamos sobre tudo, trocamos olhares cúmplices e sorrisos.
Eu disse que ela deveria estar louca pelo Alberto para ficar esperando que ele despertasse. Ela sorriu e disse que sim.
“Se Alberto acordar e te ver aqui vai morrer de ciúmes, você é muito interessante, “ela disse,” é melhor você ir.”
“Cara de sorte, eu disse , eu posso ficar te fazendo companhia.podemos conversar, ver televisão, beber, jogar cartas, dançar, ficar olhando pra cara do Alberto “ eu disse, me aproximando mais. Ela me olhou fixamente. Quase encostei-me nela, senti seu perfume.
“E o que mais ? ,” perguntou ela, olhando para meus lábios.
Sem responder, beijei-a, a principio suavemente e aumentando a intensidade, até um beijo mais forte. Ela correspondeu com a mesma loucura, sugando minha língua, abraçando-me pelo pescoço.
“Pensei que você não fosse me beijar nunca ! Estava louca pra te agarrar ,já estava com tesão ,  estou molhadinha ,” ela disse, enquanto eu soltava seus cabelos, abria seu vestido, acariciava seus corpo, mordia e lambia seu pescoço, ombros e seios – “tive que tirar a calcinha, estava ensopada.” Ela murmurava.
Eu apertei-me mais contra ela. Ela abriu a minha camisa com um puxão, acariciou  lambeu e mordeu meu peito, abriu minha calça e pegou  meu pau duro. Ele palpitava em suas mãos macias.
“Não agüento mais ! , ela disse , me fode ! “
Praticamente pulou sobre mim, ergueu suas pernas até a altura da minha cintura, eu a segurei pelas nádegas, ela cruzou as pernas na minha cintura, se remexendo. Ergui seu vestido até acima da cintura, quase me desequilibrei.
“Enfia em mim “, ela gemeu no meu ouvido, agarrada em meu pescoço.
Encontrei a bucetinha dela e enfiei devagar, com ela se mexendo para os lados, rebolando, agarrada em mim. Fui penetrando, bombeando pra dentro dela. Estava me desequilibrando, coloquei-a sobre um móvel e empurrei de uma vez. A bucetinha lubrificada se abriu pra me receber todo. Ela se contorcia, gemia de prazer, as vezes interrompida por meus beijos e outras por mordidas nos próprios lábios. Eu entrava e saia dela violentamente, rapidamente. Ela se contraia, apertando meu pau se debateu e gozou, gemendo. Eu parei, sentindo suas contrações . Depois continuei com as estocadas dentro dela, fortes e rápidas.
Logo depois, ela agarrou minha cabeça, contorcendo-se, com os olhos fechados, a boca semi aberta, gritando no meu ouvido...: gozando, intensamente, gemendo, gritando, me apertando. Eu senti um formigamento pelo corpo todo, senti o gozo vindo até explodir dentro dela.
Continuei agarrado nela, pulsando involuntariamente dentro de sua buceta.
Eu estava cansado, com as pernas bambas e ela sentada no móvel, de pernas abertas, o vestido amassado até a cintura, olhando um ponto fixo...
“Putz, cara, nunca senti tanto tesão ! não sou assim, te juro...”
“Você é muita gostosa, desde que te vi com o Alberto que quis te comer..”
Alberto a chamou do quarto, tentamos nos recompor da melhor maneira possível. Impossível negar o que houve : todo o ambiente cheirava a sexo.
Com uma carinha inocente, depois de me dar o seu telefone,rapidamente, Vi  respondeu :  -“ já vou, amor ! “

