quarta-feira, 13 de julho de 2011

CONTOS

1 . RENATA NINFETINHA DO TITIO

Meu nome é Renata mas meu apelido é ninfetinha ... Hoje tenho 16 anos e vou contar a minha história para vocês entenderem o meu apelido. Cresci ouvindo de minha mãe que todos os homens são tarados, porque ela teve 5 filhos , cada um com um homem diferente, que não quiseram casar quando ela engravidava. Eu mesma nem conheci meu pai. Como minha mãe não tinha condições de me criar, me mandou para ser criada pelo irmão dela, que na época ainda era casado e sem filhos. Saí de Minas com 13 anos e vim morar aqui para poder continuar a estudar. Meu tio, que estava com 54 anos na época, me tratava super-bem, me paparicava me comprando sempre roupas, sorvete,me levava ao cinema e etc. Eu achava que ele fazia isso por não ter tido filhos e ficava feliz. Eu só achava meio estranho pois ele dizia que meninas não deviam usar sutiã, que isso era coisa para velhas com o peito caído. E só me comprava camisetinhas brancas bem fininhas que práticamente mostravam tudo dos meus peitos. Eu ficava muito envergonhada mas não podia fazer nada a não ser agradecer os presentes que ele me dava. Afinal eu tinha ido prá casa dele só com um saco de supermercado com poucas roupas. A gente ía jantar e sempre quando a esposa dele tava na cozinha trazendo as comidas, ele ficava encarando meus seios com cara de tarado, que chegava a lamber os lábios. Eu sentia que ele ficava passando a mão no pau dele por debaixo da mesa. Ficava tão envergonhada que os biquinhos dos meus peitos ficavam duros na hora piorando mais ainda minha vergonha. Quando minha tia chegava ele disfarçava mas sempre que podia olhava meus bicos duros roçando na camiseta com os movimentos que eu fazia para comer. Naquela noite, escutei minha tia brigando com ele. Chamava ele de velho safado, que as roupas que ele me comprava eram indecentes. Que a camiseta que eu tava no jantar era tão transparente que dava para ver até a cor dos meus bicos e etc. Lembrei da frase da minha mãe : "Homens são todos uns tarados " Uns meses depois meu tio se separou dela e foi aí que tudo começou a acontecer. Ficamos só eu e ele morando na casa. Ele passou a se atrever para cima de mim cada vez mais ... Quando um dia eu voltei da escola, ele estava com um velho amigo dele na sala vendo um filme pornô. Eu não sabia o que fazia de tanta vergonha,só dei boa tarde e fui para o meu quarto. Ele veio atrás de mim e pediu para eu colocar uma "daquelas" camisetas e servir uma cerveja para eles. Fiz o que ele me mandou e ao servir os dois quase comeream meus peitos com os olhos ... Ao servir meu tio ele encostou o copo de cerveja de propósito num dos meus bicos que ficou logo duro pelo gelado. O calor estava insuportável e pedi se podia sair para tomar um banho. Meu tio me mandou sentar e assistir o filme com eles. Eu resisti e disse que não gostava daquilo. Ele se levantou e me sentou a força. Eu olhava o chão e ele me mandava ficar olhando o filme. Depois de alguns minutos escutei ele falando para o amigo dele: "Olha só os biquinhos dela. Não são deliciosos?" O amigo respondeu: " E como camarada ! E como! já deu uma mamadinha neles? São tão durinhos que eu tô doido prá dar uma lambidinha ..." Meu coração começou a disparar de nervoso quando me olhei e vi que com o calor, minha blusa tinha ficado toda molhada e totalmente transaparente. Era o mesmo que estar nua ! Depois de algum tempo vi que eles passavam a mão no pau deles e eu então saí rápido e fui para o banheiro. Acho que fiquei a tarde toda por lá. Quando saí, vi que eles não estavam mais na casa e então comi alguma coisa, fiz o jantar e fui dormir. No meio da noite eu tomei um susto, pois quando acordei, vi meu tio em cima de mim, totalmente bêbado, puxando bem devagarinho minha camiseta para cima ... Morrendo de pavor eu não abri mais os olhos e achei melhor fingir que dormia. Ele foi subindo, subindo até meus peitos ficarem todos para fora. Acendeu a luz do abajur da mesinha e falou : " Estou seco para dar uma boa chupada nesses bicos e não passa de hoje. Se você não quiser voltar para a sua mãe fica QUIETINHA !!!! " Começou então a pegar os bicos com os dedos, puxava eles para fora, devia molhá-los na saliva porque eu sentia eles todos lambuzados. Apertava mais e mais e com dois dedos ele pegava na pontinha deles e puxava dizendo que queria ver eles bem durinhos para dar uma chupetinha. Uma sensação doida começou a tomar conta de mim. Eu não consigo descrever ela até hoje. Foi uma mistura de nojo, asco, medo, mas eu percebi que estava achando muito gostoso. Nunca nenhum homem tinha nem passado a mão nos meus peitos. Só tinha dados uns beijos na boca nuns garotos da minha terra. E o pior de tudo é que a parte do corpo que mais sinto tesão é justamente nos biquinhos do meu peito. Quando eu me masturbava, sempre passava um pouquinho de óleo na pontinha deles e ficava passando a ponta dos dedos nos bicos até gozar. Ficava louca de tesão. Bem, depois de meus bicos estarem para lá de duros e salientes, ele passou só a pontinha da língua em movimentos rápidos. Depois meteu a boca e mamou que nem bebê, sugava eles para fora como se quisesse que saísse leitinho deles. O nojo que eu senti foi virando tesão com o tempo. Até que ele de repente parava e ía embora. Eu abria os olhos e via a porra dele por todo o lençol. Isso foi práticamente toda a noite. Na véspera de eu fazer 14 anos, ele me ofereceu uma bebida no jantar e disse que era para eu ficar mais alegre. Que eu ía dormir melhor e mais rápido pois ele tinha um presente maravilhoso para mim, depois que a meia-noite entrasse. Eu bebi e até que gostei. Comecei a ficar meia zonza depois do terceiro copo e não me lembro de mais muita coisa. Só lembro de estar já na cama. Apaguei logo e não sei quanto tempo depois, acordei toda amarrada e nua ! Ele disse que já estava há mais de meia hora ali fazendo de tudo comigo ... Meus bicos do peito estavam tão duros, mas tão duros que ele deve ter mamado uma meia hora sem parar ... O safado percebeu que eu fico louca de tesão nos biquinhos e me excitava demais por aí... Como eu era virgem, ele fez de tudo comigo, mamou meus bicos, colocou a pica para fora e vi que era grossa e tava toda lambuzada. Passou ela na minha cara e me obrigou a chupar a cabeça ... Me dava ordens: "Mama a cabecinha ... isso .. passa a ponta da linguinha no meu caralho. Isso sobrinha putinha ... Mama gostoso .. suga a cabeça e chupa bem..." Passou ela toda melada no meu peitinho. Pincelando cada bico. Arreganhou minhas pernas mais ainda e ficou horas mamando meu grelinho. Abria minha bucetinha e o grelinho pulava bem para fora e ele passava a ponta da língua nele para eu ver. Enfiava a língua na portinha, lambia lá por dentro. A frase da minha mãe veio de novo na minha cabeça. E me vi ali, com o irmão da minha mãe, um velho de 55 anos em cima de mim me lambendo, mamando, me chupando toda e eu arreganhada... Minha buceta toda aberta para ele, meus bicos duríssimos pulavam pela minha respiração ofegante. Totalmente pelada e indefesa para aquele velho safado e tarado. E eu, já com 14 anos, adorando aquilo tudo que me deixava completamente maluca. Meu corpo todo latejava e a idéia de ele ser bem mais velho que eu me deixava mais excitada. Comecei a me sentir uma putinha bem safada e percebi que ía querer aquilo todos os dias. Senti vontade de falar isso para ele mas fiquei com medo. Ele gozou na minha boca e mandou eu engolir tudinho. Depois me desamarrou, encostou as costas na cama, me encaixou no meio das pernas dele, e eu de costas para ele deitei no seu peito. Ele tinha trazido o espelho da cômoda para ficar bem em frente da gente. Mandou eu arreganhar as pernas para ver a bucetinha pelo espelho. Colocou uma porção de saliva nas mãos e começou a acariciar meus seios mandando eu olhar pelo espelho para me excitar. Eu fiquei cheia de tesão com aquilo. Mandou eu encher meu dedo com a saliva dele e começar a bolinar meu grelinho me masturbando. Perguntou se eu tava gostando e eu com medo disse que "sim" . "Isso minha criancinha...titio vai te fazer ficar louquinha todas as noites de tanto que você vai gozar. Esses biquinhos vão ficar maiores de tanta mamadinha ...Goza para o titio goza putinha safada. Tá gostando do titio fazer essas coisas todas nojentas com você? Claro que está.Antes de você acordar, titio mamou direto nesses biquinhos durinhos e você gemeu gostoso, titio ficou maluquinho e lambeu essa xoxotinha todinha. Tava molhadinha de tesão. Sabia que assim que coloquei os olhos em você titio ficou maluco? Vai se masturbando ... Aquela velha só me atrapalhava. Eu queria já ter feito isso há mais tempo em você sua putinha. Eu ficava maluco de ver toda hora esses peitinhos nas blusinhas que eu comprava. eu fazia de propósito para poder ver esses biquinhos duros quase rasgando a camisetinha. Uhmm que vontade eu tinha de rasgar e cair de boca nesses bcios e mamar até cansar. Amanhã a gente vai comprar umas camisolinhas brancas todas transaparentes e você só vai usar isso para dormir, viu? Uns shortinhos bem curtinhos para por essas popinhas arrebitadas para fora e bem apertadinhos que eu quero ver marcar a rachinha da tua xoxotinha." Eu escutava tudo aquilo e ficava cada vez mais louca! Me sentia uma putinha ninfeta bem safada doida para fazer tudo aquilo para deixar ele mais doido por mim. Até que eu gozava do corpo todo estremecer e ele me soltava para enfiar a língua toda dentro da xoxota e puxar o caldinho de lá de dentro e saborear com cara de tarado na minha frente. Isso passou a ser nossa rotina de todo dia. Ele inventa tanta sacanagem gostosa de fazer que não tem como não ficar todo dia excitada. Eu respiro sexo e safadeza todos os momentos do dia ... No início ele me obrigava a fazer as coisas mas depois de algumas semanas, eu acabei ficando tarada e bem putinha ... Adoro as sacanagens que ele faz comigo. Morro de tesão. Todo dia ele inventa uma putaria para fazer. Trás os amigos velhos dele, trás umas putinhas ninfetas da rua. Filma tudo e a gente faz sempre uma suruba bem gostosa. Um dia ele trouxe a Patrícia para morar com a gente que é uma piranhinha de rua. Ela tinha 15 anos. Ele fazia eu mamar o grelo dela, ficarmos bastante tempo mamando os biquinhos uma da outra e ele batendo uma punheta olhando ... Ele é tarado em bicos de peito de meninas novinhas e como eu tb sou, o tesão nosso é de endoidecer. Fico louca quando mamam meus bicos ... faço qualquer coisa ! Uma noite, eu não aguentei de tesão, minha amiga putinha estava mamando num bico e meu tio mamando bem gostosinho o outro ... Quase pirei e foi nesse dia que meu tio tirou meu cabaço, da xotinha e do cu enquanto a Patricia me chupava toda ... Foi uma delícia! Eu jamais me acostumaria a ficar um dia sem uma sacanagem dessa. Fiquei com tara em homens bem mais velhos, garotas novinhas e lésbicas velhas tb ! Quanto mais o cara for velho mais me dá tesão ... Eles ficam babando quando pegam nos meus peitinhos e bundinha ... Enfiam o dedo na minha xoxotinha, lambem meu grelo, meu cuzinho piscando. E alguns o pau nem sobe mais mas meu tio manda eu dar uma mamada para deixar eles felizes e eu dou uma chupetinha gostosa no pau deles ... Ele me faz ficar pelada na janela, me mostrar para os outros. Me manda colocar uma camiseta bem transparente e sair com ele para passear na rua. Fica cheio de tesão vendo os caras olharem sedentos meus biquinhos. Eles já ficam 24 horas do dia durinhos e bem arrebitadinhos. Ele toda hora que pode passa os dedos e aperta. Em todo lugar ! Quando dá, ele levanta ou abaixa minha blusa e mordisca os bicos e dá uma chupada para eles ficarem mais durinhos para os outros verem. Inventa cada história, cada sacanagem que eu, mesmo já acostumada fico às vezes assustada, mas no fim eu deliro de tanto tesão. Já me levou numa boate de putaria e me fez tirar a roupa toda e dançar que nem uma puta sendo bolinada por uns 20 homens. Vive levando mulheres lá em casa e faz com que elas façam de tudo comigo enquanto ele bate uma punhetinha. Leva garotinhas novinhas, velhos, gringos que ele conversa no meio da rua. Tudo que uma pessoa pode imaginar é pouco para o que a gente já fez. Eu tenho milhões de histórias para contar! Milhões ! E adoro escrever sobre isso. Quando achei este site me excitei sabendo que deixarei outras pessoas excitadas lendo as coisas que acontecem comigo. Vou deixar o meu mail porque quero me corresponder com todos que se esxitaram com as coisas que escrevi. Vou escrever mais para este site aqui ! Aos poucos vou contando as minhas histórias. Então, me escrevam! Gosto de falar sacanagens! Às vezes vou para os chats e me masturbo bem gostoso. Entro em chats de lésbicas e de homens bem mais velhos. Adoro! Podemos trocar mails ! Sabe de uma coisa que me excita muito e que várias pessoas me mandam? Fotos da Internet de mulheres com os biquinhos sendo chupados por outras mulheres, chupados por velhos. Fotos de mulheres exibindo os biquinhos bem duros e uma porção de gente olhando e etc. Já deu para vocês repararem que meu grande tesão são biquinhos dos peitos. Adoro ser chupadinha neles como também adoro mamar nos biquinhos de outras mulheres. Não posso ver uma foto dessas, com os biquinhos bem durinhos que tenho logo vontade de dar uma lambidinha. Procuro demais por estas fotos na Internet, principalmente de ninfetinhas bem putinhas como eu. Os títulos de minhas mensagens serão sempre "Renata Ninfetinha" para me reconhecerem, tá? Agradeço ao dono desta home-page por poder fazer isso e ficar excitada lendo esses contos eróticos. Espero que tenham gostado do meu ! 

