quarta-feira, 26 de outubro de 2011

LEVANDO ROLA NA BUNDA E PORRA NA CARA

ap09

Oi, gente, faz tempo que não posto aqui. Ando muito ocupado. Tenho algumas historinhas pra contar pra vocês, que vou contar mais tarde.
Quero compartilhar com vocês, hoje um conto que recebi e que me deu muito tesão, não sei quem escreveu,se alguem souber , me diga.

CONTO

autor desconhecido

  Aquele domingo foi delicioso, estava um calor imenso no Rio de Janeiro, depois de transarmos feito loucos fomos tomar um banho todos juntos, tive a oportunidade de ter os dois homens mais gostosos juntos no banheiro, segurando os dois caralhos, um mais moreninho e o outro loirinho, grosso e lisinho, encostei a cabeça dos dois pintos um no outro e beijava a boca de meu marido, depois a de Marcel, uma delicia aquela experiência, era a primeira vez que outro homem estava tão próximo de Léo e eles pareciam se conhecer a muito tempo, conversavam e riam das nossas safadezas, Léo foi o primeiro a deixar a ducha, se enxugando ficou olhando eu beijar Marcel na boca enquanto alisava seu caralho já duro de novo, assim que Léo saiu do banheiro, Marcel disse que tinha gostado muito dele e que nossa amizade era a melhor coisa que tinha acontecido na vida dele e que esperava curtir muito ainda todos juntos, saímos do banho e coloquei uma camisetinha e um shortinho bem curto e fiquei bem a vontade, Marcel colocou só uma camiseta regata e perguntou se podia ficar sem nada por baixo pois estava muito calor, com uma cara de safado o garoto já estava em ponto de bala, e certamente já viria pra cima de mim de novo não fosse Léo o chamar para ajudar com a carne na churrasqueira, saiu e foi ao encontro de meu marido que estava na parte de trás da casa, ao chegar na porta dos fundos perguntou ao Léo se podia sair para fora daquele jeito, Léo olhou e sorriu vendo o fogo do garoto: Claro pode ficar a vontade, só não vá lá para o fundo depois da árvore ai os vizinhos podem te ver, aqui não tem problema, Léo estava de sunga e Marcel ficou então a vontade, sai para fora com um bronzeador para passar no meu loirinho senão ele iria tostar naquele sol, ele se sentou na mureta e comecei a passar o creme em suas pernas, acariciando bem gostoso e sua rola já apontava para o céu, Léo protestou e disse: Assim não dá, o cara vem na minha casa come minha mulher e ainda quer  almoçar sem ajudar, enquanto minha esposa fica alisando ele, eu to arranjado mesmo! Caímos todos na risada e então apressei em passar o bronzeador em Marcel pois estávamos todos com fome, à medida que acariciava suas coxas a vara dele ficava cada vez mais dura e tesa, aquela rola branquinha, com as veias saltadas e grossa, não resisti, puxei o pinto para minha boca e comecei a lamber, Léo parou o que estava fazendo e veio para perto sentou ao lado de Marcel e disse: Cara eu adoro ver isso, olha só como fico excitado! Marcel respirava ofegante e chegava a fechar os olhos de tanto prazer que sentia, eu chupava gostoso a cabeça da rola, passando a lingua e olhando para meu marido que já tinha arriado a sunga no meio das pernas e acariciava a rola dura, Marcel muito a vontade disse: Cara você é o homem de maior sorte no mundo, pois tem uma mulher deliciosa, tudo nela é maravilhoso, essa boquinha me deixa maluco, olha só como chupa, como engole meu cacete! Deixa ela chupar  garoto, dá o pinto pra ela, ela adora mamar gostoso, dá leitinho pra ela! E eu caprichava na chupeta, engolia a rola de Marcel inteira, lambia as bolas, nessa hora ele gemia alto e levou a mão nas costas de Léo para se apoiar e então levantou as pernas, entendi na hora o que ele queria, minha lingüinha foi em direção ao saco, lisinho, lambi com gosto e então levei a lingua para aquele cuzinho vermelhinho e sem pelos, quando minha lingua tocou o anel do garoto ele gemeu alto e se retorcia todinho! Nossa pelo jeito não é só eu que gosto de uma lingüinha no cu, lambe gostoso Flavia, faça esse moleque gemer! Eu caprichava e lambia o cuzinho dele separava as nádegas e mandava ver minha lingüinha, ele levantou bem as pernas e Léo agora ajudava a segurar as pernas de Marcel para eu lamber sua bundinha, quando ouvi a seguinte frase: Soca uma pra mim, enquanto ela chupa gostoso, por favor me faça gozar gostoso! Olhei pra cima e vi Léo agitando a rola de Marcel, molhei a buceta na  hora, que cena deliciosa, Léo nunca havia feito aquilo antes e agora punhetava Marcel, meti a lingua no buraquinho do loirinho fazendo ele gemer alto, quando senti que ele ia gozar abri a boca e ele direcionou o pinto em meus lábios despejando toda a porra dentro da minha boca, alucinada eu me acariciava na buceta não acreditando no que acabara de ver, Marcel gozava feito louco e passava o caralho gozado em minha boca, engoli a porra e lambia o canal por onde saia a porra dele, ele gemia e estava mole, Léo de rola dura, acariciava o pinto assistindo as ultimas gotas de porra do rapaz ser esfregada em meus lábios, me levantei e dei um beijo de lingua em Marcel, ardente, deixei um pouquinho de porra em sua boca como premio pela gozada gostosa que me presenteou foi sensacional, respiramos fundo e partimos pro almoço. Ainda na mesa almoçando Marcel enfiou o pé no meio das minhas pernas e acariciava minha buceta com o dedão do pé, aquilo me enlouquecia, era muito gostoso, eles