sexta-feira, 22 de junho de 2012

A Doce Marisana

acompanhante para executivos serena 98439201 sao paulo sp brasil__4D1BBD_2

Por Gabriel
narcisosantos@hotmail.com

Naquela noite , eu estava meio down, sem vontade de sair, mas meu primo me convenceu a ir a um bar onde tinha música. Adoro música. Ele ia sair com uma garota e ela ia levar uma amiga.
Me deixei levar, na verdade .A garota do meu primo era uma menina muito bonita, tinha um lindo sorriso. A moça que a acompanhava era uma mulher loira, um pouco mais velha que ela, bonita também, de sorriso encabulado, olhos claros profundos, estava de blusa e jeans. Um jeans bem apertadinho que revelava coxas deliciosas, e uma bundinha apetitosa.  Uma blusa de tecido prateado adequadamente apertada para delimitar os contornos dos seios bem feitos.
Chamava-se Marisana, era uma mulher um pouco calada mas muito doce e simpática. Era casada, o marido estava viajando , os filhos estavam no interior , de férias, e como eu, foi quase obrigada a vir. Dizia ser uma pacata dona de casa, sem muito a dizer. Mas, aos poucos foi se soltando, ficamos conversando, bebendo , e empatia foi existindo entre nós, descobrimos muitas coisas em comum.                                                                                                                                    
Meu primo e sua namorada foram dançar e logo estavam se beijando, se esfregando. Voltaram para a mesa e não pararam de se beijar e se acariciar. Confesso que aquela situação me deixou constrangido mas muito excitado.
Convidei Marisana prá dançar, quase todos estavam dançando, ela aceitou mas disse que era só um pouquinho,  queria ir embora logo. Foi gostoso dançar com ela : depois de sentir seu corpo agitado, pulsante contra o meu numa dança de forró, onde nos tocamos, nos aproximamos, suas pernas esfregando-se nas minhas, minhas mãos escorregando por suas costas, tocou uma música calma.
Ela me sorriu lindamente, iluminada. Sussurou : “ adoro essa música “. Eu apertei seu corpo macio , suas mãos passeavam pela minha nuca, distraidamente. Nossos corpos se aproximaram naturalmente, como se fossem moldados um para o outro. Encostei o rosto em seus cabelos, sua face pousou em meu ombro, eu a apertei pela cintura, logo fiquei excitado.
Naturalmente,  nossas faces se tocaram, minhas pernas ficaram  quase no meio das pernas dela, minha excitação roçou sua virilha. Deslizei a mão pelas suas costas, pressionando, querendo sentir a pele através da blusa. Beijei seu rosto, um beijo suave e longo. Ela raspou a unha na minha nuca, me arrepiando. Olhei seus olhos longamente , e  mergulhei em seus lábios delicadamente , invadindo sua boca com uma língua quente e faminta. Ela chupou minha língua suavemente, puxando-a cada vez mais pra dentro de sua boca. Nos beijamos algumas vezes, nos apertando. Eu me senti zonzo de tesão .
A música parou, voltamos para a mesa, eu não soube o que dizer. Meu primo e a namorada estavam se beijando e se apalpando.  Sorrindo, ela pediu mais uma bebida, e foi ao banheiro com a namorada do meu primo.
Marisana voltou com um cara e nos apresentou como um colega de trabalho,
A música recomeçou e ele a convidou pra dançar. Eu esperava que ela recusasse, mas não, ela aceitou  sorridente. Meu primo e a namorada deixaram dinheiro pra pagar a conta e saíram . Prestei atenção em Marisana e no amigo dela, fiquei louco  de ciúmes. Eles se sorriam carinhosamente,
Quando ele a beijou , eu pedi a  conta , puto da vida. Quando estava saindo,  a música tinha acabado e passei por eles. Marisana me perguntou  onde eu estava indo, eu não respondi, perguntou se estava indo embora,  não respondi. Perguntou pela namorada do meu primo, eu não respondi e procurei a saída quase empurrando –a .
Chovia bastante. Fiquei  um tempo na porta do bar, me sentindo horrível .
Pensei em procurar um ponto de táxi.
Comecei a caminhar pela calçada, me escondendo da chuva  , quando vi que Marisana vinha rapidamente em minha direção. Me perguntou o que houve, começou a me questionar porque saí sem me despedir, porque estou indo embora. Digo que não sou palhaço. Ela me perguntou se não tinha o direito de dançar com um amigo. Digo que não daquele jeito, não depois do clima que tinha havido entre nós , não porque ele a tinha beijado .   
Começamos a discutir, ela parecia  zangada e decepcionada, me pediu pra ficar, eu respondi bruscamente que não, ela insistiu . Eu mandei  ela se ferrar, aí começamos a discutir, ela me chamou de mal educado, de grosso, sua voz se alterou.
Chovia bastante. Paramos numa viela escura, debaixo de uma marquise e ela começou a falar , a falar a xingar sem parar, eu a xinguei também, nos alteramos, ela me chamou de viado ,de bicha, várias vezes seguidas eu a xinguei de puta.
Seu olhar brilhava , ela estava  tremendo. Me pediu pra repetir, repeti, com o dedo em sua cara. Subitamente ela me deu um tapa no rosto, senti  o ardume, o sangue subiu .. Dei um tapa no seu rosto também, ela balançou, Avançou pra mim e me estapeou novamente. Tentei segurá –la,  ela me dava tapas, enlouquecida. Eu dei outro tapa nela, de repente fiquei  louco de tesão, meu pau endureceu.
Quando ela tentou bater de novo eu a empurrei para a parede, com a respiração alterada. E a beijei com tesão, chupando sua boca,, apertando-a , Chupei forte sua língua, chupei seu pescoço, levantei sua blusa e mordi seus seios por cima do soutien. Ela batia em minhas costas, eu arranquei seu soutien e chupei seus seios macios. Mordi seus mamilos , percebi que ficaram  durinhos. Ela começou a gemer, eu suguei seus seios por um bom tempo, ela puxou meus cabelos, se contorcendo.
Avancei sobre seu jeans e os puxei  pra baixo, juntamente com a calcinha. Me ajoelhei, coloquei uma perna dela no meu ombro e comecei a lamber sua bucetinha.. .Ela gemeu baixinho. Apertei sua bunda com força, enquanto chupava  sua xoxotinha . . Mordisquei  e suguei seu clitóris , enquanto ela se contorcia ao toque de minha boca tesuda. Me puxando pelos cabelos ela me levantou, e me beijou fortemente.
Primeiro Marisana me beijou enquanto tirava minha calça e me masturbava loucamente. Depois me deu um tapa na cara. .Bati na cara dela também , com um tapa estalado, Então ela me apertou pelo pescoço, gemeu no meu ouvido, levantou uma perna, eu a segurei pela coxa e enfiei o pau em sua buceta, de uma vez até quase a metade. De uma estocada só.
Ela gemia e requebrava  pra frente e pra trás, me sugando pra dentro dela, Eu movimentei os quadris rapidamente, balançando seu corpo ,enquanto ela pedia  “ mais forte, mais forte, “ Eu quase urrava, me empurrando pra dentro dela, sentindo sua xoxota apertar meu cacete. Ela procurava minha boca pra um beijo selvagem, me apertava pela nuca, pedindo mais força. Me chamou de tesão, de gostoso, pediu pra eu apertar sua bunda, eu enfiei um dedinho no cuzinho dela, ela foi à loucura, pediu pra ser castigada, pediu que eu  a fizesse gozar.
Eu a virei de costas , e louco de tesão dei tapas na sua bunda apetitosa. Ela pediu mais,
As palmadas ecoavam na noite vazia.
Ela se contorcia a cada tapa, pedia pra ser xingada,  aquilo me deixava alucinado de tesão. Perdi o controle, nem sei quantas vezes bati naquela bunda apetitosa. Quando dei por mim  ,já estava batendo nela com as duas mãos, alternando as nádegas. Ela apenas gemia devagarinho e sua bunda estava toda avermelhada.
Toquei-a. Estava quente e sensível., ela gemeu.Beijei e lambi suas nádegas com vergões avermelhados, abri sua bunda e lambi o anelzinho do seu cu,  coloquei o dedo e mexi..Enfiei o pau em sua buceta molhadinha  e. empurrei de uma vez pra dentro do cuzinho dela .,
Quando empurrei a cabecinha, ela começou a gozar. Continha um grito , apenas me pedia pra xinga´-la . Seu cuzinho apertava meu pau, ela se contraia e se contorcia, gozando intensamente. Gozou mais de uma vez, enquanto eu apertava seus seios e a masturbava ,gemendo no seu ouvido, lambendo e beijando sua nuca , mordendo seu ombro. 
Gemendo eu urrava, estocando com rapidez dentro dela. As bolas do saco batiam furiosamente na bunda dela... Ela abriu um pouco as pernas, e começou a mexer levemente os quadris.. Quando estava quase gozando, saí de dentro dela
“:Vou esporrar na sua cara, piranha ! “., eu disse . . Virei-a e obriguei-a se ajoelhar, esfregando o pau nos lábios dela...
”Vou foder sua boca, piranha “, repeti .  Enfiei em sua boca . O pau entrava e saia rapidamente e eu não demorei a sentir um estremecimento , o sangue bombando para o pênis e senti que ia gozar. Ela me punhetou  rapidamente e explodi, gemendo e urrando, em jatos longos e quentes na boca dela.. escorrendo um pouco para  rosto, o queixo. .Eu me contorcia, sendo drenado, jorrando.
Descobrimos coisas inesperadas em nós em algumas situações. Naquela hora e depois ,quando transamos num motel, descobri naquela noite muitas coisas sobre Marisana e principalmente sobre mim mesmo
.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

INOCENCIA OU SEDUÇÃO ?