 

2.

APÓS A FESTA DE FORMATURA

"Quando me chamaram para dar uma esticada após a festa de formatura, logo concordei. Afinal eu já conhecia Mauro, Luiz, Caco e Alex a mais de dois anos. Éramos colegas de turma e até pensei que mais garotas iam. Mas não foi bem assim. Seguimos para uma boate no recreio, longe de tudo e somente nós cinco. Dançamos, bebemos e nos divertimos bastante. Mas eu bebi demais. Comecei a ficar tonta. Alex sugeriu então que fossemos para sua casa, pois lá havia bastante cerveja e ali não tinha mulher mesmo. Reclamei dizendo que eu estava ali e Mauro disse então que eu teria que dançar com os quatro, concordei falando “sem problema”, e seguimos para a casa de Alex. Ao chegarmos, Alex colocou uma música lenta e Mauro me chamou para dançar. Mauro me abraçou, colou seu corpo ao meu e começamos a dançar. Acho que foi o efeito da bebida que fez Mauro se colar tanto a mim. Senti suas mãos acariciando minhas costas, sua perna entre as minhas e o calor do seu corpo. Deitei meu rosto no seu ombro e me deixei levar. Os outros estavam sentados no sofá, bebendo e nos olhando. O que eu não sabia e que Mauro, na verdade, enquanto me acariciava, havia levantando meu vestido, deixando minha bunda quase toda a mostra. Meu vestido de malha, curto e colante, subia pouco a pouco e o pior e que, como a calcinha marcava muito, eu havia ido a formatura sem ela. Alguém apagou a luz, deixando a sala numa suave penumbra. Mauro procurou minha boca e me beijou. Deixei, estava gostoso e ele era um gato mesmo. Esqueci que os outros estavam ali e deixei Mauro acariciar meus peitos. Comecei a ficar excitada. Senti sua mão em minha coxa e nem me toquei do vestido, mesmo quando ele colocou a mão na minha xota e sentiu que ela estava molhadinha. Ele começou a tocar uma ciririca, gostosa, suave. Me beijava a boca, chupava minha língua, me apertava para que eu sentisse seu pau duro, de encontro a minha coxa. Não estávamos mais dançando. Estávamos parados, eu deixando Mauro fazer o que queria comigo. Mauro tirou meu vestido. Fiquei nua. Mesmo assim, recoloquei meus braços em volta do seus pescoço e continuei entregue aos seus carinhos. mauro botou o pau prá fora, pegou minha mão e me fez segurar. Estava super duro. Era grande e grosso, e já estava melado com a nossa ralação. Comecei a bater uma punheta. Fiquei com voltado de sentir tudo aquilo dentro de mim e quando ia falar para irmos para a cama, senti que alguém me abraçava por traz. Só então e que me toquei que não estávamos sós. Foi ai que me lembrei que Caco, Alex e Luiz estavam ali também. Olhei assustada para eles, e vi que estavam todos nus. Mauro ainda me prendia em seus braços e Alex esfregava a pica dura em minha bunda, enquanto Caco e Luiz, nos olhavam e batiam punheta. Tentei me soltar mas Mauro, me apertando mais e colocando a mão na minha xota disse: “calma, eu falei que você teria que dançar com os quatro, não falei ?”. Alex segurava meus peitos e havia colocado o pau no meio de minhas pernas. Estava quase entrando na minha xota. Fiquei sem saber o que fazer. Mauro, então, me fez abaixar a cabeça. Alex, segurando em minha cintura, não permitiu que eu dobra-se as pernas e abrindo-as um pouco mais, entrou em mim. Eu estava agora com a boca no pau de Mauro. Comecei a chupa-lo. de início, só a cabeça, mas a medida que Alex enfiava o pau na minha xota, eu ia engolindo aquela tora, quase me engasgando quando ela tocava na minha garganta. Mauro gozou. Encheu minha boca de porra, e segurando minha cabeça, não deixava tirar o pau de minha boca. Tive que engolir a porra toda. Quando ele tirou o pau de minha boca, Alex me fez deitar no chão e aumentou os ritmos das estocadas. Gozei. Ele também gozou e enquanto eu ainda sentia o torpor do gozo, uma pica dura e descomunal começou a entrar na minha xota. Era Caco que, depois de se posicionar, enfiou de uma só vez. Senti como se estivessem me rasgando. Gritei e tentei tirar a pica, mas com o peso do seu carpo, ele me prendeu. Suas mãos estavam em volta do meu ombro e a cada mexida minha, mas entrava. Eu nunca havia sentindo um pau tão grande, mesmo com toda a porra de Alex na minha boceta me lubrificando, parecia que eu estava seca. Eu gritava, pedia para tirar, mas Caco se excitava cada vez mais e metia com força. Felizmente Caco gozou logo. Inundou minha boceta, gozou na minha bunda, em minhas costas. Olhei para Luiz que se aproximava. Seu pau, era normal. Grande, mas nada comparado ao pau de Caco. Ele se ajoelhou sobre minhas pernas, espalhou a porra de Caco nas minhas costas, quase me fazendo um carinho. Passou as mãos na minha bunda, escorreu a porra pelo meu rego até a minha xota, enfiando e tirando o dedo, que saia cheio de porra e deslizando pelo meu rego, em volta do meu cú enfim, me melando mais. Gentilmente colocou a pica na minha xota e começou um vai e vem gostoso. Mesmo dolorida, a pica de Luiz estava gostosa. Comecei a ficar louquinha de novo e gemi. Pedi “mete mais, tá gostoso”. Luiz, com movimentos cadenciados, ia metendo. Meteu tudo. Eu já estava louca de tesão de novo. Sua pica entrava e saia de minha xota de forma carinhosa, diferente dos outros, do jeito que eu gostava. Luiz tirou a pica de minha xota e arrastou pelo meu rego. Quando passou por meu cú, tive uma sensação que nunca havia tido. Deu um “aiii” prolongado. Ele encarou como se eu estivesse afim de dar o cú e deitando sobre meu corpo, falou no meu ouvido: “me dá essa bundinha gostosa?”. Sua língua entrou no meu ouvido, me causando uma sensação indescritível. Não respondi. fiquei só gemendo e curtindo sua língua e a pica que se arrastava pelo meu rego, passando pelo meu cú, indo até minha xota e voltando. Como não respondi, Luiz segurou o pau com a mão direita, enquanto a outra acariciava meu grelo, e posicionou o pau no meu cú. Bem devagar colocou a cabeça do pau, já bem lubrificada, e foi entrando. Doeu um pouco, mas sua língua em meu ouvido, seu dedo no meu grelo, compensavam a dor. Ele foi metendo bem devagar e quando a cabeça entrou, senti como se tivesse perdido novamente o cabaço. Mauro, já de pau duro de novo, começou a esfregar o pau na minha cara. Comecei a chupar seu pau. Era uma sensação incrível. Eu já havia tentado dar o cú, mas nunca tinha conseguido e hoje, estava dando e gostando. Luiz me fez virar, com o pau ainda no cú, e deitar sobre ele. Literalmente, sentei no seu pau e senti que entrava tudo. A dor era compensada pelo tesão. Mauro então, veio pela frente e colocou o pau na minha xota. Não dá prá descrever o que eu sentia. Os dois paus entrando e saindo de mim me levavam aos céus. Alex veio e colocou a pica em minha boca. Comecei a chupar gostoso. Caco também trouxe a pica já dura de novo e me deu para chupar. Mesmo puta com Caco, achei melhor faze-lo gozar com a boca, pois não iria agüentaria aquele trabuco novamente em mim. Assim, alternava a chupada entre a pica de Alex e a de Caco, enquanto Mauro e Luiz me fodiam gostoso. Foi Caco que gozou primeiro, lambuzando minha cara de porra. Esfreguei minha cara cheia de porra no pau de Alex e chupei com força, sentindo logo seu jato quente em minha boca. Mauro gozou depois e finalmente Luiz, me colocando de quatro e me fazendo uivar feito uma loba, gozou abundantemente em meu cú. Caímos os cinco no chão esgotados. Meu cú ardia e minha xota também. Mas o prazer que eu havia sentido era tão grande que agora seria difícil ir somente com um cara para a cama.