falavam de futebol e de política, de trabalho e seu dedo acariciava minha buceta, não resisti e me levantei, fui até o quarto tirei o shortinho e fiquei só de camiseta, voltei e peguei um doce de abacaxi que havia preparado, e servi aos meus homens, coloquei o doce para Marcel e ele enfiou um dedo em minha buceta, gemi gostoso e ele disse a Léo: Cara sinto um tesão enorme em lamber uma buceta sabia? Sem cerimônia enfiou a lingua em minha buceta, coloquei uma das pernas em cima da cadeira de forma que Léo pudesse ter visão privilegiada e Marcel lambia meu grelo me fazendo gemer gostoso, segurei sua cabeça e meti contra o meu ventre fazendo ele enterrar a lingua no fundo, que delicia, ele levou um dedo no meu cuzinho e foi enfiando gostoso: ah que delicia com dedo no cu é mais gostoso ainda, Marcel se levantou e me colocou em cima da mesa, afastou os pratos e a sobremesa e disse: Gozo de mulher é a melhor sobremesa do mundo, goze em minha boca minha delicia e abriu minhas pernas, abaixou e enfiou a lingua no minha buceta, lambendo e fazendo círculos com a lingua, acariciava meu grelo com um dos dedos e com a outra mão enfiava um dedo em meu cuzinho, Léo acariciava meus seios e apertava os biquinhos me deixando maluca, não agüentei aquilo por muito tempo e gozei na boca de Marcel, deliciosamente em espasmos e ele não parava de lamber, sugava todo o meu gozo e lambia os beiços, gozei feito uma cadela no cio, então ele se levantou e colocou o pinto em minha buceta, sem camisinha, enfiou até o talo, sentir aquele tora grossa entrando foi demais,segurei as mãos e os braços de Léo e disse: Olha a rola dele me comendo gostoso, que delicia Léo, quero dar a tarde inteira, por favor me comam gostoso quero vocês dois se revezando gostoso, Marcel já metia com força em minha buceta, algumas estocadas e pediu que o chupasse, me levantei e segurando ele pelo pinto chamei-os para a sala, já no sofá o garoto era impossível, me sentei confortavelmente e ele  subiu em cima se apoiando no encosto meteu em minha boquinha, me fazendo engolir o caralho inteiro, Léo caiu de boca em minha buceta e me chupava divinamente, eu acariciava as bolas de Marcel que socava em minha boca, tirava o passava o cacete em meus lábios, voltava a enfiar até o talo e metia com força me fazendo quase engasgar, Léo agora assistia bem de perto e se deliciava, com uma das mãos eu acariciava a rola de meu marido enquanto o garoto metia o pinto em minha boca, tirou e ficou brincando, me virei e ofereci minha boca ao meu marido que rapidamente enfiou a lingua em minha boca me beijando ardentemente, sentia seu tesão pela lingua gelada que estava, ele sugava minha lingua mostrando toda a paixão por me beijar naquela situação, me virei e engoli a rola de Marcel de novo, chupei gostoso engolindo o caralho até o talo, sentindo a cabeçorra na minha garganta, ele gemia e eu acariciava seu saco e sua bundinha lisa, tirei a boca da rola do garoto e ofereci a meu  marido que rapidamente me beijava, aquilo me enlouquecia, chupar um pinto de outro homem e em seguida a lingua de meu marido, aquilo era uma entrega sem igual, voltei a chupar o cacete de Marcel que ficava vidrado olhando eu engolir seu pau, tirei da boca e beijei Léo de novo, o garoto entrou na brincadeira e então metia o cacete em minha boca e tirava, eu lambia a lingua do Léo, ele voltava a enfia o pau em minha boca e tirava, léo vinha na seqüência e me beijava, era uma lambida na rola de Marcel e outra na lingua do meu marido, que delicia aquela sacanagem, Marcel batia o pinto em meu rosto, aquele cacetão enorme, Léo se levantou e foi a vez dele enfiar a rola em minha boquinha, chupei meu marido com a mesma paixão que chupava a rola de Marcel, o garoto não se fez de rogado e sentou-se ao meu lado, tirei o pinto de Léo da boca e ele puxou meu rosto para ele, me beijou ardentemente, depois virou meu rostinho para a rola de Léo e voltei a sugar gostoso então Marcel disse:  Ela é linda mas chupando uma rola fica linda e deliciosa, a boquinha dela é igual uma buceta, macia gostosa, adoro foder a boquinha dela Léo, come gostoso que quero gozar na boquinha dela de novo, Léo tirou a rola da minha boca e deu lugar para Marcel novamente, ele enfiava a rola na minha boca e eu acariciava seu saco, não agüentava mais de vontade ser comida, então pedi que Marcel fodesse minha bucetinha, ele puxou minhas pernas pra cima e se ajeitou no meio, enfiou o pinto grosso e eu gemi gostoso, Léo veio por cima se colocou entre nós dois deixando o saco na minha boca e se masturbando, Marcel fodia minha buceta olhando pra rola do meu marido e eu lambia o saco e o cu de Léo que gemia gostoso, era uma putaria sem limites, deliciosa, Marcel acariciava meu grelo e não demorou e gozei gostoso com sua enorme rola socada na buceta, senti os músculos da vagina apertando a vara do meu loirinho que uivava de tesão, Léo gemia e curtia a cena ainda tendo a bunda lambida, quando  Marcel disse que ia gozar Léo reagiu de imediato: Goza dentro da buceta, quedo comer a bucetinha dela gozada! Não agüentei aquelas palavras e apertei de novo a rola de Marcel que despejava porra dentro da minha buceta, ele gemia alto e deus mais umas seis estocadas cravadas, cada vez que a rola saia ia ficando mais branquinha de porra, Léo saltou de cima do sofá e Marcel sentou ao meu lado me dando beijos molhadinho nos lábios e dizendo que me amava, que eu era tudo que ele sempre desejou na vida, enquanto meu marido se deliciava com o pinto atolado em minha buceta, era delicioso olhar sua rola molhada com a porra de Marcel, ele estava alucinado e socava com força, não agüentei e gozei de novo, agora na vara do meu marido, que delicia aquela tarde, Léo subitamente tirou o pinto da minha buceta e direcionou o cacete para o meu rosto gozando fartamente e me lavando o rosto de porra: toma vagabunda, toma porra nessa carinha safada, toma cadela, toma leite de macho sua puta  sem vergonha! Que delicia receber aqueles jatos de porra na cara, eu passava as mãos no rosto espalhando a porra, Léo caiu de boca e me lambia o rosto, surpreendentemente Marcel fazia a mesma coisa, os dois gemendo lambia meu rosto todo gozado, aqueles dois putos se entregaram numa cena de sexo sem medida, ele ofegantes me lambendo, depois de deixarem meu rosto limpo, os dois como que disputando meu corpo, desceram suas línguas ao encontro da minha, um apertava um bico do seio, o outro tomava posse do outro, eu lambia a lingua de léo e depois a de Marcel, a lingua deles serpenteavam ali na minha boca e num dado momento nós três dividíamos a lingua um dos outro sem distinção, estávamos tomados pelo desejo e pelo prazer, um dedo de cada um me tomou a buceta e a lingua deles deslizavam pelo meu corpo, os dois um em cada teta, chupando e mordendo meus seios, fiquei ensandecida e eles me lambendo como se tivessem em transe as duas línguas em direção ao meu umbigo e uma