gordinhagostosa1 Oi, meu nome é Gabriel , e adoro gordinhas. Quem já leu meus relatos sabe disso.
Daniela, uma gordinha deliciosa, era amiga da minha sobrinha. Como eu gosto : de seios grandes, coxas grossas, costas deliciosamente largas, um rosto de boneca.
Como eu estava carente - não tenho muita sorte com mulheres,estava sozinho naquele tempo - talvez tivesse imaginado que ela estava me seduzindo.
Vou descrever para vocês o que aconteceu e talvez vocês possam me ajudar a chegar a uma conclusão.
Um dia,eu estava em casa de minha irmã e ela chegou  em casa , prá sair com minha sobrinha. Minha sobrinha foi tomar   banho e ficamos batendo papo.
   Durante a conversa não resisti e meus  olhos , estavam sempre dando uma olhadinha discreta nos enormes seios dela.. Não que ela estivesse com um grande decote ou algo muito transparente, na verdade ela estava com uma camisa de seda, meio folgada,  mas  seus seios eram grandes e minha imaginação estava à mil .
Eu estava agachado e ela em pé, o meu rosto  estava na altura do peito dela , ela chegou bem pertinho, se aproximou , fingindo ser sem querer, prá pegar um cd numa estante  atrás de mim. Chegou a roçar os mamilos  bem proximos da minhas bochechas, dos olhos  Eu estava visivelmente excitado, meu pau duro fazia volume nas calças de tecido leve.
. E claro, para me provocar, eu imagino, ela colocou o cd que estava lendo na mesinha do centro,  e se abaixou
bem na minha direção, me deixando  dar mais
uma espiadinha.
Nesse dia se vestia de forma provocadora. Estava de mini saia jeans e como era gordinha, ao sentar-se a saia levantava revelando suas coxas grossas e fartas 
.Viamos  TV e ela pegou uma revista e foi se sentar numa poltrona que ficava ha uns 3 metros, num canto da sala. Estava bem na direção do meu olhar,e cruzava e descruzava as pernas 
Disfarçadamente abria as coxas pra que eu pudesse ver a sua calcinha . Em dado momento me virei pra comentar uma cena e meu olhar, como uma flecha, bateu em suas pernas e vi a calcinha. Fingi prestar atenção na TV mas, agora, me virava sempre pra comentar alguma coisa e fiz questão que ela visse meu olhar fixo nas suas coxas. Fingindo distração, ela  abria  as pernas e fingia ler a revista .Eu não tirava mais os olhos do seu corpo e meu cacete estava todo duro, fazendo um volume imenso nas minhas calças. Minha sobrinha estava demorando . Minha irmã estava na  cozinha  .Eu estava sozinho com Daniela e  isso me deixou ainda mais tesudo e  eu ficava, toda hora, tentando disfarçar aa ereção. Meu olhar penetrante não conseguia se afastar de suas coxas e ela, lentamente, foi abrindo as coxas pra que eu visse o tufo volumoso de sua coninha deliciosa coberta pela calcinha. . Aquela gordinha estava tirando o meu juízo. Era de propósito ou sem querer ? Ou eu estava imaginando coisas ?
Estava com certeza que ela também me queria.
Ou estava só brincando comigo ?
*
Minha sobrinha pediu prá eu buscar seu namorado no aeroporto e leva-lo ao hotel. Daniela foi convidada para ir junto e aceitou.
O namorado da minha sobrinha era muito simpático, acompanhamos ele ao hotel e ele nos ofereceu alguns drinques no bar do hotel.
De todos nós, quem mais bebeu foi Daniela, tomou uns três copos de vinho.
Minha sobrinha decidiu ficar com seu namorado no hotel e  sem jeito, me pediu para levar Daniela em casa.
Percebi que Daniela não gostou muito, cochicou um pouco com minha sobrinha, parecia contrariada ..
Me deu o seu endereço, falando baixinho, com os olhos baixos e cobriu as pernonas deliciosas com uma blusa.
De repente , ela se deu conta que não estavamos indo para a casa dela. Meio zangada. me perguntou para onde eu a levava.
Eu lhe disse que ia passar no meu apartamento  prá pegar uma blusa e depois a levaria em casa.Chegamos no meu apartamento e eu lhe ofereci um copo de vinho, enquanto ela esperava eu pegar a blusa. Tive que insistir para ela aceitar .
Ficou na sala sentada, com as pernas bem juntas, cobriu-as com a blusa, parecendo envergonhada e sem jeito.
Voltei com uma blusa, peguei uma bebida pra mim e outra prá ela. Ela não queria aceitar, mas aceitou..
- Vamos embora, então ? ela perguntou.
- Calma, não tenha pressa. , eu respondi , quero te fazer uma pergunta.
- Pode fazer, - ela disse.
- Você estava me seduzindo ? lá, na casa da minha irmã ?
- Como assim ? Não sei
- Você deixou os botões da blusa abertos, prá eu ver seus seios, vc abriu as pernas e me mostrou a calcinha. Você quer me deixar louco ?
- Nao fiz nada disso, deve ter sido sem querer.
- Você sabe que é gostosa, não devia fazer isso. Me deixou louco de tesão - eu disse, com a boca grudada no ouvido dela. - Você viu como eu fiquei de pau duro ?
E comecei a dizer o quanto ela era bonita e sensual. Ela me dizia que precisava ir embora, pois seus pais ficariam preocupados.- Não vou deixar você sair daqui antes de me dar um beijo, eu disse.
- Por favor, não, ela respondeu e começou a pedir delicadamente que eu parasse com aquela conversa.
Sua proximidade, me deixou de pau duro . Peguei no rosto dela ,e tentei beijá-la, ela continuou a protestar. Disse que ia gritar se eu não parasse.
- Então grita, eu disse, abri um botão da blusa dela e beijei levemente seu colo . Aos poucos , fui abrindo a blusa dela, beijando cada pedaço que se desnudava .Ela sempre me pedindo para parar,dizendo que eu estava me aproveitando porque ela estava meio tonta. 
Eu disse a ela que só queria ver os seus seios,disse que ela nem precisaria tirar o soutien .Depois a levaria embora.
- Promete ? ela perguntou .
- Prometo, eu disse.
Ela então deixou que eu tirasse a sua blusa. Ficou apenas com a saia jeans e meu olhar se maravilhou com aqueles seios volumosos mal cobertos pelo soutien,  balançarem na minha frente .
Eu estava pegando fogo de tesão.
Peguei outra bebida prá ela..Ela tentou recusar, dizendo que já estava  tonta.. Eu disse a ela que se ela bebesse,eu a levaria embora. Ela pegou a taça. e bebeu devagar.
Eu puxei a blusa que cobria suas pernas grossas e abri seu soutien,
- Não, ela disse.
- Eu só quero ver seus seios, suas coxas, só ver, eu disse, só ver...depois te levo embora....prometo, prometo - Eu disse,com voz rouca e descontrolada,  e tirei o soutien..
Eka tinha grandes seios, de bicos enormes e aureolas morenas..ficaram balançando, me olhando...