lobinha40@hotmail.com

terça-feira, 12 de julho de 2011

JÁ QUE O ESTUPRO É INEVITÁVEL... RELAXA E GOZA! E OUTROS…

 

10

" Oi pessoal. ... Tenho 18 anos, sou morena tipo índia, 1,76m, muito gostosa, rabinho empinadinho, seios volumosos, lábios carnudos que sempre destaco com batons vermelhos, meus olhos esverdeados me dão um tipo exótico que mexe com os homens em qualquer lugar que eu vá. Apesar de tudo sou uma moça tímida, de poucos namorados, até agora apenas três, dos quais apenas um teve a felicidade de chegar mais profundamente em meu íntimo. Aqui no Sul o verão é muito quente, como em qualquer outra parte do Brasil. Tomei meu banho matinal, vesti um vestidinho de alcinha bem soltinho, chamam babylook, mas para mim é "camisolinha"... pelo alto grau de sensualidade que esses vestidinhos nos dão. Prendi meus cabelos e coloquei uma sandália, saí como uma verdadeira ninfetinha ingênua que sou. Trabalho como estagiária em um escritório no centro de São Leopoldo, mas moro em Porto Alegre, oque torna minha viagem longa e às vezes cansativa. Caminhava distraidamente pela rua quando em um aglomerado numa esquina algum engraçadinho atrevido aproveitou-se do aperto e do movimento das pessoas para atolar a mão em minha bunda. Que ódio! Caminhei mais um pouco pela Dr. Flores quando na esquina das Lojas Renner um senhor de meia idade passou por mim e disse: - Putinha gostosa, te chupava todinha! Argh!! Só de imaginar aquele velho me tocando fiquei enojada. Porém, sem saber por que comecei a umedecer minha bucetinha, as coisas estavam saindo de controle. Entrei no ônibus, já totalmente lotado e permaneci em pé. A viagem dura mais ou menos uma hora e meia, eram 6:30hs, da manhã, eu estava meia hora adiantada, pois sempre pego o ônibus das sete horas. Como tinha acordado muito disposta não me importei em ir mais cedo ao serviço. Logo que o ônibus pegou a BR 116 senti algo roçando minhas coxas. Era uma mão, sentia os dedos deslizarem como se fosse por acaso, sem querer. Mas os dedos continuavam ali, e eu resolvi dar um pequeno passo para o lado e escapar daqueles dedinhos atrevidos. Mais algumas paradas e desta vez senti uma coxa grossa a colar na minha. Era rígida, musculosa, e eu não tinha mais como escapar. Não tive coragem de olhar para tras, e permaneci estática. À medida em que íam subindo mais passageiros e o movimento nos corredores era cada vez mais apertado e difícil o cara foi se chegando e se encaixando em mim. De repente senti um pênis enorme encaixar bem no meio de minha bundinha. Gelei! Tomei coragem e olhei para tras. O cara estava de abrigo, pelo jeito tirou o pau para fora das cuecas, pois ele estava lá, enorme e balançando, latejando em minha bunda, dava apenas para ver o volumão que ficou aparecendo sob o tecido do abrigo de tectel. Era um rapaz de uns 28 anos, moreno, tipo sarará, muito bonito, dentes perfeitos, olhos amendoados, simpático, e ao perceber meu espanto começou a alisar o pau enquanto eu olhava para baixo. Tudo isso foi em questão de segundos. Voltei-me para frente e fixei meu olhar na rua, procurei ficar totalmente indiferente ao que estava acontecendo atras de mim. Como não esboçei reação, o cara liberou de vez. Encostou-se em mim com força, nossa, quase me penetrou por cima do tecido mesmo... Seu pênis pulsava com força, e eu instintivamente abri um pouco as pernas sentindo a cabeça de seu pênis encostar na portinha de meu cuzinho... Resolvi desfrutar daquela maravilha que estava me pressionando. Mas sem olhar para tras. De repente ele começou a estremecer, senti suas pernas falsearem e ele abaixar um pouco a cabeça e dar um suspiro, gemido em meu ouvido. Fui sentindo o pau dele amolecer, não acreditei e resolvi olhar... ele havia gozado, dava para ver a mancha de porra em sua calça... o filho da puta gozou se esfregando em mim, e agora eu ía sentindo que sua porra me molhava as coxas... Fiquei indignada, pedi licença e fui para frente.