chegou  em minha buceta, abriram minhas pernas e ficavam revezando as linguadas aquilo era demais, léo lambia meu clitóris e Marcel enfiava a lingua dentro da xana, eu gemia e me contorcia uma lingua foi parar no cu e a outra continuou na buceta, agora sim eu rebolava na lingua dos meus dois homens, que delicia, não agüentando mais pedi que me fodessem de novo, Léo disse para irmos para a cama e assim fizemos, ele se deitou e pediu que eu ficasse de quatro com as tetas voltadas para sua boca, pois queria me beijar e chupar méis seios enquanto Marcel socaria em meu cuzinho, disse que queria me ver gritando gostoso, Marcel pediu para Léo lamber meu cu para preparar a entrada o que Léo fez prontamente, depois de lubrificar meu rabo com a saliva, abriu minhas nádegas e deixou meu cuzinho totalmente a mercê do amigo que pincelou a rola e foi enfiando devagar, fechei os olhos e gemi sentindo aquela rola me partir ao meio, mas que rola gostosa e macia, Marcel foi entrando gostoso e só  parou quando o saco tocou em minha bunda, ficou um tempinho parado e se debruçou em cima de mim, chegando bem perto do meu ouvido e do rosto de Léo que já estava enfiado em baixo de mim disse: Vocês são maravilhosos, a amizade de vocês foi a melhor coisa que já aconteceu aqui no Rio de janeiro! Léo cheio de surpresas respondeu: A recíproca é verdadeira garoto, você foi o melhor amigo que poderíamos encontrar, já faz parte da nossa família praticamente, assim o considero, faz minha mulher feliz e me preenche com toda sua virilidade, queremos sua rola em ação dentro da minha princesinha, rasga ela com força, porque ela gosta de tomar nesse cuzinho com muita força! Pode deixar, ela vai gritar de tesão! Falou isso e empurrou o pinto ainda mais pra dentro do meu cu me fazendo jogar ocorpo pra frente pois ele já estava todo alojado no meu rabo, tirou pela metade e socou a primeira vez, gritei sem pudor: Puta que pariu vai devagar! Relaxa cadelinha, e toma na bunda na frente do  seu maridinho, sem frescura porque nos três sabemos que você gosta de tomar no cu, então toma cadela safada! Falando isso cravou o pinto no fundo do meu cu, gemi alto e léo abocanhou minhas tetas me chamando de vagabunda: Isso minha puta gostosa, da o cu bem gostoso e deixa ele te foder com força pra mim ver, vai relaxa cadelinha gostosa! Ele me lambia excitado, sentia seu pinto em minha barriga e Marcel já cravava a rola sem piedadem segurando em minhas ancas o garoto me movimentava como uma cobra dentro do meu cu, que delicia sentir aquele bruto todinho socado no rabo, era gostoso quando a rola entrava até o talo, cada pedacinho de pau que entrava eu delirava, quando ele tirava sentia um vazio, mas nem dava tempo para curtir e lá vinha aquele tronco com força no fundo do meu intestino, sentia o cu arder e queimar, uma sensação deliciosa, então pedi a Léo: corno do caralho vai lamber minha buceta para eu gozar alucinada, Léo se enfiou por baixo e foi com a lingua passando em minha barriga até chegar em minha buceta, ali ele lambia meu clitóris e via de pertinho a imensa rola de Marcel arrombando meu cu, eu já gritava desesperada de prazer, sentindo uma sensação deliciosa, parecia que ia partir ao meio, mas meu cuzinho agüentava: toma gostoso no cu minha delicia, você é gostosa demais, tem um cu delicioso, parece que essa mulher tem três bucetas de tão macio que é esse cuzinho e a boquinha dela, toma minha cadelinha agüenta o rola do Marcelzinho no cu, toma cadela safada, ele falava aquilo e metia com mais força, acho que os homens sentem raiva quando estão ali socando com toda sua força e me vêem gemer de prazer, mas estava delicioso e a lingua do meu marido lambendo gostoso minha buceta, Léo tinha neste instante a melhor visão da vida dele, ele estava a menos de um palmo do meu cu e via a rola do Marcel entrar com força de pertinho! Soca mais forte, arregaça o cu dela, faz ela gritar gostoso, enche o cu dela de porra, vai garoto! Lambe meu  saco corno, quero gozar dentro do cu dessa cadela, Léo se mexeu debaixo de mim, acariciando meu clitóris alcançou o saco de Marcel e lambeu, o garoto ficou aceso, mas Léo não se deu por vencido, levou as mãos para fora das minhas pernas, separou a bunda de Marcel e cravou a lingua no cu do garoto, Marcel deu um urro que nunca vi antes, segurando com força minhas ancas gritou alucinadamente: Toma porra no cu cadela safada, toma porra puta, to gozando nesse rabo dessa puta seu corno filho da puta, assim eu gozo, que lingua gostosa, delicia! Léo animado com a cena e vendo meu rabinho receber outra dose de porra, cravou a lingua no cu de Marcel que não agüentando caiu desfalecido do lado da cama, mais que depressa léo se levantou e enfiou a rola dentro da minha bunda, ainda de quatro empinei a bunda para receber no cu a rola do meu homem, enfiei os dedos na buceta e gemia gostoso sentindo a rola de Léo entrando e saído do meu rabo esfolado, novamente aqueles dois putos me  arregaçavam e me faziam gozar alucinadamente, Marcel foi recobrando as forças e passou a acariciar minha buceta, sentindo os dedos dele me possiundo e a rola de léo cravada no cu, ele me galopava me deixando doida, não agüentei e gozei em espasmos tomando no cu com força e Léo mais uma vez saiu de dentro da minha bunda e gozou em meu rosto, golfadas de porra molharam todo meu rostinho, logo em seguida os dois caíram desfalecidos na cama, eu apenas deixei a bundinha relaxar no colchão, não tínhamos força para levantar e pegamos no sono ali mesmo, com os dois deitados um de cada lado e eu a putinha sem vergonha no meio dos meus dois machos tesudos e gostosos, com o rostinho todo meladinho de porra e o cuzinho ardendo de tanto levar pistolada, dormimos feito anjos, fomos acordar já tarde da noite, os três pelados na cama, falamos da nossa tarde deliciosa, tomamos outro banho e Marcel dormiu em casa, nem preciso dizer que fui o recheio daquelas duas rolas madrugada a dentro, e  assim iniciava uma amizade deliciosa, Marcel foi a rola mais gostosa que encontrei até aquele instante e assim varamos a noite em sexo delicioso até perdermos as forças!