- Você é muito gostosa, eu disse, com a boca colada no ouvido dela - você me deixa louco. Enfiei a lingua no ouvido dela, mordi sua orelha , comecei a chupar e lamber seu pescoço... desci a língua pelo seu colo e lambi seus mamilos depois seus seios e chupava como se quisesse sugar todo o seu corpo por ali.   Apertava um dos seios com uma mão e rodava seu mamilo de leve, enquanto chupava um e depois trocava. Deixei o seu peito todo molhado da minha baba. Ela protestava ainda e tentava afastar meu rosto .Mas eu estava tarado por ela. e naõ atendi ao seu apelo. Continuei meu banho de língua ,recostando-a no sofá e fui descendo até ao seu umbigo onde me demorei mais um pouco batendo com a minha língua no seu buraquinho e dando pequenas mordidas na sua barriga , enquanto apalpava as pernas grossas. Levantei sua saia e com calma fui rodeando com a lingua as partes internas das suas coxas, sem tirar sua calcinha,  Sempre lambendo e chupando. Ela começou a gemer involuntárimente.
Subi os lábios até seu pescoço e fiquei a poucos centímetros da sua cara. Ela não dizia nada, mas seus gemidos e sua boca diziam bem o que queriam.
- Você é muito gostosa,mulheres gostosas como você não deveriam tentar seduzir como vc fez comigo..
Não aguentei mais e sabia que tinha de possui-la. Agora não tinha volta. Eu estava como louco. Fui lambendo seu pescoço e beijei-a pela primeira vez bem fundo, bem forte.Minha língua invadiu a sua boca me enrolando  com a sua .
Continuei beijando-a e abri minha calça, tirando meu pau prá fora. Então ela levanta os olhos para mim e repara que estou com meu pau a descoberto. Ereto e pujante. Ela afoga um gritinho  . Mas não descola os olhos do meu pau. Como se receasse que fosse uma cobra que estivesse a dar o bote.Uma cobra que a tivesse hipnotizado.
Tirei a sua saia, ela levantou um pouco o tronco para que eu pudesse puxar a saia . Beijei-a de novo, longamente, e desci a lingua para as coxas enormes, mordi suas coxas ,lambi ,chupei e sem resistência, tirei sua calcinha. Então eu enfiei a cara no meio das suas pernas,.e enfiei minha língua naquela xaninha volumosa. Que delícia!  Eu lambia e chupava com muita vontade e ela foi-se entregando completamente a minha boca.
Ela já estava completamente minha. Se contorcia toda. Rebolando na minha boca.
Eu chupei ela com muita vontade e sem pressa. Devorei seu grelinho até que ela gemeu longamente e gozou tão fortemente, que teve  que se apoiar na minha cabeça que ainda estava encaixada no meio das suas pernas.
Eu estava como louco. Fui subindo e beijei-a de novo . Com o gosto do seu próprio gozo. Ao mesmo tempo fui posicionando minha rola  na sua entradinha  Ela balbuciou umas palavras incoerentes ,que eu nem ouvi , eu estava tonto de tesão , que nem um animal. Mal senti que estava na entradinha forcei um pouco a entrada e quando senti aquela sensação de entrada da cabeçona eu mandei tudo para dentro. Com calma ,mas com força . Ela gemia , se contorcendo debaixo de mim,  Era um misto de dor/prazer que me  deixou louco. Ela se agarrou bem forte a mim e suas pernas me rodearam a cintura se abrindo toda. Eu mal a senti toda aberta à minha entrada, comecei a socar bem fundo. Devagar e forte no início. Ela gemia e estremecia a cada investida.
- Delicia, eu disse.. admite que vc me provocou, admite que queria isso desde o ínicio. não é ?
*- Não fala nada, ela disse, cala a boca, só me come. Transa comigo,bem gostoso.