Deu um lugar e sentei-me, no corredor. Estava meio sonolenta e pensando no que havia acontecido quando senti uma pressão em meu ombro... Era outro cara, desta vez um negro, ... Estava de bermuda e tinha uma pasta da Unisinos, devia estar indo para a faculdade... nossa, mas com aquelas coxas só poderia ser formando de Educação Física... Resolvi provocar e fingi procurar algo em minha bolsa, com isso meu cotovelo foi direto no pau do negão... Comecei a esfregar o cotovelo, e ele foi crescendo, crescendo, crescendo... era tão grande quanto o outro, e sei lá oque deu em mim para fazer aquelas coisas... O cara foi ficando bem à vontade e de vez em quando esfregava discaradamente o pênis em minhas bochechas... Eu transpirava, estava excitadíssima, mas assustada ao mesmo tempo. Minha parada estava chegando, o negão deveria ter descido há muito tempo, pois a faculdade já tinha ficado para tras... Levantei para descer e vi o sarará ao lado do negão, curtindo o esfrega do outro. Desci do ônibus sem olhar para os lados, caminhei apressadamente, estava entre assustada e envergonhada com o que tinha feito. Entrei no prédio e fiquei aguardando o elevador. Trabalho no décimo andar, como estava adiantada o movimento era praticamento zero. Nem o guarda que controla a entrada das pessoas no edifício estava na portaria, foi quando percebi o negão e o sarará atras de mim, ambos com um sorriso sarcástico nos lábios... Arrepiei toda, de medo, medo mesmo! Fiz menção de voltar e não pegar o elevador, queria encontrar o guarda e avisar que aqueles estranhos não trabalhavam ali, mas eles me seguraram, e o sarará mostrou-me uma faca pontuda e afiada, colocou-a em minha barriga e mandou ficar calada... Em desespero eu olhava para os lados, mas não tinha ninguém mais nos corredores... Minha última chance era o elevador, quando ele chegou pensei: agora a ascensorista começa a gritar e eles vão embora... Que engano! Como estava muito cedo nem as ascensoristam tinham começado a trabalhar ainda... Eles me empurraram para dentro do elevador, taparam minha boca, eu estava ficando sem fôlego... e fomos para o último andar. Saímos do elevador e eles me empurraram para a porta que dá acesso à escada de incêndio, eu tentava resistir mas o negão me deu um tapa no rosto e disse:- Você é quem sabe... ou faz com prazer ou com dor! Chorei, chorava muito, eles me pegaram no colo e subiram o último lance de escada, que levava para as máquinas que controlam o elevador. O barulho era muito alto, e mesmo que eu gritasse ali ninguém me escutaria, pois a escada de incêndio é isolada do corredor pelas portas corta-fogo. Eles falaram para eu me acalmar que não iriam me machucar... mandaram eu tirar a roupa quietinha, pois não queriam rasga-la. Começaram a conversar comigo, dizendo o quanto seria bom, que eu era muito gostosinha e que tinha sido uma putinha dentro do ônibus, não acreditavam que agora eu estava ali fazendo "cú doce". Comecei a rir... eles tinham conseguido me deixar calma... fui gostando da idéia, afinal, o único homem que havia me comido, não tinha nem metade do tamanho do pau deles, e ambos eram musculosos e bonitos, de mais a mais sempre sonhei com aventuras... sempre gostei de ler os contos eróticos e agora eu estava sendo a personagem principal de meu próprio conto. Resolvi gozar para valer e tirar o máximo proveito da situação! Tirei a roupa, enquanto eles também se despiam... Vi duas "mangueiras" entre suas pernas... as duas enormes, com certeza mais de 21,5cm. e grossas, muito grossas... cheguei a ter calafrios na buceta ao olhar aqueles dois colossos... Sem que me mandassem caí de boca no pau do negão, ele estava em pé encostado na parede e eu chupei pela primeira vez um pau, era uma sensação deliciosa, sentir aquele músculo em minha boquinha, apertava suas bolas, babava tudo... estava ajoelhada e ele em pé, quando senti o sarará enfiar a cara em minha bucetinha, que já estava toda melada desde o ônibus. Era uma delícia sentir aquela língua áspera roçandoi meu clitóris, nunca tinha sido chupada antes... tudo era novo para mim e tudo era feito com muito tesão e energia... eu gozava na boca daquela sarará safado como uma verdadeira puta. Agora eu sabia o verdadeiro significado dessa palavra que os homens tanto adoram xingar uma mulher. O negão começou a tremer inteiro, pegou minha cabeça e puxou de encontro a ele, eu arranhava a cintura dele, arranhava a bunda dele, ele sufocou-me com aquele monstro e de uma só vez despejou um litro de esperma em minha boca... não tive coragem de engolir, mas enchi a boca, comecei a salivar para disfarçar o gosto salgado, e fui liberando toda a porra dele pelos cantos de meus lábios... ele ajoelhou-se e deu-me um delicioso beijo de língua... que beijo, como ele beijava bem... o sarará continuava a fazer-me gozar em sua boca... meu negão continuava com o pênis durão, enquanto eu mastubava ele. chupava meus seios, dava estalos de tanto que chupava... estava com os biquinhos doloridos, mas era uma delicia sentir-me assim... deixava-me toda vermelhinha... foi quando senti o sarará pincelando minha xaninha com aquele cacetão... prendi a respiração, relaxei ao máximo, colocou-me de quatro, o negão estava deitado no chão sendo chupado por mim, e o sarará foi entrando muito lentamente, eu sentia cada milimetro de sua piça me preenchendo, gozei novamente quando ele atolou até as bolas baterem em meu grelinho. Começou a movimentar-se a a chamar-me de puta, piranha, vadia, aquilo tudo era música para mim... Estocava com força, parecia que eu seria partida ao meio... mas o melhor ainda estava por vir... Meu negão levantou-se, pediu para trocar de lugar... Pela primeira vez eu sentia o gosto do pau do sarará em minha boca, olhei para ele e disse que queria beber toda a sua porra... mamei como um nenê esfomeado... Meu negão foi me penetrando e senti na carne o quanto ele era mais grosso que o outro, ele sabia como comer uma putinha... Ele não ficava apenas tirando e botando, naquele entra e sai que é comum... ele dançava dentro de mim... Seus movimentos eram ritmados, circulares, sentia-me totalmente preenchida, nehuma parte interna de minha vagina ficava sem ter a atenção daquele falo delicioso... gozei de uma forma branda, calma, porém muito, mas muito intensa... quase desfalecendo, perdi minhas forças ao gozar no pau do meu negão... O sarará quando viu meu gozo não aguentou, e jorrou todo aquele leite em minha boca, porém desta vez eu já estava mais acostumada, e engoli o quanto pude, o resto espalhei pelos meus peitos, meu rosto... Senti o negão gozando dentro de mim, nossa, nunca tinha sentido um jato de esperma tão forte... parecia um jato de água fervendo... foi divino...

Olhei para o relógio, já estava na hora de entrar no escritório... Mas quem disse que eu queria? Eu queria mesmo era desfrutar muito mais daqueles dois deuses do sexo... os dois estavam deitados no chão e eu ajoelhei-me de frente para eles e lambia a pau dos dois, ora um , ora outro... eles reagiram, começaram a crescer entre meus lábios, eu me sentia como uma criança que descobria o prazer de brincar com um brinquedo novo... Apertava aqueles dois colossos, punhetava com delicadeza e muita dedicação... o sarará foi me puxando pra cima dele, pediu que o cavalgasse... Nunca tinha transado por cima de um homem, achei o máximo... sentei na piça dele e sentia o pau bater em meu umbigo... era delicioso... o sarará começou a me puxar, pediu para chupar meus seios, fui me deitando sobre seu corpo e tinha meus peitinhos sugados de uma forma deliciosa... meu negão abriu as bochechas de minha bunda, caiu de boca no meu cuzinho... dei um gritinho de prazer... ele enfiou a língua no meu cú, tomei descargas eletricas em todo o corpo, que maravilha... ele lambuzou bem meu rabinho e enfiou um dedo de uma só vez... senti a respiração falhar... ele enfiou o segundo, e o terceiro dedo dentro de mim... abria os dedos, estava alrgando meu cuzinho, enquanto eu sentia o pau do sarará batendo nos dedos do negão... eu queria que ele substituisse logo os dedos pelo seu pauzão... ele foi muito delicado, gentil e educado, perguntou se eu realmente queria que ele comesse meu cú, ele me alertou dizendo que era dolorido, mas que depois que eu acostumasse seria divino... Implorei para que ele parasse de falar e atolasse logo aquele pau negro no meu cú... Entrou, apertando, queimando, rasgando, eu chorava, as lágrimas escorriam por minha face, meu sarará beijava minha boca, meu rosto, bebia minhas lágrimas me elogiava dizendo que eu estava sendo demais... meu negão começou a bombear... tinha dois paus enormes dentro de mim e queria muito mais,muito mais... …………….

………………………….pulava no meio dos dois, gozava, gritava sem pudores, quando vi que Geraldo, o guarda da portaria assistia a tudo admirado com minha performance, batia uma punheta loucamente... fiz sinal para que ele se aproximasse, ele veio já abaixando as calças... lambi seu pau, não era tão grande quanto os outros dois, mas eu nem queria saber... naquele momento daria minha buceta e meu cú para todos os homens que aparecessem por ali... queria ser estuprada com vontade, já que estava ali, ali eu queria ficar... O sarará gozou novamente dentro de mim... o negão foi inclinando-se deitando de costas no chão e foi me puxando, trocamos de posição... ele deitado de costas comendo meu cuzinho, e eu fiquei com as pernas totalmente abertas... Geraldo veio a enfiou o pau na minha buceta... sentia a porra escorrer por minhas coxas, sentia meus pentelhos lambuzados, grudentos, meus seios eram uma mistura de saliva e esperma... eu era uma puta de verdade... Gozava sem contar mais... só queria gozar... Meu negão deu-me novamente aquele monte de lava... queimando desta vez meu cú... Gozou como um animal... Levantou-se deixando Geraldo se deliciando comigo... O negão e o sarará se vestiram e foram saindo lentamente, enquanto Geraldo me comia com vigor... Geraldo deu-me um tapa no rosto dizendo que há muito tempo batia punhetas pensando em mim... Virou-me de quatro comeu meu rabo violentamente... Foi uma penetração bem diferente das outras... o negão e o sarará foram delicados, Geraldo estava me violentando... agora que ele estava sozinho revelava-se violento, e eu estava adorando...Batia em minha bunda, dava tapas em minha bunda, em minhas costas, me mordia o pescoço, me deixou cheia de chupões... Gozou dentro de meu cuzinho puxando meus cabelso e me chamando de égua, cadela... Tirou o pau de dentro de mim, olhei e vi ele todo sujo de sangue... Mas eu tinha gozado pra valer... era uma mulher completa! Geraldo vestiu-se olhou para mim e falou: - Vista-se logo, senão vou chamar o outro guarda para vir aqui te comer, putana! Vesti-me rapidamente, meu horário de entrada já estava muito distante, o vestidinho de alçinha não escondia os chupões que Geraldo deu em meus seios, costas e pescoço...