terça-feira, 18 de outubro de 2011

MARISE

gifs_speed_365 
conto de Scorpion

Conheci Marise no aniversário de um colega ,durante uma auditoria numa agência do banco no Rio.
Marise , era uma mulata de cabelos negros e longos, deliciosamente gordinha , estatura média, Era uma daquelas deliciosas gordinhas de seios médios e uma bunda grande e redondinha. Costas largas e braços e coxas grossas, não sou muito bom para descrições.

Ela era muito simpática, um pouco tímida. Eu trabalhava numa sala ao lado da dela, mas nunca haviamos conversado, só nos cumprimentávamos cordialmente.  Nunca tentei me aproximar, por falta de oportunidade e outros motivos que não vêm ao caso .

Fomos convidados para jantar num restaurante para comemorar o aniversário do colega . Susana, uma  amiga comum, colocou-me ao lado dela na mesa. Conversamos um pouco,mas nada muito pessoal. 

Logo, depois de outros assuntos,  todos  começaram a falar sobre traição. 

Susana contou uma história sobre  uma amiga dela que descobriu que o marido estava saindo com uma moça do serviço dele . Ele dizia  que ia participar de uma convenção ou de um curso e ficava  o sábado todo fora. O  fim de semana passado, esse marido dela falou que ia participar de uma viagem à trabalho, e Susana  descobriu que a tal moça foi  junto.