Eu continuava cada vez mais forte bombando nela, aumentando sempre a velocidade. Ela rangia os dentes, mas aguentava . Eu adorava ver aquele monumento de carnes, balançando, aquele mulherão, gemendo,  sendo arregaçada daquele modo, como se fosse uma mulher frágil .
- Putinha eu dizia. Safada, Vadia !
-  Isso, .. me chama de puta. Sou sua putinha . Massacra minha xaninha. Me trata como uma puta. Quero tudo dentro de mim. Soca com força, mais forte..
Eu continuava , cada vez mais forte. Bombando aumentando a velocidade. A cada investida, ela deixava escapar um gemido e suas pernas iam-se abrindo aos poucos ainda mais. * Come, me come, que tesão... ela disse.; Me fode ! Me estupra ! ! Estupra a sua boceta que está ardendo prá  ser comida
*Eu não me fiz de rogado, peguei nos seus cabelos por trás e mandei ela ficar de quatro na minha frente. Ela rebolou a sua bundona  na minha frente e olhava de ladinho para o que eu ia fazer. Levantou o rabo o mais que pôde para eu poder chegar com facilidade na sua entradinha. E eu não escusei. Coloquei a cabecinha e quando senti que estava lá, eu peguei nos dois lados das ancas largas e mandei uns tapas violentos que marcaram sua bunda , seguido de  uma estocada violenta nela. Ela estremeceu nas minhas mãos e mandou um urro de prazer. Desta vez não foi de dor, não. Fui bombando nela, assim de quatro e ela rebolava-se toda na minha frente.
*Mas eu tinha outras intenções. Então eu deixei meu pau ficar bem melado enquanto ia colocando um dedo no seu buraquinho do cuzinho. Era bem pequenininho e apertado. Isso me deixava ainda mais excitado. Ela dava pequenos gemidos, arrepiada com aquilo. Então consegui colocar dois dedos. E ela foi rebolando mais , gemendo mais alto .
Não esperei mais e numa das investidas deixei meu pau de fora e apontei no buraquinho. Ela sentiu a pontona do meu cacete no traseiro e tentou se baixar, mas eu já prevendo isso tinha-a seguro pela cintura e mantinha lá, sempre forçando aos poucos. Ela disse não, aí não, ela disse . mas eu nem ligava.*
*- Vou comer seu cuzinho, minha vadia ..
*Quando estava já um pouco mais de metade, eu segurei bem firme as suas nádegas bem abertas e entrei com tudo. Senti as suas carnes se moldarem de forma brusca à minha passagem e ia sentindo aqueles impulsos e convulsões dos músculos das suas entranhas a se habituarem ao meu tamanho.*
*Ela estava com a cara enfiada nas cobertas e percebi que começava a se masturbar com rapidez . Eu esperei mais um pouco até seu cuzinho se habituar ao meu cacete e aos poucos comecei a bombear. Não demorou muito para estar num frenesim intenso sacudindo o corpanzil dela  na minha frente. Então eu agarrei ela pelos cabelos e bati na sua bunda, enquanto ela se  masturbava  no grelinho. Sua bundona batia no meu saco, ela vinha cada vez mais prá trás, pedindo mais e mais  enquanto colocava dois dedos dentro da sua grutinha e foi massageando bem gostoso. Depois larguei seus cabelos e quando senti que estava quase  explodindo em prazer na sua bunda, fiquei deitado nas suas costas , mas agarrei seu pescoço, apertando um pouco ao mesmo tempo que segurava o  gozo. Ela ficou vermelha com um pouco de falta de ar, sentindo meu membro pulsando dentro dela  enquanto ela crispava a mão  dentro da sua boceta encharcada.*
Ela se masturbava tão loucamente qeu não aguentou e gozou que nem doida, se contorcendo e umedecendo as suas pernas.
-Eu vou gozar, eu urrei..
- Não, ela disse, goza na minha boca.. goza...
Então ela pegou minha rola  com as duas mãos e lambeu, me provocando um frisson .olhando bem fundo nos meus olhos .Depois foi tentando engolir o cacete ....mas ficou difícil, porque ela tinha a boca pequenina e meu pau é relativamente grande. Não em tamanho, porque tem uns 18cm, mas em grossura que terá cerca de 6 centímetros de diâmetro. Então foi lambendo a pontona e o resto do mastro brilhando de tão duro . Dava pequenas mordidas e punhetava ao mesmo tempo. Depois chegava no saco e botava as bolas na boca, chupando.  Eu estava em ponto de ebulição com tudo aquilo.Não estava conseguindo mais segurar o gozo.
*Então eu segurei ela bem na frente do meu pau e enfiei a ponta  na sua boca, indo e vindo devagar, fodendo sua boca . Ela gemia, eu xingava ela . Não aguentei muito mais e descambei numa enorme explosão de porra bem na boca dela. Ela ficou engasgada com tudo aquilo e ameaçou golfar, mas conseguiu se controlar e foi toda melada na cara com a minha porra. Ficou toda lambuzada. Não contente com isso eu ainda esfreguei o caralho na cara dela, limpando os restos de sêmen que tinha ficado.*
*Meu cacete foi ficando mole e ela segurou nele, carinhosamente . Ela se encolheu toda e me pediu que a abraçasse. Então ficamos um bom tempo ali deitados nos beijando .
Eu perguntei novamente a ela , se havia me provocado ou se foi sem querer que ela me provocou
Ela sorriu e não respondeu.
O que vocês acham ? Ela me provocou, me seduziu ou foi involuntário da parte dela a sedução ?

Gabriel
narcisosantos@hotmail.com

sexta-feira, 25 de maio de 2012

UM DOCE DE GORDINHA E OUTROS

-

UM DOCE DE GORDINHA ...
Autor : Gabriel
narcisosantos@hotmail.com

gordinha gostosa atendo no centro santa cecilia hotel e motel me ligue sao paulo sp brasil__78B132_1