Desci e corri para pegar o ônibus... voltei para casa... Cheguei discretamente e corri para meu quatro, tomei um banho e dormi o resto do dia... Quando acordava sentia meu cú ardendo, a porra escorria aos pouquinhos dele, minha vagina estava ensopada... masturbei-me umas dez vezes naquele dia... Agora, Geraldo viciou em mim... hoje é 24 de novembro, ontem e hoje quando cheguei no edifício Geraldo pegou o elevador comigo, e me comeu na escada de incendio.

0016

MINHA FILHA E O JUMENTO

" Fred nome é Fred, tenho 43 anos e sou desquitado, não diria que somos bons amigos, mas isso não importa, o que importa é que dessa relaçao nasceu Kátia, linda desde bebê sempre surpreendeu pela beleza, hoje tem 21 anos e vou descrevê-la: alta (1,80), loira com cabelos até a cintura, magra na medida certa com um corpo cheio de curvas parecido com o de cyndi clawford, mas o que mais se destaca é o rosto, lindo, exótico, de simetria perfeita, branquinho sem qualquer mancha ou marca, um queixo esculpido com um lindo furinho, um nariz empinadinho, pequeno e perfeito, os olhos entao faziam qualquer um delirar, eram verde-esme- ralda, mudavam de cor de acordo com a luminosidade e eram ligeiramente vesgos o que lhe dava um charme único. Eu nunca disse isso a minha filha mas eu era praticamente escravo de seus olhos e quando criança tudo o que ela queria ela conseguia através deles. Com toda essa beleza ela chegou a arriscar uma carreira de modelo, fez algumas fotas para revistas mas jogou tudo para o alto quando conheceu Fernandinho, um rapaz negro,sorridente(lembra o neguinho da Beija Flor) só que baixinho para ela (1,65), era até engraçado ver os dois paseando principalmente porque minha filha gosta muito de usar salto, o que a deixa com quase 2 metros. Uma vez perguntei a ele se nao se incomodava mas ele respondeu que se divertia pois percebia os olhares aflitos de todos os homens que os cruzavam perguntado com os olhos como um cara feio daquele pode ter um boing 747 desses ao seu lado(palavras dele).Pra falar a verdade ate eu me fazia essa essa pergunta de vez em quando.Até que um dia... Dois meses após o casamento fui até o apartamento deles fazer uma visita, Ao chegar o porteiro me disse que eles haviam saido mas avisaram que voltavam logo e nao haveria problema em me deixar entrar e aguardar. Sentei na poltrona e meio sem saber o que fazer peguei o controle e liguei a TV, estava passando programa político, como eu adoro esses programas,peguei logo o controle do video que estava na mesa de centro e apertei o PLAY, logo apareceu uma pessoa nua na tela e eu prontamente apertei STOP, fiquei com medo de estar invadindo a privacidade daquele casal, ao mesmo tempo aquela cena havia invadido meu ser e estava cravada em minha mente, observei minha mão tremula sobre o PLAY pedindo para ser acionado. La estava eu diante da cena novamente, notei que era um video amador e quem estava lá era ninguem menos do que minha filha. Desliguei novamente e ansaiei ir embora mas o tasao foi mais forte, sentei decidido e apertei aquele botao com a força de alguem que estave revoltado, enciumado, apreensivo e estremamente tarado. Minha filha na verdade nao estava nua totalmente mas apenas de calcinha branca e salto alto sentada na mesma poltrona em que eu estava, a camera parou de mexer e saiu em direçao a minha filha um vulto que era o Fernandinho. Ele estava de cueca preta e uma camiseta do Botafogo, começaram a se beijar e logo Fernandinho devorava os fartos seios de Kátia que pareciam dois meloes maduros, redondinhos e fartos desafiando a lei da gravidade. Colocou ela de quatro e começou a lamber o cuzinho de Kátia por cima da calcinha, meu pau parecia que ia explodir, de repente Fernandinho tira a camiseta e vejo uma cena jamais vista, seu penis passava do umbigo, era absurdamente grande e grosso, olhei para o meu pau que neste momento ja estava sendo punhetado e dei risada de quao pequeno era, pelos meus calculos a rola do meu genro passava de 40 cm x 7 cm voce deve estar duvidando o pensar que eu estou exagerando mas estou lhe dizendo, nunca vi um tamanho igual nem em filme pornô e olha que nao assisti poucos, era colossal. A minha minininha, coitada tentava coloca-lo na boca mas nao entrava nem a cabeça, ela o lambia de baixo ate em cima percorrendo um longo caminho, o segurava com as duas maos e o resfregava em se rosto perfeito. Em seguida ela se levantou tirou a calcinha e começou a sentar aquela bocetinha loirinha naquele cacetão negro, foi com muito esforço que entrou a cabeça, eu nao acreditava no que estava vendo, minha carinha de anjo sendo arregaçada por aquele jumento, ele a puxou violenamente pelas ancas o que a fez descer de uma vez por aquela rola fazendo-a gritar e chorar, lágrimas vertiam daqueles lindos olhos e ela reclamava de dor, ficaram assim durante algum tempo mas logo ela tentou escapar levantando o corpo, quando ela conseguiu chegar ate a cabeça ele puxou-a de novo enterrando mais ainda do que na primeira vez,chorando Kátia reclamava de dor e pedia piedade, tentou escapar mais algumas vezes mas ele sempre a puxava de volta divertindo-se com isso. Tadinha do meu nenêm pois o pior ainda estava por vir, Kátia já esta bobinha quando Fernandinho a jogou de quatro no chao, ela olhava atordoada para a camera como se estivesse pedindo ajuda, o lazarento apontou aquela jeba para o cuzinho de Kátia, dava vontade de pular para dentro da tela e salvá-la pois nem a maior puta do mundo aguentaria aquilo. Ele tentava invadir as entranhas de Kátia sem sucesso pois nao entrava de jeito nenhum, eu torcendo para ele desistir quando de repente Kátia dá um berro e seu rosto cai de encontro ao carpete deixando-a ainda mais arreganhada, a cabeça daquele caralho havia entrado, nao sei como no buraquinho mais apertado da minha princesinha, Kátia surpreendentemente levantou o rosto desfalecido, olhou para a camera com olhar languido e cabelos desgrenhados, passou a lingua entre os lábios como uma piranha de filme porno, e disse, - chega de fazer cena, de fingir que nao estou gostando, manda ver amor, enfia esse nabo inteirinho no meu cú! naquele instante eu me assustei, toda a espressao angelical de Kátia deu lugar a uma feiçao endiabrada, quando Fernandinho começou a enfiar aquele nervo enorme naquele cuzinho delicado a maçaneta da porta começou a girar juntamente com o barulho de chave, so deu tempo de eu colocar o pau pra dentro da calça e desligar o video. Quando entraram nao me levantei pois o volume na calça apareceria, Fingi-me interessado na novela que estava passando, minha filha veio me beijar e enquanto me beijava pensei imediatamente: porque voce nao beija minha rola sua piranha! Quando Fernandinho chegou perto instintivamente olhei para sua calça tentando imaginar como tudo aquilo cabia alí, dei a mao para ele e fiz a brincadeira que eu sempre faço com ele dizendo-lhe, - bonita camisa Fernandinho!, na verdade o que me deu vontade de dizer é: bonito CACETE Fernandinho!!!

segunda-feira, 11 de julho de 2011

EU, MINHA NAMORADA E UMA NINFETA e OUTROS

8

EU, MINHA NAMORADA E UMA NINFETA (Luthi)