" Só sei que a minha amiga tá num momento em que ela não aguenta mais." , disse Susana.
Quem estava perto de Susana começou a dar opinião, dizendo que ela deveria deixar o cara, etc.  Marise continuava calada, me olhando com uma cara doce, eu não tirava os olhos daquela boca carnuda. Susana continuava :  " Ela não sabe o que fazer, se deixa ele ou não, porque pensa muito nos filhos e não quer que eles sofram ."

Susana disse ainda que tinha aconselhado a amiga a se  separar, mas antes de separar prá botar um belo par de chifres nele .  Todo mundo riu, eu também..

Outros assuntos entraram na conversa e os integrantes da mesa se dividiram em grupinhos, bebendo,conversando e comendo.

Com o passar do tempo, percebi que Marise começou a  beber além do normal. Foi ficando alegrinha, com as faces coradas, e, quando percebi,eu estava conversando só com ela.
Do nada ela começou a repetir prá mim que mulher não era otária, que tem cara que é idiota, canalha e o que merece é ser corno mesmo.

Embora estivesse meio alta, em nenhum momento ela ergueu a voz.
Algum tempo depois, colocou a mão no meu braço e cochichou no meu ouvido : 
"amor eu preciso ir ao banheiro, mas estou com vergonha de me levantar da mesa, pois já estou muito tonta", Fiquei bastante excitado em ouvir ela me chamar de amor, principalmente porque ela falou bem junto ao meu ouvido. Me deu muito tesão.

Acompanhei-a até o banheiro, logo que ela saiu, o pessoal já estava se preparando para ir embora. Susana disse que Marise ia passar a noite na casa dela e me pediu para levá-la.
Disse ainda que ia demorar prá ir embora e me pediu prá fazer companhia prá Marise até ela chegar . Logo depois, Susana saiu com um casal e mais um cara. 
Embora eu não entendesse o que estava acontecendo, adorei a situação. Já estava de pau duro, antevendo o que poderia vir .
Pegamos um táxi , e no caminho, Marise falou muito pouco, embora me olhasse de vez em quando , sorrindo. 

Entramos no apartamento de Susana. Logo que entramos, Marise pegou no meu rosto e me deu um beijo. Foi um beijo delicioso, quente e molhado. Marise beijava bem gostoso, acariciando os meus cabelos.  Eu não queria parar de beijá-la, porque adoro beijar. Elogiei a sua boca , chupei a sua lingua que dançava dentro da minha boca.

Alternando com beijos na boca, eu lambia e beijava  o pescoço de Marise, enquanto minhas mãos sem direção percorriam o seu corpanzil, ora acariciando ora apertando. Os amassos ficaram mais ousados e mais gostosos.

Ela estava com um discreto vestido preto, tomara de caia.
Ela me fez sentar no sofá e sentou-se no meu colo, de frente pra mim, sempre me beijando.
Subiu no meu colo e começou  a roçar seu corpo no meu, esfregava a xaninha no meu pau, embora ela estivesse de calcinha embaixo do vestido e eu de calça. Mas a sensação de prazer era maravilhosa. Fiquei com muito muito tesão,

Seu vestido era preso nas costas largas, abri o zíper e desci o vestido, puxei o bojo do seu sutiã para baixo e pude apreciar seus seios cor de chocolate, de bicos grandes e aureolas largas. Disse que eram lindos, e comecei a passar a lingua no biquinho e depois mamei com volúpia, com sede, com fome, com tesão.

Marise estava estranhamente calada, eu chupava os biquinhos dos seios, alternando ora um ora outro peito. De repente, Marise desmontou do meu colo..

Ela disse: "Desculpa, Gabriel, desculpa, amor, não posso. "
Fiquei sem entender o que estava acontecendo, ela repetia "não posso, não posso, desculpa"
Marise puxou o vestido, ficou em pé em frente a mim. Levantei-me e aproximei-me
Ela repetia," não posso". Mas eu estava embriagado de tesão e fiz de conta que não ouvi.
Segurei no seu rosto e recomecei a beijá-la. Entre beijos e tentando se desvencilhar dos meus braços ela me contou  que a tal amiga que Susana tinha comentado no restaurante ela era

Susana tinha descoberto que o marido de Marise a traia e a convenceu a dar o troco, a trai-lo também. Aí é que eu entrei na história : Marise disse prá Susana que se tivesse que trair o marido seria comigo porque gostava do meu jeito de  cara experiente e discreto,carinhoso . Aí Susana arrumou tudo prá a gente ficar junto e emprestou o apartamento.

"Entendi" , eu disse,não conseguia parar de beijá-la e de apalpar aquele corpanzil delicioso.
Ela colocou uma mão no meu peito e tentava se soltar enquanto dizia  "  Mas eu não tenho coragem, amo muito o meu marido, apesar de ele ser um canalha. Desculpa, Gabriel ".

"Tá certo", eu dizia, procurando os seus lábios e mantendo-a presa nos meus braços.
Ela me pedia pra soltá-la, eu beijava o seu pescoço, sua orelha e seus ombros nús.
Sempre beijando-a , me apertando contra o corpo dela,ela foi se afastando e se virou de costas pra mim, semi abaixando para pegar a bolsa na mesa de centro.
"Tenho que ir,Gabriel, tenho...."