Eu estava no shopping, quando a vi, numa loja de calçados. Primeiro vi só o pezinho, um lindo pé bem feito, de unhas pintadas de rosa, contrastando com a pele bronzeada. Um pezinho gordinho, de dedos pequenos e fofinhos, o peito do pé gordinho, dedos pequenos. Como um doce.Experimentou uma sandália branca de tiras, de salto. Desfilou pela loja, pra ver como ficava. Reparei nas pernas bem feitas, o andar cadenciado, estava com um vestido claro até os joelhos. Sentou-se, a saia subiu, tinhas lindas coxas grossas. Os seios eram fartos, era um moça gorda, de rosto lindo, bem redondo, cabelos louros, olhos claros, lábios carnudos. Sensual. Não consegui tirar os olhos de cima dela. Saiu da loja e eu segui-a , admirando seu andar, sua bunda grande, farta, o andar ritmado, as ancas balançavam de um lado para o outro.
Segui-a por todo o shopping. Na praça de alimentação ele tomou um sorvete de massa, de vagar, se deliciando, lambendo lentamente a colherinha, passando a língua nos lábios, todo o seu corpo parecia sentir prazer ao provar aquele sorvete. Nunca tinha visto alguém comer um sorvete tão sensualmente. Mergulhava a colherinha no pote e chupava lentamente., Eu já estava tarado por ela. Um rapaz chegou, beijou-a, saíram de mãos dadas, eu os segui..
Segui o carro deles. Pararam na porta de um prédio bonito no centro da cidade. Entraram.
Nos dias seguintes, eu chegava mais tarde no serviço porque ficava em frente ao prédio para vê-la . Paixão ? Fetiche ? Tara ? não importa, o importante era o prazer que isso me dava.
No fim de semana,ela foi ao clube. Não consegui entrar. Por cima de um muro, tive uma visão deliciosa, do pezinho desnudo, bem feito, pude ver as coxas grossas, fartas, deliciosas, os enormes seios que mal cabiam no biquíni. Aquela visão me excitou muito. Me masturbei muito, naquela noite  mesmo,me imaginando esporrando entre aqueles seios.
À noite, ela desceu para a calçada. Estava linda, deslumbrante: uma maquiagem leve, um conjunto branco de saia e blusa, usava uma blusa com decote V , fechada na frente com botões, que ia até abaixo dos quadris e uma saia pelo joelho. Estava com a sandália que eu havia gostado. Ficou um tempo ali, parecia estar esperando alguém. Impaciente, sempre olhava o relógio.
Atendeu o celular . Conversou um pouco, tinha uma cara zangada. Desligou o celular e veio rapidamente em minha direção. Antes que eu pudesse pensar em algo , ela estava falando comigo. “Oi, ela disse, meu nome é Roberta , e o seu ? “ Gabriel,” gaguejei ..
“ O que você quer de mim ? porque fica me seguindo ? “, ela disse. Eu gaguejei, ela continuou : “ desde a semana passada, você me seguiu no shopping, no clube, fica me olhando”
“ não quero te fazer mal , eu disse, só te segui porque te achei bonita . Desculpe, não te incomodo mais. “ Liguei o carro, antes que pudesse sair ,ela entrou no carro, “ espera, não terminamos o nosso papo ainda “ disse.  Não pude despregar os olhos das coxas fartas, bronzeadas, sua proximidade,a voz rouca e doce,seu perfume, me deixavam tarado, mas fiquei tímido. “já disse que não vou te chatear mais “eu disse.  Ela olhou bem nos meus olhos :
“ eu não te falei ainda que gostei de ser admirada, me fez sentir bem. Gostou de mim de verdade ? “ ela perguntou.  “me senti atraído por você, não sei explicar “ . “atraído, ela perguntou , atraído como ? quer dizer, com tesão ? “ Seus olhos brilhavam, eu estava visivelmente excitado,
Ela não esperou que eu respondesse, segurou meu rosto e me beijou , um beijo longo e molhado, quase arrancando minha língua. “fiquei molhadinha ao notar como me observava, como me seguia ,”. Desse beijo vieram outros, todos loucos, selvagens, nossos lábios se engoliam, barulhentos.
Levou-me ao apartamento dela.,eu abri sua blusa, quase rasgando, acariciando seus seios por cima do soutien. Eram enormes cones leitosos, macios e fartos. Levantei  seu vestido,me esfregando em suas coxas, apertando sua bunda. Tirei sua blusa, beijei seu rosto, pescoço, colo.tirei o soutien, e os enormes seios saltaram, imponentes, de bicos grandes. Quase enlouqueci. Fiquei tarado, lambi, chupei, suguei até os bicos ficarem duros. Ela gemia, gemia, apertando minha cabeça. Quando mordi os biquinhos dos seus seios, ela gozou, subitamente, gemendo alto, se contorcendo.  “ Que tesão voce me deu ,ela disse, não pude me controlar”.
Nos beijamos novamente , muitas vezes, enquanto ela tirava a minha camisa, acariciando meu peito, beijando meu pescoço, peito, mamilo, minha barriga. Abriu minhas calças, mordiscou o cacete por cima da cueca, chupou-o, me olhou , os olhos dela faiscavam . “quero você, Gabriel, “ Me despiu, admirando meu pau firme, grande, de veias grossas, Alisou-o, passou o caralho duro no seu colo macio, nos seios enormes e macios, prendeu-o no meio deles, apertando-o. Senti o calor gostoso dos seios dela no meu pau..”você me deixa louco de tesão, eu disse, “todo arrepiado. Ela esfregou o pau no rosto, no queixo, beijou, lambeu, eu urrava de tesão . Abriu os lábios para recebe-lo, primeiro a cabecinha e o abocanhou todo. Eu estava louco, sua boca pressionava meu pau, iniciei um movimento de vai e vem frenético fodendo sua boca. Ela chupava meu pau como um pirulito. Eu empurrava, chegando quase na sua garganta. Ela mexia com a cabeça, lambia o pau gostosamente, me olhando. Meu corpo estremeceu e sem avisar, gozei, com um tranco !  “Ahahahah “ foi delicioso. Cada jato de esporra me fazia estremecer.. a porra escorria pelos lábios dela e ela não parou de chupar..
Estávamos doidos de tesão ainda, e só então eu terminei de despi-la, elogiando  suas formas fartas, ela tinha uma buceta peluda e gordinha de clitóris grande..        
Fomos para o chuveiro, a água estava morna, deliciosa. Mais deliciosos foram os beijos debaixo do chuveiro, eu ensaboei minha gordinha, sentindo cada pedacinho de sua pele apetitosa, ela quase gozou, gemendo levemente.Depois foi a vez dela ensaboar todo o meu corpo, massageando lenta e delicadamente meu pau. Eu quase morri de prazer..
Encontrei um perfume com cheiro de jasmim e espalhei por todo o corpo de Renata, espalhei e cheirei todo o seu corpo, até chegar aos seus pés...Espalhei lentamente pelo pezinho de dedos gordinhos, massageando delicadamente todo o seu pé. Cheirei, colocando o pezinho bem junto do meu rosto. Parecia um sonho, eu tinha nas mãos aquele pezinho gordinho como um doce, tão desejado. Cheirei, beijei, lambi, mordi, De olhos fechados eu a ouvia gemer, se masturbando . Coloquei a língua entre os dedinhos, saboreando meu doce. Ela gemia alto, sentindo meus carinhos. Fiz o mesmo com o outro pé, passei o pé pelo meu rosto, meu peito a virilha, pincelei o cacete nos seus pés, abrindo bem os dedos, colocando a cabecinha entre eles. Ela gemia sem parar, se tocando mais rápido. Esfreguei o pau no pé gordinho, sentindo a maciez da carne farta .
Embriagado , elogiei-a, dizendo que ela estava me deixando louco. Com o pé bem junto ao meu rosto, chupei cada dedinho, ruidosamente, suguei , era gostoso, ela se contorcia comigo agarrado aos seus pés, chupando seus dedinhos.
Ela disse que não agüentava mais, estava surtando, queria que eu fodesse ela. “ me fode, ela disse, não agüento mais, to encharcada ! “. Ela abriu bem as pernas e eu fui por cima dela, sentindo a fartura dos seus seios no meu peito, colando meus lábios aos dela, Quase naturalmente, a penetrei, ela gemeu. Empurrei-me para dentro dela, com força, com muita fome e loucura, bombando com rapidez. Ela movia os quadris, gemia, eu parei, só sentindo ela se movendo. Tirei até quase a cabecinha e com um golpe, fui fundo, bem forte. Minha gordinha gemeu alto, me xingou, tesuda. Comecei a golpear praticamente pulando ,querendo entrar todo dentro dela. Os músculos da xana se contraíram, apertaram meu cacete, ela gemia, gemia. Procurei a boca de Roberta para um beijo e gozei...” ahhhhh, eu to gozando !! “  ao sentir o jato quente da porra dentro dela, ela se contorceu, se esticou e gozou intensamente.
Nos beijamos longamente, e depois eu comentei a ela sobre o perfume de jasmim. Ela disse que era aprendiz de bruxa, que sua mestra usava esse perfume e que havia aprendido a não esconder os sentimentos e desejos. Me disse que eu deveria ter dito logo que queria transar com ela e não ficar apenas seguindo-a.  .
“Quanto tempo perdemos, ela disse, sorrindo.. “.
Pra quem quiser comentar sobre o meu doce de gordinha, deixo o meu email : narcisosantos@hotmail.com

debora acompanhante fofinha de curitiba curitiba pr brasil__6DF281_4 COMENDO DOCE DE MADRUGADA