" Olá, Moro em Fortaleza, tenho 28 anos e me chamo Luciano, Luthi para os amigos. Sempre fui tido como um cara legal, bonito e, segundo as mulheres que já transei, muito bom de cama, embora não seja bem dotado. Acho que, exatamente por isso, sempre me empenhei em deixá-las loucas na cama, e acho que tenho conseguido, pelo menos até hoje... Bom, vamos ao que interessa este é o 1o conto que escrevo e é real, os nomes foram trocados por motivos óbvios... Era um Sábado e estava com uma puta vontade de sair sem a minha namorada, tomar umas... Liguei para a turma e todos estavam de ressaca ou iriam sair com seus respectivos, foi então que me lembrei que havia uma calourada na Reitoria da Federal do Ceará. Como tb faço faculdade fui pra ver se encontrava alguns amigos e, quem sabe, uma gatinha. Liguei para a Renata (minha namorada da época, uma loira de 1.70m, olhos amendoados, corpo perfeito, 22 anos, uma gata!) e dei uma desculpa qualquer e lá fui eu... Quando cheguei, ao passar por um grupo de garotas elas soltaram umas piadinha tipo: hei gatinho, como é seu nome e coisas assim... Prestei mais atenção ao grupo e vi uma coisinha linda: 1.60m cabelos ruivos, olhos verdes e um corpo de deixar qualquer homem, que honre o que tem no meio das calças, louco! Fui até lá e tratei de me apresentar, fazendo questão de ficar mais perto daquele monumento de 18 anos que se chamava Germana. Começamos a conversar e trocamos telefones. Como ela tinha me dito que estava namorando meu interesse diminuiu e resolvi procurar por alguém conhecido. Passado + ou - 2 hs. Eu a vi perto da barraquinha que eu estava bebendo e resolvi chama-la e, de cara, a apresentei como minha namorada para a turma, ela não disse nada, acho que até gostou... Chamei-a para dançar um forró e fiz um passo que ela ficou de costas pra mim, como já estava de pau duro ela percebeu, mas como não disse nada continuei a me esfregar nela e quando a virei de volta ganhei um beijo daqueles!! Pensei que a garota fosse arrancar minha língua!! Como estávamos em publico convidei-a para irmos a um lugar mais reservado o que ela aceitou de pronto. Já estávamos no maior amasso quando ouço uma voz "Luthi, o que você está fazendo, quem é esta rapariga?" Era a Renata que tinha ido à calourada me fazer uma surpresa (uma amiga dela que estava na calourada tinha ligado pra ela e dito onde eu estava) e que surpresa, eu já estava branco e sem fala querendo explicar o inexplicável, quando a Germana se apresentou e disse que não estávamos fazendo nada de mais e que ela, por favor, desse licença que já estávamos indo embora. Fiquei surpreso com a reação dela. A minha namorada, muito puta da vida, disse que tb ia junto e fomos então para o meu tempra. Quando chegamos eu já estava com idéias na cabeça e resolvi deixar a Renata ir dirigindo com a Germana ao seu lado e fui para o banco de trás. Deixei que as duas se entendessem. A Renata foi logo perguntando quem era ela e como tinha me conhecido, etc. Comecei a beijar a Renata na nuca e disse pra ela se acalmar e que queria ir à um motel e se ela teria coragem de transar com alguém nos olhando, perguntei para a Germana se teria algum problema ela nos acompanhar. As duas aceitaram e pensei comigo "esta noite promete..." Quando chegamos fui logo tirando minha roupa e caindo na piscina enquanto uma ficava olhando pra outra com cara de espanto e excitação. Esperei pra ver o que aconteceria e depois de uns 10 minutos as duas vieram enroladas nas toalhas e a Germana perguntou como estava a água eu disse que estava ótima foi aí que a Renata deixou cair a toalha e pulou na piscina sendo seguida pela Germana. A Renata chegou perto de mim e disse ao meu ouvido "Era isso que você queria, não era? Ter duas garotas ao mesmo tempo só pra você?" Eu disse que era a minha maior fantasia e perguntei se ela a realizaria. Ela então perguntou se teria gás pra agüentar as duas eu respondi que só vendo pra crer... Renata me puxou pra borda e eu sentei na beirada deixando meu pau na altura de sua boca, ela começou um boquete como nunca fizera antes, acho que queria mostrar pra outra o quanto ela era boa de cama. A Germana entendeu a deixa e veio dividir a minha rola com ela, era uma disputa de quem me chupava melhor e eu já estava completamente louco com aquelas gatas me chupando, enquanto uma chupava a cabeça a outra cuidava das minhas bolas e eu apertava aqueles quatro seios lindos. Decidi ir para a cama pois já estava quase gozando e sabia que ainda teria que dar muito duro com as duas. A Germana atacou logo meu pau e a Renata colocou a sua bucetinha quase careca na minha cara. Lambi feito um doido e acabei esporrando na boca da Germana que engoliu tudo e antes que ele ficasse mole colocou uma camisinha e sentou em cima começando uma cavalgada alucinante, apertando meu pau com sua bucetinha e gemendo sem parar. Renata, que acabara de gozar na minha boca, disse no meu ouvido "vou te deixar maluco" e começou a lamber meu saco, enquanto eu comia a Germana, sugando cada testículo e me fazendo ver estrelas... Foi aí que a coisa realmente esquentou pois a Germana pediu pra Renata que colocasse meu pau no cuzinho dela. Ela então tirou meu pau e deu uma boa chupada nele e disse que estava adorando o gosto da bucetinha dela e queria provar melhor, caindo de boca e chupando a xana e o cuzinho e me chamou pra sentir o gosto tb, eu claro que fui correndo e quando estava chupando aquela bucetinha rosada junto com a minha namorada ela disse que nunca imaginou que um dia estaria fazendo aquilo. Eu perguntei se estava gostando, ela respondeu que estava adorando. Nisso a Germana já estava completamente fora de si e gritava de tanto prazer, dizendo que ia morrer!! Eu então resolvi comer a bucetinha da Renata e me coloquei atras dela enfiando tudo de uma vez o que fez que ela tivesse um orgasmo instantâneo e chupasse a Germana ainda com mais força. Então disse que queria ver os duas se beijando e a Germana falou que eu era muito safado e enfiou a língua na boca da minha namorada e as duas começaram a acariciar os seios uma da outra, neste instante parei para observar a cena de duas mulheres que eram heterossexuais, numa cena digna de um filme pornô. Disse então, na maior cara de pau, que queria ver as duas se chupando e a Germana foi direto pra bucetinha da Renata e começaram um 69 espetacular, comecei a meter no cuzinho da Germana e sentia a língua da minha namorada passar pelas minhas bolas, de vez em quando tirava da Germana e dava pra Renata chupar e voltava a meter no cuzinho ou na bucetinha dela. Depois coloquei as duas de quatro e metia nas duas bucetas e nos dois cuzinhos. Não sei se no céu vou encontrar prazer semelhante, comer as duas foi realmente divino!!! Quando demorei um pouco mais no cuzinho da Renata a Germana começou a me beijar e pediu que eu chupasse sua buceta, ficando em pé e colocando sua xaninha na minha boca e gozamos os três com as duas gritando e eu de boca na bucetinha rosa da Germana. Por fim me deitei com uma de cada lado demos um beijo triplo. Elas me disseram que nunca haviam gozado tanto e que agora eu tinha a dever de sempre satisfaze-las. Essa foi uma das minha inúmeras aventuras esperem que escreverei contando mais... Não esqueçam de sempre se usar camisinha, eu uso! Se você é mulher e de Fortaleza e gosta de relatos eróticos e fazer boas amizades, me escreva luciano39@hotmail.com.

09

FESTA NO COLÉGIO

" Depois de muito pensar, resolvi contar o que nunca imaginei que fosse acontecer comigo. Sou casada, tenho 30 anos, um corpinho bem feito e voltei a estudar recentemente, incentivada pelo marido. A aventura começou quando aceitei o convite de minhas colegas normalistas para ir a uma festa num colégio só de homens, em outra cidade. Pensei que meu marido não fosse deixar ir, mas ele concordou quando disse que outras casadas iriam também. Assim, vesti um baby look que ele mesmo me dera e lá fui, na maior algazarra, num ônibus com 40 normalistas. A medida em que as latinhas de cerveja eram consumidas, a viagem ia ficando mais animada. Estava meio alegre e não parava de brincar. Quando chegamos ao tal colégio, o baile já começara, mas um grupo grande de alunos nos cercou, nos comendo com os olhos. Fomos levadas ao salão e distribuídas aos pares pelas mesas, onde logo se sentavam outros rapazes. Quando um deles me ofereceu uma dose de vodka, aceitei rindo e bebi rápido demais. Chamava-se Veiga e logo me levou para dançar, me puxando todo para si. Senti o membro dele durinho e enorme latejando entre minhas coxas. Devia estar sem cueca e aquilo me desnorteou. Percebendo minha excitação, alisou minhas costas e, aos poucos, foi tocando minha bundinha. Fiquei atônita mas não reagi, diante daquele cara forte e abusado. Ele me beijou na boca de leve e, depois, no pescoço. Pedi que parasse, mas mandou outro beijo na boca, aproveitando o momento em que eu falava e já colocando sua mão em minha bundinha. Aquilo me fez ficar mais excitada ainda. Ele me disse que iria mostrar o colégio e eu o acompanhei, e claro, sem reclamar. Em instantes, estávamos fora do salão e chegamos a uma quadra de esportes sem iluminação. Ele entrou comigo no vestiário ao lado e fechou a porta. Começou a me beijar e foi logo levantando meu vestido. As mãos dele foram direto para minha xoxota e, quando ele abriu meu zíper, já estava toda molhadinha. Não o impedi de tirar meu sutiã e ele foi maravilhosamente chupando meus seios, ao mesmo tempo em que continuava acariciando minha xoxota. A cada mordida no meu seio, ia ficando mais doida. Abri a calça dele e segurei seu enorme e durinho membro. De fato, ele não usava cueca. Veiga me deitou no chão de cimento e beijou minha vagina, enquanto seu pênis roçava nos meus lábios. Não resisti e comecei a chupar. Ele ia e voltava e eu gozava com a língua toda em minha vagina, enquanto os dedos rasgavam meu anus. Aquilo me enlouquecia de prazer e dor. O pau de Veiga começou, então, a latejar em minha boca e, num movimento forte, entrou todo até minha garganta. Senti os pelos roçarem meus lábios até Veiga começar a gozar, enchendo minha boca de esperma. Quase sufoquei, mas ainda não sabia o que estava para acontecer... Veiga me fez levantar e ficar de quatro, para, com o sexo ainda meio duro, começar a forçar meu cuzinho. Eu rebolava e pedia mais! Ele foi enterrando os dedos em minha vagina e foi forçando a passagem por trás, até entrar no anus. A dor era grande e não estava acostumada, mas, a medida que ia me rasgando, eu ia gozando. Logo, ele entrou todinho, passando a ir e voltar, alargando a passagem já lubrificada. Excitada, pedia para meter mais, não notando que a porta se abrira com a passagem de mais dois rapazes. Só percebi quando um deles se aproximou pela frente, rindo e roçando o pau nos meus lábios. Fechei a boca rápido mas Veiga, sem parar de me comer, ordenou: 'Chupa, chupa, vagabunda.' Enquanto isso, o cara segurava meu rosto e empurrava a vara entre meus lábios. Comecei a gozar e deixei que aquela cabeça vermelha e enorme me invadisse. Fechei os olhos e não resisti: chupei tudo como se fosse um picolé. Quando senti o gozo invadir meu anus, continuei sugando o outro com volúpia. Ele era enorme e latejava a cada chupada. Foi quando senti de novo algo duro forcando minha bunda, já dolorida e rasgada. A pica entrou rápida e logo percebi que não era a do Veiga, pois este já estava na minha frente também, rindo daquilo tudo. Nisso, o rapaz ao lado dele tirou o sexo da minha boca e deitou-se por baixo, encaixando a piroca na minha vagina meladinha. Gozei novamente, sentindo como era gostoso ser comida por dois aos mesmo tempo. Só de pensar nisso, fico excitada! Os dois iam e voltavam, com a mesma freqüência que Veiga passava a pica lambuzada de esperma pela minha boca. Eu lambia tudo ate os testículos e ele me chamava de piranha. A vara foi crescendo entre meus lábios e aquilo me dava o maior prazer. Rebolando, deixei que o outro me forcasse o anus cada vez mais, enquanto o terceiro fazia minha vulva vibrar. Meu marido nunca saberá disso mas, na hora, eu só pensava em gozar e, quando gemia de dor, queria ter e dar prazer aos três. Era uma fêmea no cio sendo comida por três machos. Gozamos os quatro alternadamente: primeiro, senti o esperma invadir a vagina; depois, a boca; e, quando o último começou a explodir no anus arrombado, comecei a gozar de novo. Ao nos soltarmos, eles me levaram para o chuveiro do vestiário, onde ainda brincamos muito e os três me comeram pela frente. Depois, os dois colegas saíram e me deixaram com Veiga, que ajudou a me vestir, antes de irmos para o ônibus. Não resisti e o beijei na boca, na frente das minhas colegas, que riam muito, pensando no meu casamento. Pensei que a aventura terminara, mas, de repente, chegou um terceiro colega de Veiga, que foi me levando para um canto escuro. Ali, o rapaz abriu a braguilha e mostrou o pênis brilhante e entumecido. Enquanto me indicava a lança, Veiga ordenava que a chupasse mesmo com a minha recusa inicial: 'Você agora é minha piranha e eu quero que você faça esse boquete.' Não sei por que mas gostei daquela ordem e, como uma prostituta obediente que satisfaz o cafetão, acabei mamando aquela vara jovem. Hoje, estou feliz por ter descoberto este meu lado. Uma vez por mês, Veiga me visita, trazendo novos colegas para trepadas inesquecíveis nos motéis. Continuo amando meu maridão, mas não abro mão deste adorável prazer. Um dia, vou tentar fazer sexo assim com o meu marido. Só não sei como convidá-lo. "