Mas eu estava louco de tesão, e com ela de costas pra mim, me esfreguei na sua bunda e a abraçava pela cintura, apalpando os seios , lambendo sua nuca e beijando suas costas enormes, monumentos de cacau. Enquanto isso, fui subindo o seu vestido , apalpando as coxonas, alucinado.. Fui subindo  até que  enfiei a mão por dentro das suas pernas ,começando a alisar os labios de sua xana e por entre os labios de sua buceta, mesmo por cima da calcinha . Algum tempo depois ela já movimentava a bundona ao ritmo dos meus dedos. "Preciso ir embora  " ela dizia., mas agora sem muita convicção e com os olhos fechados. "Tudo bem, eu dizia, eu te levo ", mas sem parar de masturbá-la.

"Pára, Gabriel, você é um tarado. ,"disse Marise enquanto que, alucinado eu enfiei a mão por dentro da calcinha  até que encontrei o grelinho que foi ficando duro e comecei a mexer nele, passando o dedo de leve, "Gostosa, " eu repetia..."voce é muito gostosa, voce me deixou louco de tesão, quero te comer "..

Eu estava a mil, meu pau doia dentro da calça de tão duro, enfiei os dedos nos seus cabelos e a puxei fazendo com que sua boca ficasse a minha disposição e a beijei novamente, cheio de tesão.
"Onde fica o quarto ?" perguntei, com voz rouca , ensandecido.
"Ali," ela disse, mas repetiu " mas tenho que ir embora, me leva por favor "
Marise então se virou, ficando de frente pra mim, reparei que seus  olhos estavam  brilhando  e fiquei  beijando-a  e me esfregando,  ainda vestindo.

Fui apertando-a e praticamente a empurrei para o quarto, quase jogando-a na cama.
"To com muito tesão, eu repetia, muito, voce é muito gostosa.."
Ela ficou deitada de costas na cama , levantei seu vestido, tirei a calcinha rapidamente, deixando sua bucetona à mostra e então a chupei..
Abri bem a sua buceta com dois dedos e lambi sua xaninha de baixo pra cima , lambendo delicadamente o centro e beijando as laterais.Enfei a lingua bem fundo e lambi em movimentos circulares.

Ela se contorcia, de um lado para outro, acariciava meus cabelos, rebolando na minha boca e eu a olhava com tesão e queria devorar aquela bucetona, aquele grelinho que foi ficando duro na minha boca..Chupava, lambia ,segurava no dente sem morder.

"Preciso...pre...cisoo ir..ai ai...aiii ", ela dizia..Dançava na minha boca, ajeitava o corpão , para permitir o livre acesso da minha boca dentro dela. Ora com os lábios, ora com a lingua, eu a sentia se contorcendo, levantando o quadril ou remexendo as ancas. Marise começou a gemer, enquanto eu lambia com rapidez seu grelinho, depois colocando-o na boca e sugando ora rapido, ora devagar,

Enfiei meus dois dedos na sua buceta, escavando, com movimentos que se assemelhavam a um caralho duro, compassados por apertões nos seios e nas coxas grossas. A essa altura, Marise tinha abaixado o vestido e estava com os seios nús, apertando-os com os dedos, gemendo. Seu quadril se erguia para que minha boca a invadisse cada vez mais e eu a olhei, com a boca colada na sua buceta , chupando-a com prazer  .

Marise então conduziu meus dedos e minha boca e fui lentamente invadindo, ora recuando e depois prosseguindo mais adiante. Chupei-a sem pressa, com fome, com sede, praticamente devorando sua buceta.  Um estremecimento de prazer tomou conta do seu ventre, ela gemeu mais alto, se contorceu, se retesou e esticou o corpanzil e gozou.. gemendo bem alto,quase gritando. Suas enormes coxas morenas apertavam a minha cabeça. Ainda senti sua buceta se contraindo na minha boca, prolongando seu prazer por um minuto ou dois.

Enquanto Marise se esticava no chão, molinha pelo prazer que tinha tido, eu me levantei, tirei a roupa, me ajoelhei ao lado dela, beijei-a demoradamente. Eu estava louco pra comer a buceta dela, enfiei a cabecinha , enquanto chupava seus seios e beijava seu pescoço e lábios.

Enfiei firme e devagar  , olhando seu rosto gordinho, que me olhava docemente.  Comecei a meter com rítmo ,urrando de tesão.  Eu entrava e saia só sentindo a bucetona dela úmida e quentinha, se contraindo a cada investida.  Eu ficava mais tesudo ainda de sentir os biquinhos dos seios dela roçando no meu peito. Ela mordia meu ombro, me fazendo meter com mais força ainda. Ela seguia meus movimentos com o quadril, meus movimentos se tornaram mais rápidos

Viramos e logo ela estava em cima de mim, devorando a minha boca, se esfregando gostosamente em mim. Ela pegou meu pau duro e começou a esfregar no seu clitóris, enquanto esfregava os seios na minha boca.

"- gostoso", ela dizia, "que delicia ".. Dizendo isso, ela engoliu o meu cacete, enfiou tudo, tudinho na buceta e me cavalgou deliciosamente, ficou agachada em cima de mim, eu delirava com os seus movimentos. Ela estava adorando me ouvir gemer e urrar.

Com aquela buceta engolindo e esmagando o meu pau, não consegui me conter e anunciei que ia gozar.. "goza, amor, ela dizia, goza, me enche de porra"..
Ouvindo o jeito que ela falou e vendo a sua carinha linda, não consegui me conter. Esporrei num gozo profundooooooooooo e delicioso dentro daquela gordinha, que me mantinha fortemente dentro dela .