Autor : Gabriel
narcisosantos@hotmail.com

Vou falar de novo da minha deliciosa gordinha. Tínhamos pouco tempo para nós. Renata estava noiva e amava muito o seu noivo. Nós nos encontrávamos, geralmente à tarde, e em algumas ocasiões à noite e nos fins de semana quando seu noivo viajava. Num desses dias ela fez questão que eu fosse À sua casa e passasse a noite com ela.
Renata me ligou, chorando, era normalmente alegre, de bom astral. Nesse dia   estava cheia de problemas, no trabalho, na família e ainda o  noivo tinha brigado com ela.
Eu tenho que confessar que a amava , podia perder um tempo enorme só ouvindo-a, era mais que sexo. Fui até o seu apartamento;
Enquanto ela  desabafava, Clarice, uma ex namorada minha , agora uma amiga muito querida, ligou no meu celular. Pensei em não atender, acabei atendendo, conversei com ela um pouco. Quando desliguei, Renata  começou a discutir comigo, não parava de falar, nos ofendemos mutuamente, até que ela me deu um tapa no rosto e entrou no quarto, fechando a porta me mandando embora . 
Mecanicamente, saí, me sentindo raivoso e humilhado. Ainda com raiva e me odiando por não ter reagido, andei pela cidade, bebi um pouco .
Não resisti e voltei de madrugada prá casa de Renata. Entrei na ponta dos pés, entrei no quarto,
Minha gordinha estava dormindo de barriga pra baixo. Admirei sua enorme e linda bunda, suas costas lisas e bonitas, os cabelos sobre o rosto. Alisei, acariciando suas costas, contornei com a mão ; as costas, bunda, pernas. Fiquei ali, alisando, olhando, acariciando, me excitei. Beijei suas costas, lambi, ela sentiu, beijei a bunda, mordisquei suas nádegas. Ela ficou semi acordada, murmurou alguma coisa. Alisei sua bunda, excitado. Branca, enorme, macia, gostosa. Dei um tapa. Ela despertou : - “o que você está fazendo ? “. Dei outro, com um estalo, o corpo balançou. Bati de novo e de novo, leves tapas. Com tesão, com raiva,  bati mais.
Ela estava totalmente desperta agora, dizia : - “não, pára com isso ! “ . Não liguei, bati de novo, agora mais forte. Meus dedos deixavam marcas avermelhadas na sua bunda. Eu batia forte e rápido. Slapt ! Slapt ! Slapt ! .. Logo ela estava arrebitando a bunda, rebolando lentamente. Bati mais forte, a bunda ficava vermelha e eu batendo mais forte, castigando.
Ela gemia, se arrebitava, rebolava, começou a se masturbar.
“ me xinga !, ela disse “ . – “sua puta, piranha ! “ eu xingava e batia. Slapt ! Slapt ! . – “mais forte, seu corno ! “ela disse. Bati mais forte, mais rápido. – “me espanca !, ela gemia, me xinga ! “. Eu xingava alto, louco de tesão de ver aquela mulher farta se contorcendo ao contado de minhas mãos. Xinguei ela de piranha, de vagabunda : - “você é uma puta, você dá pra todo mundo “ . – “dou mesmo, gosto de dar, sou uma puta mesmo, “
eu batia com raiva, sua bunda estava cheia de vergões avermelhados. ‘- “dou prá dois, pra três de uma vez só, adoro que esporrem na minha cara, sou uma cadela ! “ Eu batia com raiva, xingando ela. Ela gemia, se masturbando rápido, rebolando. – “você gosta de dar o cu, sua puta ? “ – “adoro, adoro, adoro um pau me rasgando toda ! “Eu batia com raiva, minha mão já estava doendo. Ela se tocava rapidamente, - “quero ser arrombada, arreganhada, quero fuder ! , me fode ! “ ela gritou.
Louco de tesão, lambi sua bunda quente, febril e inchada, abri o cuzinho dela e enfiei a língua. Ela gemeu alto , se contorceu. Abri o cuzinho dela, cuspi nele ela gritou de tesão, arrebitou a bunda. Puxei-a pela cintura e empurrei o cacete pra dentro dela, com um tranco. Gritei : - “vou te arrombar, piranha ! “. “mete,, mete esse pau tesudo em mim, acaba comigo ! “
Entrou a cabecinha, o cuzinho era apertado, esmagava meu pau, tirei, lubrifiquei ele, o cuzinho dela, e empurrei de uma vez, de uma estocada só. Ela balançou, gemeu, gritou.
O pau deslizou pra dentro dela, o cuzinho cedeu, apertou meu pau, a puxei pela cintura e enterrei de uma vez até o fim, com estocadas rápidas e firmes. – “toma , piranha, toma no cu ! “ – ‘Ai que delicia, me come ! “ Ela rebolava, eu movia os quadris pra frente, pra trás, pros lados. Ela se masturbava mais rápido. Eu bombava rápido, gemendo, suando, enlouquecido. O cuzinho contraindo meu pau, apertando-o  como um alicate.  – “vou gozar, gritei “ . – ‘Goza, seu filho da puta, goza na minha cara, enche sua puta de porra ! “
Virei-a de barriga pra cima, ela se masturbava. Encostei o pau nos seios dela, me masturbando também. – “posso gozar, meu macho ? “ela pediu.  – “goza comigo, safada !” Ela se tocou mais rápido e eu também e explodimos juntos num gozo delicioso e intenso. Ela contraiu a buceta e o gozo jorrou, como uma fonte. Ela gritou, eu inundei a barriga dela, os seios, o colo de porra.
Nos esfregamos, nos abraçamos, nos beijamos, cansados .Ficamos assim, sentindo um o coração do outro, nos acariciando.
Minha aprendiz de bruxa estava mais e mais me enfeitiçando....

MINHA GORDINHA DANDO PRÁ OUTRO NA MINHA FRENTE.. 