quinta-feira, 7 de julho de 2011

 

DIVERSÃO NO VESTIÁRIO (Coelhinha)

" Como era véspera de feriado, e a última aula do dia, quase ninguém havia ido à aula de natação, e estávamos somente eu (a única menina no dia), mais três alunos e o instrutor. Éramos colegas há anos, e portanto sempre fomos descontraídos, e permitíamos certas "brincadeiras", repletas de malícia. Eles ficavam observando meu bumbum quando eu ia mergulhar, e ficavam rindo, elogiando de maneira exagerada, sempre inventando apelidos para mim. Eu, é claro, não deixava por menos, e retrucava à altura, e sempre ríamos muito, apesar de todos conhecerem os limites. Mas aquele dia eles estavam atacados. Com excesso de testosterona mesmo. Começaram a comentar sobre os pentelhinhos que saíam pra fora do maiô, me imitavam andando, simulando meus seios médios balançando levemente, e chegaram a dar tapinhas em meu bumbum. Eu é claro, fiquei irritada, mas no fundo apareceu um certo tesão... estando só nós lá naquela piscina enorme estava mesmo excitante... mas eu precisava manter minha compostura, e cortei a brincadeira. Com os ânimos deles esfriados, continuamos a aula de maneira normal. Até o instrutor parou de rir, percebendo minha seriedade. Mas eu continuava com aquele tesãozinho guardado... No fim da aula, eu estava lá, sozinha no vestiário, tomando meu banho. Surgiu uma idéia meio idiota, que logo tentei abandonar, mas o tesão foi mais forte... invadir vestiário deles nua. Dava pra ouvir as risadas deles (de tão alto) e a certo momento ouvi comentarem sobre mim. Talvez imaginassem que eu não ouviria, mas me chamaram de gostosa. E começaram a falar obscenidades... o que fariam comigo. Eu deveria ficar com raiva, mas aquilo me fez ficar com um tesão incontrolável... sabia que se eu fosse lá não prestaria... mas a vontade era enorme... imensa mesmo... imaginava eles me possuindo, e ficava louca. Saindo do banho, me enrolei na toalha, respirei fundo e tomei coragem. Saí do vestiário, pisando descalça naquele chão úmido e frio, só com a toalha, e entrei no vestiário deles. Chegue com cara de poucos amigos, e perguntei o que que eles estavam de mim. Desconcertados, tentaram se esconder, se cobrindo com a toalha. Eu perguntei para o Rafael, o mais velho (e safado) deles, que responde : "Não estávamos falando nada demais.". Respondi porque que eles não falavam na minha frente. Ele disse : "porque o interesse?". "Nada - acrescentei só porque tenho certeza de que não poderiam cumprir metade do que prometem... seus brochas". Aquilo mexeu com ele, porque pude notar sua ereção. Seu pau ficava maior e maior, ele percebeu que eu olhava e disse "gostou, né, safada". Eu respondi acariciando ele por cima da toalha "parece gostoso". Tirei a toalha e comecei a passar a língua na cabecinha rosada dele. Seu pau ficou totalmente ereto, e ele segurou minha cabeça com as mãos. Seu gosto salgado me deixou excitada, e comecei a passear com a língua por ele inteiro, chegando até o saco. Os outros dois começaram a me acariciar, tirando minha toalha, até que fiquei totalmente nua (e com um pouco de frio... mas logo logo iam me esquentar). Forçando minha cabeça, Rafael me fez engolir todo seu pau, o que fiz com prazer, levando-o até minha garganta, indo e voltando, às vezes tirando da boca, lambendo um pouco e abocanhando-o de novo. Tiago logo começou a acariciar meus seios, com os biquinhos já durinhos, e o terceiro, Rodolfo, já queria ir me penetrando de quatro, mas não deixei. Parei de chupar o Rafael e me levantei... disse que ia chupar todos antes de me penetrarem... Rafael se sentou no banco, e pude continuar a chupá-lo, enquanto segurava e masturbava os outros dois mastros. Saber que iria ser rasgada por todos me deixou alucinada, e chupei Rafael com tanta vontade, tanta gula, que ele gozou em minha boca. Lambi tudo o que pude, mas escapou um pouco que escorreu pelos meu rosto. Agora eu chupava o Rodolfo enquanto masturbava Tiago e Rafael me chupava atrás, lambendo meu clitóris e me penetrando com a língua. Comecei a gemer, e quando ele percebeu que eu já não agüentava mais a espera, começou a me penetrar. Arrebitei meu traseiro para facilitar seu trabalho, e fiquei toda arreganhada, como uma verdadeira puta. Ele foi abrindo caminho em mim lentamente, cada vez que se aprofundava em mim eu gemia. Quando entrou tudo, começou a estocar com vigor, e a cada estocada eu dava um gritinho, com o pau teso do Rodolfo todo em minha boca. Quando eu estava prestes a gozar, comecei a chupar rápido e com muita gula, até que Rodolfo gozou em minha boca ao mesmo tempo em que eu alcançava meu primeiro orgasmo. Rafael agora queria comer meu rabinho, e tivemos que mudar de posição... fui sentando em cima de Rodolfo deitado no chão, e quando ele estava todo em mim, Rafael começou a salivar meu traseiro... e enfiou um dedo... eu comecei a chupar Tiago, enquanto Rodolfo, deitado no chão, me comia bem gostoso... atrás eu sentia a saliva e os dedos de Rafael me invadindo... estava uma delícia... Até que ele começou a colocar seu membro, agora duríssimo em mim... doeu bastante, fiquei gritando com o pau de Tiago na boca, mas depois que me acostumei, a sensação era maravilhosa... dois cacetes deslizando dentro de mim, enquanto eu chupava um terceiro... gozei várias vezes... Até que, de repente, Rafael saiu de trás de mim... senti um certo alívio, e ao mesmo tempo um vazio... pensei que ele ia gozar em cima de mim, mas não foi o que aconteceu. Senti algo quente e duro forçando novamente a minha entrada, mas não era Rafael. Era maior. Curiosa, parei de chupar o Tiago e olhei para trás. Era o instrutor! Ele estava com cara de quem queria comer meu rabo, e foi o que fez. Tentei me desvencilhar, mas ele segurou com força meus quadris e foi enfiando tudo, com força... doeu bastante, ele era bem maior do que o Rafael... enquanto eu gemia e gritava, Tiago esfregava seu pau na minha cara, querendo que eu continuasse a chupar... e Rodolfo ainda metia em mim, como se nada acontecesse. Voltei a chupar Tiago, mas por pouco tempo. Quando o instrutor começou a estocar, não aguentei e larguei o Tiago, e fiquei segurando o banco, arranhando ele. A cada estocada, ele arrancava de mim um grito, e sentia que ele ia rasgar meu traseiro todo. Rodolfo gozou em mim, e saiu de baixo... Tiago também se levantou, e eles me deixaram lá, sozinha, sendo judiada sem dó pelo instrutor. Quando ele gozou, senti seu esperma quente inundar meu cuzinho todo... ele ainda deu algumas estocadas me fazendo dar mais alguns gritos, e tirou seu pauzão melecado de dentro de mim. Me senti aliviada, apesar do vazio que sentia. Suada, me levantei e fui tomar banho, lá com eles mesmo. Ainda brincamos mais um pouco no chuveiro, e depois fomos embora, nos despedindo com beijos na boca. Depois dessa tivemos muitas outras brincadeiras. Mas fica pra próxima. Quem quiser se corresponder comigo meu email é lecutier@hotmail.com Coelhinha

*

DOIS CASAIS E SACANAGEM EM DOBRO

" Somos casados há oito anos e a nossa relação surgiu de uma paixão superapimentada. No início, freqüentávamos motéis e cada trepada era um tremendo tesão. Num determinado momento, começamos a incluir uns filmes pornôs nas nossas farras, o que conseguiu manter o tesão em um nível bastante satisfatório. Adorávamos principalmente os clássicos, como Atrás da Porta Verde, Taboo e Garganta Profunda. Ou seja, percebemos que gostávamos de sexo com classe, qualidade e principalmente sacanagem. 