Suados, cansados, ficamos nos beijando depois. Voce gostou, amor ? , ela perguntou .
Eu lhe disse que tinha gostado, gostado muito e gozado muito gostoso. Mas que queria mais .

Esse foi o começo da nossa primeira transa. Nessa mesma noite, descansamos, conversamos, e fodemos novamente, ela chupou o meu pau com carinho e tesão e na hora de ir embora, já vestidos, eu tirei a sua roupa e a fodi de novo, de quatro , de ladinho e a fiz gozar na minha boca.

Fomos amantes por três meses. Três meses de paixão , sempre que ela podia, porque não quis deixar o marido. Depois perdemos contato e hoje Marise é uma doce lembrança que ainda me deixa com o pau duro. 
(tonixscorpion@gmail.com)

-------------

The big chick got the big dick

The big chick got the big dick: The big chick got the big dick

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

LUCIANA

Da última vez que postei , até agora,praticamente não tem acontecido nada na minha vida sexual
E pensar que fiz esse blog pra contar minhas experiências.
Tô sentindo na pele o que é ser mais velho. No sexo também ninguém liga pra caras mais velhos.
Tô aqui ,louco de tesão, .dá até desanimo, acho que ultimamente não tenho dado muita sorte,
Embora eu esteja conversando com uma menina super legal, paciente.. Espero que role algo em breve...Se acontecer, eu conto aqui.

Vamos então às boas recordações. Como essa, do dia em que conheci uma menina muito interessante.
-

LUCIANA. 

Conheci Luciana num jantar em "homenagem" a um dos executivos da empresa, eu fui meio obrigado , porque todo mundo da equipe foi. Era num lugar muito interessante, que tinha vários ambientes : um restaurante,  um bar, uma lanchonete, uma discoteca  - que a molecada hoje chama de balada - e outros ambientes que não cheguei a conhecer.

Das quase 10 pessoas que estavam lá, só eu comecei a beber. Estava entendiado. Minto, ao meu lado estava Luciana, namorada de um dos executivos da empresa. Além de estarmos bebendo, nós dois eram os únicos que estavamos vestidos mais descontraídos. Eu estava de camisa, mas de calça jeans e ela de top, coberto por uma camisa leve e de saia curta, até um pouco acima do joelho.

Nós dois começamos a beber tequila e assim o jantar foi ficando suportável, como ela me disse. a gente ficou bebendo e tentando conversar no meio daquele barulho todo. Eu estava deslocado , já estava querendo ir embora, mas pra ficar ao lado dela, fui ficando ,  adorando ficar proximo dela, era como se nos conhecessemos há muito tempo.

Luciana queria conhecer o ambiente da balada e convidou o namorado. Ele disse bem baixinho pra ela que não podia sair dali. Então ela me puxou e disse pra ele que eu a levaria. Fui, quase obrigado. 
Dançamos muito, quer dizer, ela dançou , eu fiquei apenas ali enrolando, fazendo movimentos ridículos. Louco pra dar um beijo dela. Bebemos mais .

Pouco tempo depois , Luciana já estava meio bebada, o DJ começou a tocar umas músicas que ela gostava, porque ela sorriu muito , ficou muito alegre com aquelas músicas barulhentas.

Dava gritinhos de satistação , rodava e numa hora agarrou no meu pescoço.
Eu a puxei e a beijei, e ela correspondeu, segurando minha cabeça. Nos beijando, fomos para um cantinho mais escuro .

Estávamos perto da parede, então eu  empurrei ela,  até que  subisse no degrau que tinha atrás dela  e ficasse encostada na parede. Começamos um amasso bem gostoso!

Nos beijavamos, eu passava a mão na sua coxa, dava chupões no pescoço. Ela acariciava minha nuca, meus cabelos, se apertando de encontro ao meu corpo, se esfregando no meu pau , cada vez mais duro. Eu apertava a sua bunda ,puxava -a pela bunda pra mais perto do meu pau, enfiando a perna no meio das suas pernas. Ela se esfregava na minha coxa enquanto me beijava loucamente e eu a apertava.
Luciana apalpava meu pau por cima das calças, esfregando rapidamente, quase devorando a minha lingua. Eu beijava o seu pescoço, apalpava seus seios ,  passava a mão por todo seu corpo enquanto ela chupava o meu pescoço e massageava meu pau .
Ficamos nos amassando e nos excitando por um longo tempo, até que ela encostou a boca no meu ouvido e disse : " me come no carro "..

Fomos para o extenso estacionamento que ficava na parte de trás do lugar .
Estava lotado de carros, levei Luciana para o meu, estacionado no fundo, bem longe da entrada.  Abri o carro, mas ela não quis entrar , pediu que eu a abraçasse e nos beijamos demoradamente. Levei a mão até a sua bundinha, peguei nas suas nádegas, apertando-as. Enquanto nos beijavamos, comecei a passar a mão por debaixo da saia 
Encostamo-nos no carro, a brisa estava deliciosa, não se via ninguém, mas também não estavamos olhando. Ela começou a se roçar todinha em mim, eu comecei a acariciar seus seios.

Ela foi indo pra dentro do carro, deitando-se no banco de trás e eu a segui,louco de tesão. Me olhando, ela abaixou o top, desnudando os seios.