foto12

Era uma linda manhã de sol . Tinha sonhado com Renata ,acordei de pau duro. Liguei para ela ,contei o sonho, disse o que gostaria de estar fazendo com ela naquele momento, disse um monte de sacanagem pra ela. Fantasiamos, até ela me confessar que tinha ficado excitada.
Liguei de novo na hora do almoço, morrendo de tesão, no escritório em que ela trabalha.ela me disse que eu a estava torturando, falou mais sacanagem, minha gordinha é safada, tarada e gostosa... eu disse que queria ver uma mulher chupando ela enquanto eu a comia, disse que queria vê-la gozando muito, ela me jurou que estava molhadinha..
À tarde, ela me ligou, dizendo que gostaria de estar comigo, de lingerie , salto alto, dançando, se exibindo, que estava louca pra ser possuída por dois caralhos, o meu e de um desconhecido, bem tesudo e safado, que estava se sentindo como uma vadia, que estava sem calcinha, que queria dar pra todos os caras que estavam ali com ela no serviço, de uma vez, estava louca de tesão, me deixou louco de tesão e de ciúmes.
Assim foi o nosso dia, naquela sexta.
Á noite, fomos dançar..nos excitamos mais ainda, nos sentindo, nos esfregando.. rimos , conversamos, ela disse não estar agüentando mais , e eu também
Disse o quanto ela era gostosa, e que todos ali estavam de pau duro por causa dela, pelos seus seios fartos e divinos,,sua bunda grande .
Quando voltamos para a mesa, um cara alto e forte a convidou para dançar. Dançaram um samba, e no samba minha gordinha deixa qualquer um louco.
Morri de ciúmes, dançaram um forró e o rapaz não a largou mais...Dançaram, sorriram, minha gordinha estava com os olhos brilhando, com uma cara de tesão. Ela voltou a dançar comigo , disse que estava com tanto tesão que queria ser comida por dois, três, quantos quisessem.
Disse que Carlos, era esse o nome do rapaz, a tinha enlouquecido, que ele ficou de pau duro e ficava se esfregando nela, mordendo sua orelha, ela disse que estava quase gozando, Queria que nos a fodessemos, me implorou.
Eu aceitei, eu era louco por Renata, queria vê-la sentir prazer. Disse o mesmo pra Carlos, só daria pra ele se eu fosse junto. Ele veio para a nossa mesa, ela ficou pegando no pau dele e no meu. Carlos era bonito e agradável, um bom papo. Renata nos disse que sua buceta parecia uma peneira, queria trepar logo. Fomos para um motel. Ao chegarmos, louca, Renata logo se ajoelhou e tomou nossos paus e começou a chupa-los, alternadamente. Enquanto chupava um, esfregava o outro no rosto, chupando com prazer. O meu pau tem 20 cm, e o de Carlos era maior, talvez uns 23 ou 25 cm, Renata levantou-se, erguendo o vestido, se esfregando em Carlos, mantendo o pau dele no meio de suas coxas, o abraçou, rebolando e gemendo. Beijaram-se loucamente. Eu a encoxei, abri seu vestido, beijando suas costas, nuca, descendo o vestido, lambendo cada pedaço do seu corpo. Ela despiu Carlos, beijando seu peito, mordendo os mamilos dele, o fez deitar e chupou sofregamente seu pau, ficando de quatro , sem parar de rebolar ligeiramente. Abri suas nádegas, lambi seu cuzinho e chupei sua bucetinha e seu cuzinho com ela de quatro, estremecendo. Ela estava totalmente molhada, Carlos urrava de prazer. Ela parou de chupa-lo e se atirou sobre mim, mordendo meu peito, meu queixo, minha barriga e me chupou loucamente, faminta. Foi a vez dele chupa-la. Ela me chupava e gemia, engolindo meu cacete todo para dentro de sua boca. Carlos meteu na sua bucetinha , por trás, enquanto ela me chupava. Ao sentir o pau dele, ela gritou : “ que delícia, amor, que delícia !!! “ voltou a me chupar e a me masturbar, enquanto ele comia sua bucetinha. Carlos a puxou de cima de mim, virou-a para ele, empurrou-a para a cama e enterrou –se todo nela, enquanto eu a beijava e chupava seus seios.. Gemendo como uma cadela, ela gozou logo, se balançando toda. Ele não parou de come-la enquanto ela gozava, isso a levou ao delírio. Ele saiu de dentro dela e me mandou comer a sua buceta, eu comecei um vai e vem frenético barulhento, naquele lamaçal que era a sua xoxota. Ela estava sensível, se contorcia e contraia a cada estocada minha. Carlos sentou-se no peito dela bateu e esfregou o pau no rosto dela, até ela implorar para chupa-lo novamente. Ela implorou para ele gozar na boca dela,  o sugou com gosto, barulhenta, gemendo, enquanto eu comia a sua buceta. Ele ordenou que ela ficasse por cima de mim, e ela , obediente, começou a me cavalgar. Sem avisar, Carlos entrou no cu dela de uma vez, com um tranco. Ela urrou de dor e prazer, arranhando meu peito, ele meteu sem dó, estocando selvagemente. Ela gemia, “ ta me arrombando, me abrindo toda “...Ele começou a xinga-la, bater nas ancas dela. Ela estava pra la de excitada, seu corpo todo balançava com nossas estocadas, seus enormes seios dançavam deliciosamente. Ele a estocava de cima pra baixo e eu de baixo pra cima, minha gordinha era recheio delicioso de um sanduíche de tesão.. Ela gritava : “ que tesão, estou sendo fudida por dois machos deliciosos , me xinguem, acabem comigo ! “ Ambos a xingávamos, ela gozou de novo e mais de uma vez, apertando meu pau. Carlos saiu dela , a puxou , jogou – a na cama de bunda pra cima e me ordenou, enquanto se masturbava : “ vem Gabriel, come o cu dessa puta, arregaça ela. “.. “ Ai, que tesão, ela disse, come meu macho, come mesmo.. “ ofegante e toda suada e vermelha..
A coloquei de lado e levantei uma perna dela e enfiei o pau no cuzinho dela. Até a metade, enquanto Carlos voltou a comer sua buceta. “ Abre o cu dessa biscate “, ordenou Carlos. Empurrei-me todo para dentro dela, seu cu apertava meu pau como um alicate, eu bombeei com força e Carlos também, ela ficou ali, entre nós dois, seu corpo sacudido por nossas estocadas violentas, balançando de um lado para o outro, enquanto a xingávamos. Ela gritava : “ sou uma vagabunda, estou adorando isso, acabem comigo “ . Carlos puxou-a, sentou-se e fez com que ela sentasse no seu pau. Ela pulava, deliciada. Depois fez com que ela sentasse no meu, ate ela não agüentar mais, até ela pedir pra parar..
Depois a deitamos e lambemos todo o seu corpo, duas línguas e duas bocas tesudas, e quatro mãos passeando pelo seu corpo. Chupamos seus seios,, sua buceta, alternando nossos dedos e línguas e sugando seu grelinho, ate ela gozar muitas vezes seguidas.
Quando ela estava exausta, fodemos seus seios, enfiamos nossos paus em sua boca, mexendo nossos quadris, como se fode uma buceta.
Carlos gozou na sua boca e eu também, a deixamos engasgada, e espalhamos nossa porra na cara dela, nos seios, na barriga farta..
Minha gordinha ficou ali, esporrada, suada, exausta, ofegante, satisfeita, com  a carinha vermelha.. Carlos deu uns tapas na cara dela , se vestiu e saiu, levando a calcinha dela como lembrança.
Como um tolo apaixonado, ajudei minha gordinha a se levantar e dei-lhe um banho e a coloquei pra dormir, com muitos beijos ...

EScrito por GAbriel
narcisosantos@hotmail.com