Embora fôssemos bastante liberais quanto ao sexo, não tinha coragem de propor à minha mulher um relacionamento com outros casais, do tipo suingue. Nos amamos muito e eu tinha medo de propor um relacionamento de troca de casais e, com isto, prejudicar definitivamente um casamento tão gostoso. 

Descobri na Internet os endereços dos clubes americanos de suingue, que promovem diversos eventos entre casais. Inclusive viagens turísticas ao Caribe, que pelo crescimento do número de participantes parecia ser uma solução legal. 

Como sou leitor da Contos Eróticos , comecei a tentar contato com casais que anunciam seus desejos no Correio. Consegui escolher um que me pareceu muito sério e pude conhecê-lo numa viagem a serviço, pois não moram na nossa cidade. Marquei um encontro num bar da cidade. Eles eram muito simpáticos, educados e experientes. Ela era uma coroa enxuta, que me deixou com tesão só de pensar no que viria a acontecer. Ele era uma pessoa de alto nível cultural e de bom humor. 

Combinamos um encontro casual, que aconteceria numa viagem de turismo, num feriado prolongado. Eu e minha mulher iríamos passear na cidade deles. 

No primeiro dia, num restaurante, na hora do almoço, aconteceu o encontro e, por sorte, houve simpatia mútua entre as mulheres. Marcamos um encontro à noite para dançarmos numa casa de shows. Após alguns drinques, a Júlia, mulher do Leopoldo, começou a conversar mais intimamente com Sheila e, num determinado momento, explicou para ela o tipo de experiência que viviam há muito tempo e o quanto tinha sido excelente para o casal. 

Sheila, a princípio, pelo que pude perceber por suas feições, pois eu conversava com o Leopoldo, se surpreendeu mas ficou curiosa. Começou a perguntar e ficar cada vez mais interessada no assunto. Para encerrar a noite, a Júlia me convidou para uma dança e o Leopoldo a Sheila. Na pista, ela me explicou que a Sheila ficara muito curiosa e tinham marcado uma nova noitada para o dia seguinte. Até o final da dança, tinha ficado de pau duro e percebi o quanto ela sabia aproveitar a situação. Não consegui observar o outro casal. No final, nos deixaram no hotel. 

No hotel, não conseguimos pregar no sono e Sheila me confidenciou a conversa com Júlia, dizendo que tinha marcado o programa do dia seguinte devido à curiosidade. No final do papo, transamos com um tesão que não sentíamos há meses. 

Durante o dia seguinte, percebi uma ansiedade muito grande em Sheila, o que não era normal. Tudo estava muito bem encaminhado. Para sair à noite, a preparação foi demorada e caprichada. Eles nos vieram buscar e fomos para um lugar excelente, mas que estava muito cheio. Júlia, então, nos convidou para a sua casa, pois queria que nós conhecêssemos algumas especialidades suas e poderíamos conversar à vontade, já que os filhos estavam na casa dos avós. 

Chegando lá, conhecemos o apartamento, que era decorado com bom gosto, e passamos a beber champanha com alguns canapés e pêras. Depois de algum tempo, o astral estava ótimo e começamos a dançar. Os pares começaram devagar e Sheila ficava me observando com Júlia, que com muito talento e humor conseguia levar a coisa. Continuamos dançando e o pau cresceu de novo. Provocante, Júlia sabia tirar um sarro e Leopoldo também era bom no papo. 

Como tínhamos combinado, Júlia provocaria o clima, mas só avançaríamos se Leopoldo conseguisse criar o clima de tesão necessário em Sheila. O que aconteceu em forma de sarro, deixando a Júlia superacesa. 

Como previsto, saímos da sala para deixar os dois à vontade e fomos para o quarto do casal. Este era o momento crítico, em que tudo poderia reverter. Demos alguns minutos apenas nos bolinando e partimos para os finalmentes. 

Júlia é uma morena balzaquiana sensacional. Comecei a tirar a roupa dela devagar e a gata foi revelando todo o seu corpo. Mas o melhor era o tesão que sentia. Comecei a passar a língua em todo o seu corpo, parando nos lugares em que sentia as maiores reações. Quando mal cheguei na xoxota, ela teve um orgasmo. Se afastou e procurou o meu cacete, que brilhava na pouca luz que existia. Segundos depois, estávamos num meia-nove que durou pouco tempo, pois gozei na sua boca e ela ficou sugando até a última gota.

Nos beijamos, paramos um pouco e, como não fomos interrompidos, sentimos que tudo havia dado certo. Apagamos a luz do corredor e fomos observar o outro casal. Estavam mais atrasados: Leopoldo beijava os peitinhos de Sheila, que se contorcia de prazer. Júlia segurou no meu cacete, que ficou logo duro e retornamos para o quarto. Ela me deitou, veio por cima e mostrou tudo o que sabia. Após gozarmos, acabamos cedendo aos efeitos do champanha e desmaiamos. 

Acordamos pela manhã com Sheila e Leopoldo no quarto nos observando dormindo nus abraçados, e nos convidaram para o café da manhã que haviam preparado. Fomos para a mesa em trajes menores. demonstrando uma rápida intimidade. Era uma pena que precisássemos retornar à nossa cidade naquele dia, mas ainda deu para uma enrabada maravilhosa na Júlia, que se revelou uma mestre nesta arte. 

Voltamos para nossa rotina, que foi alterada apenas no tesão, o que fez melhorar muito o nosso relacionamento. Durante dois anos, mantivemos nos feriados e férias encontros com Júlia e Leopoldo, consolidando uma amizade excelente, de bons momentos e aventuras, como aquele em que realizamos um bacanal a quatro como se estivéssemos incluídos na orgia do Atrás da Porta Verde, que rolava no vídeo enquanto estávamos em ação."

quarta-feira, 6 de julho de 2011

SANTINHA QUE VIROU CHINA:

0002

" Meu nome é Felipe, moro em uma cidade do interior do RS, sou fan número 1 desta ágina e por isso vou relatar o que aconteceu comigo numa noite de farra. No dia do meu aniversário, fiz uma festa e tomamos bastante... Lá pelas 2:00 horas da madrugada o pessoal resolveu ir para a boate da cidade, e eu não podia perder a festa... Chegando lá começei a agitar mais ainda, pois não sabia que uma grande surpresa estava para me acontecer. Quando vi Andréia, uma garota com que já havia ficado a algumas semanas atrás...

Nesta ocasião eu havia botado a mão na bundinha dela e ela tirou minha mão de lá e disse que não era garota daquilo. Eu pensei comigo mesmo: posso tentar arrumar alguma pra comer, se não vou ficar só no beijinho mesmo com a Andréia. Passa tempo e eu não arrumei nada, então fui ao encontro de Andréia, que também estava só, conversa vai conversa vem fui me aproximando e lasquei um beijo naquela menininha. Ele retribuio muito bem e eu começei os amaços... Fui descendo e coloquei a mão na bundinha dela... E para minha surpresa não houve nenhuma resistência, e para aumentar o meu tesão ela falou: Hoje quero te dar um presente!

Que felicidade a minha! Estava com um tesão enorme, então pedi para que fossemos para fora pegar um ar, ela com uma risadinha disse que sim... Ao entrarmos no meu carro, ela começou a me beijar loucamente, eu estava a fim de parar e comer ela ali mesmo no carro! Ela me apertava, me beliscava, me torturava! Eu não aguentei e parei o carro na torre ("matel" da cidade) e fomos para o meio do mato. Eu como já esperava que me acontecesse uma coisa do estilo e tinha levado uns cobertores... Estendi no chão e me deitei... A garota veio por sima de mim e me beijou novamente, e foi baixando, me lambendo até chegar no meu pau. Ela dava umas mordidinhas uns toques de leve uma loucura!

Eu já não aguentando mais disse pra ela ficar de 4. Ela ficou! Se arreganhou todae ficava falando palavrões do tipo: Eu sou uma cadela! Uma puta! Você tem o maior pau da face da terra! (não chega a tanto mas impõe respeito os meus "21 de comprimento por 7 de largura) Ela dava com prazer! Eu metendo naquela boceta, e olhando aquele cusinho... Eu sem falar nada tirei da boceta dela e coloquei ele no seu cú, ela já tinha gosado umas 3 vezes, e eu ainda não tinha. Ela começou a rebolar muito!

Dizia que doia mas tava adorando! A minha pica entrou dificil... Até doeu... Meti tanto que gosei naquele cuzinho apertado. A minha santinha virou puta e eu a comia quase todo final de semana, como é bom dar uma fodida! Principalmente no dia do seu aniversário.