Eram lindos, com biquinhos rosados e bem arredondados . Fui chegando a boca  até encostar. De leve, passei a língua rígida na auréola. Lambi e comecei a sugar , ela me agarrou pela nuca, enfiando-o cada vez mais na minha boca.  Sugava os seus seios com fome e tesão, quase engolindo os biquinhos que foram ficando duros ..Ela estava se contorcendo de tesão . Suguei seus peitos como louco, deixando eles inchados de tanto mamar, deixei um rastro molhando em sua barriga,

Olhando na minha cara, com o  olhinho iluminado de tesão, Lu se afastou , levantou a saia até a cintura . Ainda vestia a calcinha mas eu a tirei, com ela levantando os quadris e me ajudando, empurrando a calcinha pra baixo.  Isso deixou tudo mais gostoso ainda porque deu sensação de entrega, de proibido, ... O banco de trás era todo nosso. Ela se encostou na parede do carro e  afastou as pernas.Desci para chupa-la. Passei a língua de baixo pra cima, levantando a pele que cobria seu grelinho.Senti o gosto dela e  isso só me deixou com mais tesão . Ela gemia, gostosamente. .Circulei a língua no grelinho  dela, ela estava com o grelinho inchadinho e bem durinho, como se tivesse gozado, era uma delicia ficar lambendo e chupando, enfiei um pouquinho a lingua, a bucetinha dela estava muito molhada  e ela gemia gostoso, baixinho...Coloquei o grelinho na boca e ela deu um tranco, como se tivesse levado um choque,

Me puxou pra cima dela , abrindo a minha camisa e me abraçando forte.
Sussurei no seu ouvido que ela era muito gostosa ,  a resposta foi  a língua quente dentro da minha boca !!! A gente gemia e se apertava  demais e parecíamos dois animais se pegando !! Quando mais ela gemia mais eu  me esfregava nela, ela se ajeitou embaixo de mim, me puxando pela cintura ..Eu esfregava o pau apertado pelas calças, Nesse instante suas pernas abriram e o quadril se jogou pra frente num convite para entrar.

Abri as calças, tirei o pau duro e pulsando encostei a cabecinha no grelinho e comecei a esfregar..
Ela gemia gostoso ,perguntou se eu tinha camisinha, disse que sim,então ela disse no meu ouvido :' coloca a camisinha e me come.' . 

Tirei as calças e a cueca, coloquei a camisinha e forcei a cabeçona naquela bucetinha quentinha e apertadinha, querendo entrar ,com tesão, . A cabecinha entrou devagarinho enquanto ela me pedia beijos e chupava meu pescoço.  A cabeça deu entrada ao resto do corpo do pau e logo eu estava todo dentro dela . Eu estava comendo aquela garota gostosa, noiva do executivo da empresa, carinhosa como eu gosto. Ela pediu pra eu comer com força, dei uma estocada firme...  Delicia, ela disse, ' humm ..me  come! ".. "Como, safada, eu disse" .   Eu estava louco de tesão, vendo ela toda arreganhada, apertando sua bunda enquanto ela me enlaçava com as pernas, com a buceta totalmente entupida pelo meu pau.
Gostosa, eu dizia e ela contraia a buceta apertando o meu cacete. eu continuei estocando com força..
-' mais fundo' ela pedia, mandava.,provocava. Enlouquecido, comecei a foder com força, batendo no fundo da sua buceta..' toma, toma, eu dizia , gemendo a cada estocada que dava.

Ela pediu então pra sentar no meu colo. Sentou-se de frente pra mim, esfregando os peitinhos durinhos na minha boca. Segurei-a pelos quadris enquanto ela descia , engolindo o meu pau, até que  enfiei tudo de uma vez.  Safada, gostosa, então  mostrou que eu sabia  rebolar, sacudir a bunda... me deixar doido..
-' vai tesão,' ela dizia ,  'você ta doido pra gozar... assim... soca esse pau com força... isso... que tesão... vamos, safado... goza...'

Ela gemia ,dançando na minha rola e eu me descontrolei .. ' -Geme Vadia! Geme!Goza cadelinha! , eu dizia, descontrolado, sentindo Luciana rebolar  na minha rola.. - ' goza, safado ', ela dizia..Ouvindo isso, comecei a bombar mais forte, anunciando o gozo.. ' goza, tesão, ela disse, me enche de porra'..
Foi ficando cada vez mais gostoso, mais gostoso até que não aguentei . Cravei as unhas na sua cintura e comecei um vai e vem alucinado, socando de baixo pra cima. Gozeiiii  .. Enchi a camisinha de porra quase na mesma hora em que ela apertou a minha cabeça e gozou.. se esticando e se contorcendo.

Depois a gente se beijou bastante. Eu fiquei extasiado e disse que foi loucura maravilhosa. Disse que ela era louca e gostosa demais, ela não respondeu, sorriu, me deu um delicioso beijo e voltamos para a balada , primeiro ela, depois eu.  

De longe, vi que seu namorado estava procurando por ela e  fez uma cena de ciúmes, gesticulava, ela não ligou. 

Mesmo assim, achei melhor não voltar para o jantar e fui embora. Levei uma bronca no dia seguinte, mas tudo bem, tinha valido muito a pena..   
( conto de Scorpion)